Maio 27, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Canberra disse que laser naval da China ilumina uma aeronave militar australiana

Canberra disse que laser naval da China ilumina uma aeronave militar australiana

SYDNEY (Reuters) – Um navio da Marinha chinesa lançou um feixe de laser para uma aeronave militar australiana enquanto sobrevoava as entradas do norte da Austrália, iluminando a aeronave e potencialmente colocando vidas em risco, disse a defesa australiana neste sábado.

O Ministério da Defesa disse em comunicado que um P-8A Poseidon – uma aeronave de patrulha naval – detectou o laser emitido por um navio do Exército-Marinha de Libertação Popular (PLA-N).

“A iluminação da aeronave pelo navio chinês é um grave incidente de segurança”, disse o governo. “Atos como esse podem colocar vidas em risco. Condenamos veementemente o comportamento militar não profissional e inseguro”.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

O governo disse que o navio chinês estava navegando para o leste com outro navio do Exército de Libertação do Povo Chinês através do Mar de Arafura no momento do acidente. O mar está localizado entre a costa norte da Austrália e a costa sul da Nova Guiné.

O Ministério da Defesa disse que os dois navios passaram pelo Estreito de Torres e estavam no Mar de Coral.

As relações entre a Austrália e a China, seu maior parceiro comercial, azedaram depois que Canberra baniu a Huawei Technologies [RIC:RIC:HWT.UL] De sua rede de banda larga 5G em 2018, endureceu as leis contra interferência política estrangeira e pediu uma investigação independente sobre as origens do COVID-19.

Em 2019, navios da milícia naval chinesa lançaram uma série de ataques a laser contra pilotos australianos enquanto sobrevoavam o Mar da China Meridional, de acordo com um relatório da Australian Broadcasting Corporation (ABC).

(Reportagem de Kirsty Needham). Escrita por Lydia Kelly; Edição por Simon Cameron-Moore

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.