Abril 24, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Colisão de um satélite e um estágio de foguete em um possível ‘pior cenário’

Colisão de um satélite e um estágio de foguete em um possível ‘pior cenário’

Dois grandes pedaços de detritos espaciais – Um antigo objeto de míssil e um satélite militar – quase colidiram na sexta-feira.

A LeoLabs, uma empresa privada que rastreia satélites e objetos na órbita baixa da Terra, twittou que, se os objetos tivessem se chocado, a colisão teria resultado em milhares de fragmentos que “durariam décadas”.

“Perto demais para o conforto… dois grandes objetos inválidos em #LEO se erraram por pouco esta manhã – o objeto foguete SL-8 (16511) e o Cosmos 2361 (25590) passaram um pelo outro a uma altitude de 984 km”, disse a empresa.

A empresa disse que seus dados de rastreamento por radar ajudaram a calcular uma distância de erro de apenas 20 pés (6 metros), com uma pequena margem de erro.

HUBBLE captura impressionante DUO em ORION NEBULA a 1.450 anos-luz de distância

Um pedaço triangular de detritos orbitais (um pedaço de ladrilho de isolamento térmico) bem acima do planeta Terra, visto do ônibus espacial Columbia durante a missão STS-61-C, de 12 a 18 de janeiro de 1986.
((Foto de Space Frontiers / Hulton Archive / Getty Images))

O emparelhamento ocorreu no que o LeoLabs chamou de “a vizinhança ruim”.

“Esta área tem grande potencial para geração de detritos em #LEO devido a uma combinação de eventos de deslocamento e objetos abandonados”, ela twittou, observando que a área abriga quase 160 lançadores de foguetes SL-8 Foi publicado há mais de duas décadas.

GRÁFICO - (CIRCA 1989): Esta imagem publicada pela Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço (NASA) mostra uma representação gráfica de detritos espaciais na órbita baixa da Terra.

GRÁFICO – (CIRCA 1989): Esta imagem publicada pela Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço (NASA) mostra uma representação gráfica de detritos espaciais na órbita baixa da Terra.
((Foto da NASA/Getty Images))

NASA está testando com sucesso um novo motor para exploração do espaço profundo

READ  Por que Vênus gira lentamente, apesar da forte força gravitacional do Sol

Entre junho e setembro do ano passado, a empresa destacou 1.400 conexões de PC high-end que incluíam apenas fuselagens de foguetes.

Nesta foto divulgada pela Roscosmos State Space Corporation, a Estação Espacial Internacional é retratada em 30 de março de 2022 pela tripulação da espaçonave russa Soyuz MS-19 após sair da estação.

Nesta foto divulgada pela corporação espacial estatal Roscosmos, a Estação Espacial Internacional é retratada em 30 de março de 2022 pela tripulação da espaçonave russa Soyuz MS-19 após sair da estação.
((Roscosmos State Space Corporation via AP, arquivo))

“Por que isso é tão importante? Identificamos esse tipo de colisão – entre dois objetos descartados – como um ‘pior cenário’ porque está fora de nosso controle e provavelmente resultará em um efeito cascata de colisões perigosas ”, explicou LeoLabs.

Clique aqui para acessar o aplicativo FOX NEWS

A empresa disse que era preciso focar nos dois Prevenção de colisão e alívio de detritos E trate-o para combater detritos espaciais.

A Estação Espacial Internacional teve que manobrar para evitar tais detritos, e acredita-se que um pequeno objeto, possivelmente um fragmento orbital, seja o responsável por um vazamento a bordo de uma espaçonave Soyuz atualmente ancorada na estação.