Maio 26, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Confrontos entre a Boeing e um grande fornecedor antes do lançamento da espaçonave Starliner

Confrontos entre a Boeing e um grande fornecedor antes do lançamento da espaçonave Starliner

O CST-100 Starliner está programado para ser lançado na Flórida em 19 de maio a bordo de um foguete Atlas 5 para a Estação Espacial Internacional, com a Boeing com o objetivo de demonstrar à NASA que a espaçonave é segura para transportar astronautas de e para o local orbital. Falhas de software interromperam um voo de teste semelhante em 2019 sem tripulação.

A missão é um passo crítico para restabelecer a Boeing como um concorrente viável do empresário bilionário Elon Musk, um motor complicado pela disputa da Boeing com o fornecedor de propulsão Aerojet, segundo três pessoas que falaram sob condição de anonimato.

Boeing com sede em ChicagoBacharel em (Bacharel em)) e El Segundo, a Aerojet com sede na Califórnia (ARJD (AJRD)) estão em desacordo sobre a causa de um problema com as válvulas de combustível no sistema de propulsão do Starliner que forçou o adiamento de um voo de teste em julho passado, com as duas empresas se confundindo, disseram fontes.

A disputa, que não foi relatada anteriormente, ocorre em um momento em que a Boeing já está lutando para emergir de sucessivas crises que paralisaram seus negócios de aviões e drenaram fundos.

A disputa da Aerojet é o exemplo mais recente do conflito da Boeing com o Starliner, um programa que custa à empresa US$ 595 milhões em taxas desde 2019. o teste Starliner.

Em comunicado fornecido à Reuters por um porta-voz, a Boeing reconheceu pela primeira vez que pretende redesenhar o sistema de válvulas do Starliner para evitar a recorrência do problema que forçou o voo de teste no ano passado. Adiamento. “Estamos trabalhando em mudanças de curto e longo prazo no design da válvula”, disse o comunicado da Boeing.

Treze válvulas de combustível que fazem parte do sistema de propulsão que ajuda a dirigir o Starliner no espaço foram encontradas presas e sem resposta na posição fechada, provocando um atraso no ano passado.

READ  Boeing Starliner atraca na Estação Espacial Internacional pela primeira vez

Vários contratempos técnicos empurraram o primeiro voo do Starliner com pessoas a bordo para um futuro desconhecido, colocando-o muito longe da SpaceX de Musk, cuja cápsula Crew Dragon, desenvolvida sob o mesmo programa da NASA que o Starliner, tem cinco tripulações para a agência espacial dos EUA.

A NASA espera que a Boeing possa fornecer opções adicionais para transportar astronautas para a estação espacial. Em março, a NASA deu à SpaceX mais três missões para compensar os atrasos da Boeing.

Uma equipe de engenheiros da Boeing e da NASA geralmente concorda que a causa das válvulas presas envolve uma reação química entre o combustível e os materiais de alumínio e a intrusão de umidade do local de lançamento úmido do Starliner na Flórida.

Duas fontes disseram que os engenheiros e advogados da Aerojet veem o assunto de forma diferente, culpando um produto químico de limpeza que a Boeing usou em testes em solo.

Um representante da Aerojet se recusou a comentar.

‘causa raiz’

“Os testes foram concluídos para determinar a causa raiz do problema da válvula”, disse a Boeing em seu comunicado.O trabalho não revelou os problemas descritos pela Aerojet.

Steve Stitch, que supervisiona os programas de tripulação da agência espacial Boeing e SpaceX, disse à Reuters que a NASA compartilha dessa opinião.

A Boeing também disse que o Aerojet não atendeu aos requisitos contratuais para tornar o sistema de propulsão flexível o suficiente para suportar problemas causados ​​por reações químicas.

Na semana passada, a Boeing levou seu Starliner de volta à plataforma de lançamento pela terceira vez antes do próximo lançamento, depois de substituir o sistema de propulsão por um novo com uma correção temporária que evita que a umidade penetre na seção da válvula.

READ  O que aconteceria se alguém se movesse a duas vezes a velocidade da luz?

A Boeing e a NASA disseram que não recriaram completamente nenhuma válvula presa durante os nove meses de testes e, em vez disso, mediram a dificuldade de abrir as válvulas.

Boeing perde mais de 90 pedidos de aeronaves devido à guerra na Ucrânia

Duas fontes disseram que essa abordagem foi usada para devolver rapidamente o Starliner à plataforma de lançamento.

NASA, Boeing, Aerojet e consultores de segurança independentes estão programados para se reunir esta semana para chegar a uma decisão final sobre a causa dos problemas nas válvulas e determinar se a correção temporária funcionará.

Duas fontes disseram que as autoridades da Boeing veem particularmente a interpretação da Aerojet das válvulas defeituosas como uma tentativa de transferir a responsabilidade pelos atrasos caros da Starliner e evitar pagar por um sistema de válvulas redesenhado.

“É risível”, disse uma das pessoas envolvidas na investigação conjunta da Boeing e da NASA sobre a alegação da Aerojet, que falou anonimamente para discutir relações confidenciais com fornecedores. “Fazer com que um fabricante de válvulas ou fornecedor de sistemas de propulsão escrevesse ‘Sim, eu estraguei tudo’… isso nunca aconteceria.”

Depois que os testes e problemas de software fizeram com que o Starliner 2019 não conseguisse atracar na estação espacial, os funcionários da NASA admitiram que confiavam muito na Boeing quando decidiram dedicar mais supervisão de engenharia ao mais novo SpaceX da gigante espacial.

A briga da Aerojet não é a primeira briga com a subcontratada Starliner da Boeing. Em 2017, Starliner sofreu um acidente durante um teste de solo que forçou o chefe de um subcontratado diferente a amputar medicamente sua perna. O subcontratado processou e a Boeing então resolveu o caso.