Outubro 1, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Atualizações de notícias ao vivo da Ucrânia e da Rússia: Putin, Biden e a União Europeia

Atualizações de notícias ao vivo da Ucrânia e da Rússia: Putin, Biden e a União Europeia
foto
crédito…Tyler Hicks/The New York Times

Com a Rússia enviando as Forças Armadas e os Estados Unidos prometendo sanções, o conflito na Ucrânia entrou em um novo capítulo perigoso na terça-feira, à medida que o caminho para uma solução diplomática se estreitava rapidamente.

O presidente russo, Vladimir Putin, tem sido duro com o que o espera, chamando a Ucrânia de mais do que uma “marionete” dos Estados Unidos, e os líderes de Kiev os únicos responsáveis ​​por qualquer “derramamento de sangue” que possa vir a seguir. Putin também levantou o espectro de combates depois de ordenar que tropas se deslocassem para as duas regiões separatistas da Ucrânia que a Rússia acabara de reconhecer.

“Quanto àqueles que tomaram o poder em Kiev e ainda o mantêm, exigimos que parem imediatamente com a ação militar”, disse ele, referindo-se à capital ucraniana.

Os líderes da Ucrânia se prepararam para a perspectiva de uma intensa batalha para defender seu território, entregando uma mensagem sombria às tropas na terça-feira. “Teremos um julgamento difícil pela frente”, disse o ministro da Defesa, Oleksiy Reznikov, em comunicado divulgado pelo Exército. Haverá perdas. Você terá que passar pela dor e superar o medo e o desespero.”

Autoridades da Casa Branca disseram que o presidente Biden vai impor sanções econômicas a regiões separatistas da Ucrânia e que outra resposta ocidental será anunciada na terça-feira. Até então, muitos dos assessores de Biden disseram que já esperavam ver forças russas avançando pela fronteira para a Ucrânia, cruzando a linha que Biden estabeleceu para impor sanções “rápidas e duras” a Moscou.

READ  Em uma cerimônia em que uma nova balsa foi realizada, Putin deu detalhes de um telefonema com o líder da Bielorrússia e mencionou uma saída para o Mar Báltico

Nas últimas semanas, de 150 a 190 mil soldados russos, segundo estimativas ocidentais, gradualmente reprimindo seus vizinhos, e os Estados Unidos alertaram repetidamente que a questão sobre a invasão russa não era se era ou não.

Vídeos de comboios militares movendo-se pelo território separatista circularam nas mídias sociais na terça-feira, mas não houve confirmação oficial imediata de que se tratava de forças russas e não de separatistas apoiados pela Rússia.

Do lado ucraniano, relatos semelhantes não confirmados surgiram nas mídias sociais mostrando que o exército ucraniano está movendo armas pesadas, como artilharia autopropulsada e tanques, em direção à linha de frente com enclaves separatistas.

Os Estados Unidos e seus aliados rapidamente condenaram as medidas tomadas pela Rússia na segunda-feira para reconhecer as regiões separatistas, as chamadas Repúblicas Populares de Donetsk e Luhansk, criadas depois que a Rússia iniciou uma guerra separatista no leste da Ucrânia em 2014.

Secretário de Estado Anthony J. Piscando no Twitter Que “o movimento da Rússia para reconhecer a ‘independência’ das chamadas repúblicas controladas por seus representantes é uma vergonha previsível”. Ele acrescentou que disse ao ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, que os Estados Unidos condenam essas ações “nos termos mais fortes possíveis”.

Em uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU na segunda-feira, vários países criticaram a Rússia, dizendo que a medida representava uma violação da Carta da ONU e um ataque à soberania da Ucrânia. Embora a reunião tenha terminado sem ação, Linda Thomas Greenfield, embaixadora dos EUA nas Nações Unidas, disse que os membros do conselho “enviaram uma mensagem unificada – que a Rússia não deveria iniciar uma guerra”.

READ  Porta-aviões dos EUA chega à Coreia do Sul como um aviso à Coreia do Norte

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, em um comunicado televisionado na segunda-feira, pediu aos aliados da Ucrânia que tomem medidas imediatas e pediu ao povo ucraniano que permaneça calmo.

“Estamos em nossa terra”, disse ele. “Não temos medo de nada nem de ninguém.”

Na terça-feira, Reznikov, o ministro da Defesa, reiterou a posição do país, dizendo que o Kremlin não reconheceu as duas regiões separatistas, mas reconheceu sua “agressão contra a Ucrânia”.

“Estamos prontos e capazes de defender a nós mesmos e nossa soberania”, disse ele. no Twitter. “O mundo não pode ficar em silêncio. Sanções? Outro arranhão no muro? O novo Muro de Berlim?”