Fevereiro 4, 2023

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Canadá lança nova estratégia Indo-Pacífico, focada na China ‘disruptiva’

Canadá lança nova estratégia Indo-Pacífico, focada na China 'disruptiva'

OTTAWA (Reuters) – O Canadá lançou neste domingo sua tão esperada estratégia Indo-Pacífico, prometendo mais recursos para lidar com uma China “problemática”, enquanto trabalha com a segunda maior economia do mundo em questões de mudança climática e comércio.

O documento de 26 páginas delineou gastos de C$ 2,3 bilhões (US$ 1,7 bilhão), inclusive para fortalecer a presença militar do Canadá e a segurança cibernética na região e endurecer as regras de investimento estrangeiro para proteger a propriedade intelectual e impedir que empresas estatais chinesas adquiram suprimentos minerais críticos. .

O esquema é aprofundar os laços com uma região de rápido crescimento de 40 países que respondem por quase C$ 50 trilhões em atividades econômicas. Mas o foco está na China, mencionada mais de 50 vezes, em um momento em que as relações bilaterais estão gélidas.

“A China é uma potência global cada vez mais desestabilizadora”, disse a estratégia. “A China aspira moldar a ordem internacional em um ambiente mais tolerante a interesses e valores que cada vez mais se desviam de nós.”

O governo liberal do primeiro-ministro Justin Trudeau quer diversificar as relações comerciais e econômicas que dependem fortemente dos Estados Unidos. Dados oficiais de setembro mostram que o comércio bilateral com a China representou menos de 7% do total, ante 68% dos Estados Unidos.

A estratégia destacou “a interferência estrangeira e o tratamento cada vez mais coercitivo de Pequim a outros países.

“Nossa abordagem… é moldada por uma avaliação realista e clara da China hoje. Em áreas de profunda contenção, desafiaremos a China”, disse ela.

As tensões aumentaram no final de 2018 depois que um executivo da Huawei Technologies foi detido pela polícia canadense, e Pequim mais tarde prendeu dois canadenses sob acusações de espionagem. Todos os três foram libertados no ano passado, mas as relações continuam tensas.

READ  O vasto interior da China está com pressa para reforçar suas defesas COVID

No início deste mês, o Canadá ordenou que três empresas chinesas desinvestissem em minerais críticos canadenses, citando a segurança nacional.

Em uma seção referente à China, o documento disse que Ottawa revisaria e atualizaria a legislação que lhe permite agir “decisivamente quando investimentos de empresas estatais e outras entidades estrangeiras ameaçam nossa segurança nacional, inclusive em nossas cadeias de suprimentos de minerais críticos”.

O documento reconheceu oportunidades significativas para os exportadores canadenses e disse que a cooperação com Pequim é necessária para lidar com algumas das “pressões existenciais globais”, incluindo mudança climática, saúde global e proliferação nuclear.

Goldie Haider, CEO do Conselho Empresarial do Canadá, disse que é importante para o governo transformar “aspirações em ações e ações em realizações”.

O documento afirma que o Canadá aumentará sua presença naval na região e “aumentará nosso envolvimento militar e capacidade de inteligência como meio de mitigar o comportamento coercitivo e as ameaças à segurança regional”.

O Canadá pertence ao Grupo dos Sete principais países industrializados, que querem tomar medidas importantes para responder aos lançamentos de mísseis norte-coreanos.

O documento disse que Ottawa estava se envolvendo na região com parceiros como os Estados Unidos e a União Européia.

Ela disse que o Canadá precisa continuar conversando com países com os quais tem diferenças fundamentais, mas não os nomeou.

(US$ 1 = 1,3377 dólares canadenses)

(Esta história foi corrigida para fixar o valor para C$ 2,3 bilhões de C$ 2,6 bilhões no segundo parágrafo.)

(Reportagem de David Leungren). Edição por Denny Thomas, Leslie Adler e Daniel Wallis

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.