Julho 22, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Biden se encontra com líder polonês agendado para falar sobre a guerra na Ucrânia

Biden se encontra com líder polonês agendado para falar sobre a guerra na Ucrânia

VARSÓVIA, Polônia (AP) – Presidente Joe Biden Ele reafirmou o compromisso dos EUA com a segurança europeia ao se encontrar com o presidente polonês, Andrzej Duda, na terça-feira, como parte de uma série de consultas com aliados para se preparar para uma fase mais complexa da invasão russa da Ucrânia.

“Devemos ter segurança na Europa”, disse ele no palácio presidencial em Varsóvia. “É tão simples, essa dependência.”

Biden chamou a OTAN de “talvez a aliança mais importante da história” e disse que está “mais forte do que nunca”, apesar das esperanças do presidente russo, Vladimir Putin, de que ela seja dividida pela guerra na Ucrânia.

Biden chegou a Varsóvia na segunda-feira depois de fazer uma visita surpresa a Kiev. Duda elogiou a viagem de Biden como “incrível”, dizendo que “elevou o moral dos defensores da Ucrânia”.

Ele disse que a visita era “um sinal de que o mundo livre e seu maior líder, o presidente dos Estados Unidos, estão do lado deles”.

Biden deve fazer um discurso sobre a guerra ainda na terça-feira e na quarta-feira planeja se encontrar novamente com Duda junto com outros líderes do Grupo dos Nove de Bucareste, um grupo de membros da aliança militar da Otan no Extremo Oriente.

O conflito na Ucrânia – a guerra mais importante da Europa desde a Segunda Guerra Mundial – deixou dezenas de milhares de mortos, destruiu o sistema de infraestrutura da Ucrânia e causou estragos na economia global.

Em seu discurso, espera-se que Biden destaque o compromisso da Polônia e de outros aliados com a Ucrânia no ano passado, quando falar dos jardins do Castelo Real de Varsóvia.. Em março passado, falando de Varsóvia, Biden fez uma condenação forte e muito pessoal Putin apenas algumas semanas após o início da guerra.

READ  Xi visita Hong Kong transformado pela repressão: atualizações ao vivo

O conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, disse que o discurso de terça-feira será “Joe Biden” e que o presidente democrata deixará claro que as ações que as democracias tomarem nos próximos anos reverberarão nos próximos anos.

Biden falará no dia em que Putin fará seu tão esperado discurso sobre o estado da nação, no qual anunciou que Moscou suspenderia sua participação no último acordo remanescente de controle de armas nucleares com os Estados Unidos.

O chamado novo tratado START limita o número de ogivas nucleares de longo alcance que podem ser implantadas e limita o uso de mísseis que podem transportar armas atômicas.

Sullivan disse que o discurso de Biden não seria “meio que cara a cara” com o de Putin.

“Esta não é uma disputa retórica com mais ninguém”, disse ele. “Esta é uma declaração positiva de valores, uma visão de como deve ser o mundo que estamos tentando construir e defender.”

Enquanto Biden procura usar sua rápida viagem à Europa como um momento de afirmação para a Ucrânia e seus aliados, a Casa Branca também enfatizou que não há um fim claro para a guerra no curto prazo, e a situação no terreno está se tornando cada vez mais difícil. complexo. .

O governo revelou no domingo que tem novas informações de inteligência indicando que a China, que permaneceu à margem do conflito, agora está considerando enviar ajuda letal a Moscou. O secretário de Estado, Antony Blinken, disse que isso pode se tornar um “problema sério” se Pequim continuar.

Sullivan disse que Biden e Zelensky discutiram as capacidades de que a Ucrânia precisa para “ser capaz de ter sucesso no campo de batalha” nos próximos meses. Zelensky tem pressionado os Estados Unidos e aliados europeus para fornecer caças e sistemas de mísseis de longo alcance conhecidos como ATACMS – que Biden até agora se recusou a fornecer. Sullivan se recusou a comentar se houve algum movimento sobre o assunto durante a palestra dos líderes.

READ  Incêndios florestais ocorrem na França e na Espanha em meio a onda de calor, enquanto o Reino Unido enfrenta seu dia mais quente de todos os tempos

Sem fim à vista para a guerra, o aniversário é um momento decisivo para Biden Tentar promover a unidade europeia e afirmar que a invasão de Putin foi um ataque direto ao sistema internacional após a Segunda Guerra Mundial. A Casa Branca espera que a visita do presidente a Kiev e Varsóvia ajude a fortalecer a determinação americana e global.

Nos Estados Unidos, uma pesquisa divulgada na semana passada pela Associated Press-NORC Center for Public Affairs Research O apoio ao fornecimento de armas e assistência econômica direta à Ucrânia está diminuindo. E no início deste mês, 11 membros republicanos da Câmara dos Representantes apresentaram o que chamaram de resolução de “tensão da Ucrânia”, que instou Biden a encerrar a ajuda militar e financeira à Ucrânia, enquanto pressionava a Ucrânia e a Rússia a chegarem a um acordo de paz.

Biden negou a ideia de recusar o apoio dos EUA durante sua visita a Kiev.

Enquanto estava em Kiev, ele disse: “Apesar de todas as divergências que temos no Congresso sobre algumas questões, há um grande acordo para apoiar a Ucrânia.” “Não se trata apenas de liberdade na Ucrânia. … Trata-se de liberdade na democracia em geral.”

Antes da viagem, a Casa Branca destacou os esforços da Polônia para ajudar a Ucrânia. Mais de 1,5 milhão de refugiados ucranianos se estabeleceram na Polônia desde o início da guerra e outros milhões cruzaram a Polônia a caminho de outros países. De acordo com a Casa Branca, a Polônia também forneceu à Ucrânia US$ 3,8 bilhões em ajuda militar e humanitária.

A administração Biden anunciou no verão passado que estava criando uma guarnição americana permanente na Polônia, criando uma posição americana permanente no flanco oriental da OTAN.

“O fato é que os Estados Unidos precisam da Polônia e da OTAN tanto quanto a OTAN precisa dos Estados Unidos”, disse Biden a Duda.

READ  Rússia veta resolução da ONU que monitoriza sanções à Coreia do Norte

___

Miller informou de Washington. Os escritores da Associated Press Monika Cieslowska em Varsóvia e Evan Fauci em Kiev, e Chris Megyrian e Kevin Fring em Washington contribuíram para este relatório.