Janeiro 27, 2023

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

China promete ‘vitória final’ sobre Covid enquanto o surto preocupa o mundo

  • O vírus está se espalhando rapidamente na China após a mudança de política
  • Japão exigirá testes pré-embarque de chegadas chinesas
  • Reunião da União Europeia para discutir política de viagens na China
  • OMS busca dados de cientistas chineses

PEQUIM (Reuters) – Autoridades globais de saúde lutaram para estabelecer a realidade do novo surto de coronavírus na China e como evitar uma maior disseminação, enquanto o jornal porta-voz do partido reunia o público na quarta-feira para a “vitória final” sobre o vírus.

A reversão da China de suas rígidas restrições de vírus no mês passado lançou o COVID em 1,4 bilhão de pessoas que têm pouca imunidade natural depois de serem protegidas do vírus desde que surgiu na cidade central de Wuhan, três anos atrás.

Muitas funerárias e hospitais dizem que estão sobrecarregados. Especialistas internacionais em saúde preveem pelo menos 1 milhão de mortes na China este ano, mas a China registrou cinco ou menos mortes por dia desde a mudança de política.

“É completamente absurdo”, disse um morador de Pequim de 66 anos, que deu apenas seu sobrenome, Zhang, sobre o número oficial de mortos.

“Quatro parentes próximos meus faleceram. Isto é apenas de uma família. Espero que o governo possa ser honesto com as pessoas e com o resto do mundo sobre o que realmente aconteceu aqui.”

A China descartou o ceticismo estrangeiro sobre suas estatísticas como tentativas politicamente motivadas de desacreditar suas conquistas no combate ao vírus.

“A China e o povo chinês certamente obterão a vitória final contra a epidemia”, disse o Diário do Povo, jornal oficial do Partido Comunista, em um editorial, refutando as críticas aos três anos de isolamento, bloqueios e testes da China que provocaram protestos históricos no final do ano. ano passado. em geral.

READ  Jornalista morto em ataque russo a Kiev

Depois que as restrições são suspensas, Pequim está respondendo a alguns países que exigem que visitantes da China mostrem testes COVID antes da partida, dizendo que as regras não são razoáveis ​​​​e carecem de base científica.

O Japão se tornou o último país a exigir um teste negativo antes de embarcar em um voo, juntando-se aos Estados Unidos, Austrália e outros. As autoridades de saúde da União Europeia devem se reunir na quarta-feira para discutir uma resposta coordenada às viagens à China.

Willie Walsh, presidente da maior associação internacional de transporte aéreo do mundo, também criticou o que chamou de medidas que, segundo ele, se mostraram ineficazes na prevenção da propagação do COVID.

A China, que está praticamente isolada do mundo desde o início da pandemia, deixará de exigir que os viajantes que chegam entrem em quarentena a partir de 8 de janeiro, mas ainda exigirá que os passageiros que chegam sejam testados antes de iniciar suas viagens.

incertezas de dados

Autoridades da Organização Mundial da Saúde se reuniram com cientistas chineses na terça-feira em meio a preocupações sobre a precisão dos dados chineses sobre a disseminação e a evolução do surto.

A agência da ONU pediu aos cientistas que forneçam dados detalhados sobre sequências virais, hospitalizações, mortes e vacinações.

A porta-voz da OMS disse que a OMS divulgaria informações sobre as negociações em uma data posterior, possivelmente em uma coletiva de imprensa na quarta-feira.

No mês passado, a Reuters informou que a Organização Mundial da Saúde não havia recebido dados da China sobre novas hospitalizações por coronavírus desde a mudança de política de Pequim, levando alguns especialistas em saúde a se perguntarem se isso estava encobrindo a extensão do surto.

READ  Crise na Rússia e na Ucrânia: atualizações ao vivo

A China registrou cinco novas mortes por Covid na terça-feira, elevando o número oficial de mortos para 5.258, o que é muito baixo para os padrões globais.

A empresa britânica de dados de saúde Airfinity disse que cerca de 9.000 pessoas na China provavelmente morrem todos os dias de COVID.

Houve cenas caóticas no Hospital Zhongshan, em Xangai, quando os pacientes, muitos deles idosos, se aglomeraram na terça-feira em corredores espremidos entre camas improvisadas enquanto as pessoas usavam ventiladores e recebiam soros intravenosos.

Uma testemunha da Reuters contou sete audiências no estacionamento do Hospital Tongji de Xangai na quarta-feira. Trabalhadores foram vistos carregando pelo menos 18 sacolas amarelas usadas para transportar os corpos.

boom de reservas

Com a turbulência do COVID fazendo com que a economia de US$ 17 trilhões da China desacelere para seu menor crescimento em quase meio século, os investidores agora esperam uma política de estímulo.

O yuan chinês pairou em uma alta de quatro meses em relação ao dólar na quarta-feira, depois que o ministro das Finanças da China prometeu aumentar a expansão fiscal. O banco central também sinalizou mais apoio às políticas.

Os analistas do UBS esperam que a abordagem do “big bang” para a reabertura leve a um “revés mais profundo, porém mais curto” para a economia, mas também prevêem que a atividade se recuperará a partir de fevereiro.

Apesar das novas restrições em alguns países, o interesse em viajar para o exterior está renascendo, segundo a mídia chinesa.

O jornal estatal China Daily, citando dados da plataforma de viagens Trip.com, informou que as reservas de voos internacionais aumentaram 145% ano a ano nos últimos dias.

READ  Atualizações ao vivo: Rússia invade a Ucrânia

Antes da pandemia, os gastos globais dos turistas chineses ultrapassavam US$ 250 bilhões por ano, mas o número de voos de e para a China ainda é uma fração dos níveis pré-COVID.

A Tailândia espera que pelo menos cinco milhões de chineses cheguem este ano. Mais de 11 milhões de chineses visitaram a Tailândia em 2019, quase um terço do total de visitantes.

Mas já há sinais de que o aumento das viagens da China pode causar problemas no exterior.

A Coreia do Sul, que começou a testar viajantes da China na segunda-feira, disse que mais de um quinto dos resultados de seus testes deram positivo.

As autoridades estavam procurando por um cidadão chinês que testou positivo para o vírus, mas que desapareceu enquanto aguardava a quarentena.

Reportagem adicional de Alessandro Divigiano, Bernard Orr e Liz Lee em Pequim; Brenda Goh em Xangai, Hyunhee Shin em Seul, Kantaro Komiya em Tóquio; Escrito por John Geddy e Marius Zaharia; Editado por Robert Purcell

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.