Abril 21, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Bombardeiros russos e chineses realizam patrulhas conjuntas sobre o Oceano Pacífico

Bombardeiros russos e chineses realizam patrulhas conjuntas sobre o Oceano Pacífico

Moscou (AFP) – Bombardeiros estratégicos russos e chineses voaram nesta quarta-feira em uma patrulha conjunta sobre o Pacífico ocidental, em uma demonstração dos laços de defesa cada vez mais estreitos dos dois países.

O Ministério da Defesa da Rússia disse que os bombardeiros Tu-95 da Força Aérea Russa e os bombardeiros chineses H-6K sobrevoaram o Mar do Japão e o Mar da China Oriental durante a missão de oito horas.

O ministério disse em um comunicado que, como parte dos exercícios, os bombardeiros russos pousaram pela primeira vez na China e os bombardeiros chineses se dirigiram para uma base aérea na Rússia. Indicou que as patrulhas conjuntas não foram dirigidas contra nenhum outro país.

O Ministério da Defesa da China descreveu as patrulhas de quarta-feira como uma parte “rotineira” do plano anual de cooperação entre os dois militares.

Os exercícios seguem uma série de exercícios conjuntos destinados a mostrar a crescente cooperação militar entre Moscou e Pequim, já que ambos enfrentam tensões com os Estados Unidos.

Em setembro, Pequim enviou mais de 2.000 soldados junto com mais de 300 veículos militares, 21 aviões de combate e três navios de guerra para participar de um exercício conjunto total com a Rússia. Essas manobras são a primeira vez que a China envia forças de três ramos de seu exército para participar de um único exercício russo, no que foi descrito como uma demonstração da amplitude e profundidade da cooperação militar sino-russa e da confiança mútua.

A cooperação de defesa entre Moscou e Pequim cresceu desde que o presidente russo, Vladimir Putin, enviou suas forças para a Ucrânia em 24 de fevereiro.

A China, que declarou amizade “sem fronteiras” com a Rússia, recusou-se firmemente a criticar as ações de Moscou, culpando os Estados Unidos e a OTAN por provocar o Kremlin e criticando as duras sanções impostas à Rússia.

READ  O Reino Unido está organizando um voo de evacuação adicional de Port Sudan na segunda-feira

A Rússia, por sua vez, apoiou fortemente a China em meio às tensões com os Estados Unidos que se seguiram à visita da presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, a Taiwan.

Washington alertou Pequim contra o fornecimento de ajuda militar ou econômica direta à Rússia, embora a economia faminta de energia da China seja um dos maiores clientes de petróleo e gás russos. Suas compras mais que dobraram em relação ao ano anterior, para US$ 10,2 bilhões em outubro, com os importadores chineses aproveitando os descontos oferecidos por Moscou.

Em uma mensagem na terça-feira, o presidente chinês, Xi Jinping, disse que Pequim está pronta para “forjar uma parceria mais estreita” com a Rússia no campo da energia, o que pode ampliar os laços.