Fevereiro 7, 2023

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Caos segue-se a 20 minutos de chuva forte na Baixa do Porto

A autarquia admite que as obras do Metro “podem ter contribuído” para as cheias

O caos absoluto instalou-se ontem na baixa do Porto, após mais de 20 minutos de chuva forte.

Os meteorologistas estimam que 25 litros de água caíram por metro quadrado durante esse curto período, transformando partes da cidade em um rio caudaloso.

As cheias de sábado preocuparam as autoridades municipais, uma vez que as áreas do norte foram até agora poupadas dos horrores das inundações que atingiram as áreas urbanas de Lisboa pouco antes do Natal.

O vice-presidente da Câmara, Filipe Araújo, admitiu que “pela primeira vez” a água subiu ‘acima’ da superfície e não desabou num rio subterrâneo.

“Temos um rio que normalmente carrega água (da chuva). Se não encontrarmos maneiras de resolver (o problema), pode acontecer de novo…”, disse.

Araujo sublinhou que estão em curso as obras de expansão do metro da cidade e “elas podem ter contribuído para a situação (inusitada) que vivemos este sábado”.

Agora todos os esforços estão em entender o que exatamente deu errado e como corrigi-lo.

As cenas de ontem foram inéditas, principalmente na estação São Bento do Metrô, onde escadas rolantes e escadas se transformaram em violentas cachoeiras.

Lojas foram inundadas, porões inundados, calçadas e superfícies de estradas destruídas e tampas de bueiros levantadas e carregadas pela força das águas furiosas.

Os ‘danos’ ainda não estão claros; Os compradores individuais já estão descrevendo dezenas de milhares de euros em perdas.

“Tudo aconteceu tão rápido”, explicou um. “De repente, vimos o terraço sendo arrastado pela água. Tivemos tempo de correr, ou teríamos sido surpreendidos também…”

READ  UEFA: Portugal vai receber o Mundial de 2030 - Portugal

Em menos de duas horas, os serviços de emergência registraram mais de 250 ligações devido à inundação de residências e empresas.

“É um evento que a cidade nunca viu”, admite Philip Araujo.

A mídia social está cheia de vídeos documentando o caos e mostrando o quão forte a água estava no auge do incidente

Os esforços de limpeza ainda estão progredindo, com o norte e o centro sob alerta laranja durante todo o dia.

Algumas vias estão encerradas na Baixa do Porto – por exemplo a Avenida Gustavo Eiffel, que já se encontra encerrada ao trânsito devido ao desabamento do edifício, e a Rua Mousinho da Silveira, onde a cheia “abriu um abismo”.

[email protected]