Maio 29, 2023

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

China proíbe grande fabricante de chips Micron de grandes projetos de infraestrutura

  • Por Peter Hoskins
  • Repórter de negócios

A China diz que os produtos fabricados pela gigante americana de chips de memória Micron Technology representam um risco à segurança nacional.

O regulador cibernético do país disse no domingo que a maior fabricante de chips de memória dos Estados Unidos apresenta “sérios riscos à segurança da rede”.

Isso significa que os produtos da empresa serão banidos de grandes projetos de infraestrutura na segunda maior economia do mundo.

É o primeiro grande movimento da China contra um fabricante de chips dos EUA, à medida que as tensões entre Pequim e Washington aumentam.

O anúncio é o mais recente desenvolvimento em uma disputa cada vez mais profunda entre os Estados Unidos e a China sobre tecnologia que é crucial para as economias de todo o mundo.

A longa disputa levou Washington a impor uma série de medidas contra a indústria de chips de Pequim e a investir bilhões de dólares para impulsionar o setor de semicondutores dos Estados Unidos.

A CAC não detalhou os riscos que disse ter encontrado ou nos quais encontrou os produtos da Micron.

Um porta-voz da Micron confirmou à BBC que a empresa “recebeu um aviso da CAC após sua análise dos produtos da Micron vendidos na China”.

“Estamos avaliando o resultado e avaliando nossos próximos passos. Esperamos continuar conversando com as autoridades chinesas”, acrescentaram.

Em resposta, o governo dos EUA disse que trabalharia com aliados para resolver o que chamou de “distorções de mercado para chips de memória causadas pelas ações da China”.

Esta ação, juntamente com recentes greves e ataques a outras empresas dos EUA, é inconsistente com [China’s] Garantias de que eles abrem seus mercados e aderem a uma estrutura regulatória transparente”.

O preço das ações da Micron caiu 5,3% nas negociações de pré-mercado nos EUA.

No entanto, analistas do Jefferies Investment Banking Group disseram que “o impacto final [of the ban] A Micron vai ficar muito limitada” porque não depende do governo chinês nem das telecomunicações para a maior parte das vendas que faz no país.

No entanto, a China é um mercado importante para a Micron e gerou cerca de 10% de suas vendas no ano inteiro. Em 2022, a Micron registrou receita total de US$ 30,7 bilhões (£ 24,6 bilhões), dos quais US$ 3,3 bilhões vieram da China continental.

Também possui fábricas no país.

No domingo, o presidente dos EUA, Joe Biden, disse que os países do G7 estão procurando “reduzir o risco e diversificar nossas relações com a China”.

“Isso significa tomar medidas para diversificar nossas cadeias de suprimentos”, acrescentou.

O CEO da Micron, Sanjay Mehrotra, participou do encontro em Hiroshima como parte de um grupo de líderes empresariais.

Na semana passada, a empresa disse que investiria cerca de 500 bilhões de ienes (US$ 3,6 bilhões; £ 2,9 bilhões) para desenvolver a tecnologia no Japão.