Julho 23, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Autoridades disseram que os Estados Unidos aconselharam a Ucrânia contra ataques secretos na Rússia durante a insurgência

Autoridades disseram que os Estados Unidos aconselharam a Ucrânia contra ataques secretos na Rússia durante a insurgência

O governo Biden disse às autoridades ucranianas que não realizassem ataques secretos dentro da Rússia, onde a insurgência do Grupo Wagner estava em andamento, e os aconselhou a não fazer nada que pudesse influenciar o resultado dos eventos ou tirar vantagem do caos, segundo autoridades dos EUA.

Na época do envolvimento dos EUA com a Ucrânia, as autoridades americanas não sabiam exatamente o que o chefe de Wagner, Yevgeny Prigozhin, havia planejado, de acordo com autoridades americanas familiarizadas com a inteligência, mas sabiam que Prigozhin queria uma ação militar para Força Sergei K. Shoigu, Ministro da Defesa, e o General Valery V. Gerasimov, Chefe do Estado-Maior, do poder.

Os funcionários, que falaram sob condição de anonimato para discutir informações confidenciais, disseram que não sabiam como ele pretendia fazer isso ou o que pretendia fazer com eles. consciência, que eu relatei anteriormente CNNIsso aconteceu logo depois que Prigozhin começou sua rebelião, disseram as autoridades.

Ao exortar Kiev a ter cautela, as autoridades americanas não quiseram dar ao presidente Vladimir Putin uma desculpa para alegar que a rebelião de Prigozhin foi orquestrada pelos Estados Unidos ou pela Ucrânia. Eles também disseram acreditar que qualquer operação de alto nível das forças ucranianas dentro da Rússia provavelmente não teria nenhum impacto significativo nos objetivos de Prigozhin, mas permitiria a Putin apontar o dedo para o Ocidente, segundo estimativas dos EUA.

As autoridades dos EUA disseram especificamente às autoridades ucranianas que não é hora de lançar ataques transfronteiriços ou missões secretas de sabotagem, ou se envolver em qualquer jogo que Kiev possa pensar que possa lhes dar uma vantagem na guerra. Autoridades americanas disseram que, até onde sabiam, as unidades de inteligência ucranianas concordaram.

READ  Atualizações ao vivo: Rússia invade a Ucrânia

O alerta parece ter funcionado, em parte, porque as autoridades russas começaram a indicar nos últimos dias que não acreditam que o Ocidente esteja por trás da rebelião e instaram suas embaixadas a não comentar publicamente sobre isso.

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, disse na quarta-feira que Moscou reuniu informações que acredita mostrar que os Estados Unidos disseram a Kiev para não explorar a rebelião.

“Foram enviadas instruções a Kiev para que os ucranianos não usem esta situação para organizar sabotagem em solo russo e outras provocações em um futuro próximo”, disse Lavrov. Em entrevista à TV russa. “Não posso garantir 100 por cento, mas esta é uma informação confiável e parece estar correta.”

As observações de Lavrov sugerem que, pela primeira vez, o Kremlin não vê o Ocidente como o principal culpado pela insurgência – ao contrário dos ataques dentro da Rússia que se acredita terem sido realizados pela Ucrânia, que o Kremlin frequentemente atribui ao Ocidente. O Kremlin, pelo menos por enquanto, parece ter a intenção de culpar principalmente Prigozhin.

Os Estados Unidos acreditam que a maioria dos assassinatos, sabotagens e ataques de drones dentro da Rússia são obra de agentes ucranianos ou simpatizantes que agem mais ou menos sob a direção de partes do governo ucraniano ou serviços de inteligência. Mas, em muitos casos, os Estados Unidos não sabem exatamente quem autorizou as várias operações na Ucrânia.

Washington e Kiev discordaram sobre o programa de ação secreta da Ucrânia e a eficácia das operações dentro da Rússia. Altos funcionários dos EUA alertavam periodicamente os ucranianos sobre suas ações na fronteira e secretamente dentro da Rússia, e repetidamente lhes diziam para não usar equipamentos dos EUA nessas operações.

READ  O debate em Portugal sobre as reparações pelo colonialismo e pela escravatura ressurgiu

Algumas autoridades ucranianas acreditam que os ataques secretos são significativos porque provam que Putin é intocável e que seu controle sobre o país não é tão forte quanto ele afirma.

A cautela dos EUA veio em grande parte devido à incerteza sobre como os eventos irão se desenrolar. As autoridades disseram que a inteligência desenvolvida pelas agências de espionagem dos EUA nos dias que antecederam o início da insurreição não incluía os planos de Prigozhin de capturar a cidade de Rostov e depois marchar sobre Moscou.

Algumas autoridades americanas acreditam que Prigozhin estava improvisando muito de seu plano enquanto marchava em direção a Moscou. Funcionários disseram que isso poderia explicar a inteligência nebulosa sobre como ele pretendia o jogo final para sua insurgência.

Um alto oficial militar dos EUA disse que as autoridades dos EUA temem um resultado mais sangrento de possíveis confrontos entre as forças de Wagner que se deslocam para o norte em direção a Moscou e o pessoal de segurança russo ao longo do caminho.

Mas, por motivos que ainda não estão totalmente claros, disseram autoridades americanas, as unidades terrestres russas, incluindo a Guarda Nacional Russa, não dispararam contra a coluna de avanço de Prigozhin. Mesmo assim, a Força Aérea Russa atacou os rebeldes, mas sofreu pesadas perdas: pelo menos seis helicópteros de combate e um posto de comando aerotransportado Il-22 foram abatidos.

Autoridades dos EUA disseram acreditar que Prigozhin estava contando com o apoio de pelo menos alguns líderes russos ou serviços de segurança. Como esse apoio nunca se materializou publicamente e o Kremlin correu em defesa de Moscou, mobilizando milhares de pessoal de segurança, Prigozhin parece estar começando a considerar a continuidade da liderança.

READ  A Rússia "destruiu" Bakhmut. Linhas de frente do Donbass "duras": Zelensky

Nesse ponto, o presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, interveio com um plano para neutralizar a crise, dando a Prigozhin uma maneira de salvar a face, disseram as autoridades americanas.