Julho 17, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Contaminação microplástica de hortaliças cultivadas em hortas urbanas de Lisboa (Portugal).

Contaminação microplástica de hortaliças cultivadas em hortas urbanas de Lisboa (Portugal).

Os PM encontrados em alface cultivada em áreas urbanas mostraram uma ampla gama de concentrações, com diferenças entre locais possivelmente associadas a baixos níveis de dispersão atmosférica devido à proximidade de estradas com altos níveis de tráfego. Por exemplo, localizado perto da autoestrada U7, mas provavelmente devido às condições abertas, os verdes recolhidos nesta horta urbana produziram baixos níveis de MPs. Os níveis mais elevados foram observados em locais U3-U5 localizados próximos a estradas de tráfego intenso ou edifícios comerciais e residenciais. O jardim urbano U5 localiza-se numa praça rodeada de edifícios residenciais e a 300 m da principal autoestrada que atravessa a cidade de Lisboa (Circular Secunda).

Os níveis encontrados nas amostras de alface no presente estudo foram consistentes com os níveis encontrados nos líquenes Evernia brunastri Três meses de exposição em parques urbanos de Milão (Itália).15, a 1,5–2 m acima do solo, onde foram observados 26 ± 1 MPs/g. No entanto, os líquenes expostos noutras partes desta cidade apresentaram níveis de MP mais elevados, nomeadamente 44 ± 1 MPs/g no centro da cidade e 56 ± 5 MPs/g na periferia. É importante destacar que os possíveis mecanismos de captação de MPs entre líquenes e verdes não são exatos, mas existem semelhanças. Tanto para os líquenes como para as verduras, o mecanismo de absorção é através das folhas (os MPs acumulam-se após a deposição na superfície da folha). No entanto, a alface tem um mecanismo adicional, nomeadamente a translocação solo-raíz (assim, os MPs que caíram no solo podem entrar na planta).16. Apesar desta diferença, ambas as espécies podem acumular MP pelos processos descritos. Outra diferença, naturalmente, é a altura em que estão localizados os verdes e os líquenes. Os verdes são cultivados ao nível do solo, enquanto os líquenes são usados ​​(amarrados aos ramos das árvores) a uma altura mais elevada (1,5-2 m) acima do solo. No entanto, apesar das diferenças entre verdes e líquenes, a comparação é útil para identificar a gama típica de MPs encontrados em ambientes específicos.

READ  RWE comissiona parque solar de 46 MW em Portugal

As correlações de Spearman mostraram uma correlação positiva fraca entre PMs e os níveis de Cu (0,25) e S (0,31). Embora não sejam estatisticamente significativos, estes dois componentes podem fornecer alguma indicação das fontes de PM no espinafre, uma vez que ambos os componentes estão geralmente associados aos níveis de transporte. O enxofre é emitido por automóveis a diesel e está associado à abrasão mecânica dos freios de Cu17. Esta hipótese deve ser investigada no futuro, aumentando o número de amostras (uma limitação do presente estudo), fornecendo assim insights sobre a contribuição do transporte para os níveis de PM em hortas urbanas próximas.

Na verdade, o desgaste dos pneus é considerado uma das maiores fontes de microplásticos que entram no ambiente, devido à libertação de partículas de desgaste dos pneus (TWP) geradas pela abrasão mecânica dos pneus dos automóveis nas superfícies das estradas.5enquanto o Cu é considerado um rastreador de origem17. Sabe-se que compostos derivados de TWP (que podem ser depositados no solo) podem ser absorvidos por plantas comestíveis (como a alface) e os seus metabolitos acumulam-se nas folhas.18. Um estudo realizado na China (suburbano de Wuhan) encontrou níveis de MPs na faixa de 0,32–12,56 MPs/g no solo de hortas, com níveis mais elevados de M perto de estradas suburbanas (2,45 MPs/g) em comparação com áreas residenciais (2,45 MPs/g). g). Também foi verificado que B. 1,37 MP/g).19.

É importante destacar também que nenhuma das hortas investigadas utilizou cobertura morta. Na verdade, vários estudos identificaram a cobertura morta como uma importante fonte de MPs no solo, onde os MPs derivados do filme plástico podem descer pelo perfil do solo.20 Também pode afetar a produtividade das culturas, afetando as propriedades físico-químicas do solo.21.Os resultados do presente estudo mostraram que a contaminação média por MPs de amostras de espinafre de ambientes rurais (16,2 ± 7,5 MPs/g) e urbanos (18,6 ± 7,4 MPs/g) foi semelhante e ambos foram superiores aos ambientes comerciais (10,7 ± 0,2 MPs/g). g). Espera-se que os níveis de poluição dos MPs sejam semelhantes entre ambientes rurais e comerciais, mas isso não foi observado no presente estudo. Geralmente, o espinafre é cultivado comercialmente em áreas abertas com baixos níveis de poluição atmosférica próximas de fontes (por exemplo, sem trânsito). Uma possível explicação para os elevados níveis no ambiente rural (que era uma típica pequena aldeia no interior de Portugal) poderia ser fontes locais de poluição atmosférica. Especificamente, amostras rurais foram coletadas na horta de uma casa no centro da aldeia (população 811).22, rodeado por outras casas. Isto significa que mesmo que o tráfego seja baixo, a sua influência não pode ser descartada. Além disso, outros tipos de fontes locais podem afectar a qualidade do ar nestas áreas rurais, tais como a queima de resíduos vegetais e resíduos sólidos domésticos (incluindo materiais plásticos) em quintais, o que é uma prática comum nas comunidades rurais.23. As cinzas provenientes da incineração de resíduos plásticos são conhecidas por serem uma fonte potencial de microplásticos liberados no meio ambiente.24Isto pode explicar a contaminação superior ao esperado de MPs em ambientes rurais.

READ  Hyatt vai apresentar coleção inclusiva em Portugal com o novo Dreams Resort

Considerando que os cidadãos europeus consomem 22 gramas de espinafres por dia25 Espinafre é 95% água 26, um adulto consome aproximadamente 402 gramas de espinafre (peso seco) por ano. Ou seja, considerando que as verduras são obtidas em ambiente comercial, o teor médio de MPs encontrado no presente estudo é de 10,7 ± 0,2 MPs/g, sendo que um adulto consome 4.300 ± 79 partículas de MP por ano através da ingestão alimentar. No entanto, considerando as verduras cultivadas em hortas rurais e urbanas (níveis de PM de 16,2 ± 7,5 MPs/g e 18,6 ± 7,4 MPs/g para ambientes rurais e urbanos, respectivamente, e níveis médios gerais de PM de 18,2 ± 7,1 MPs/g para ambos configurações), a ingestão de MP aumenta em 70%, devido à ingestão dietética de 7.299 ± 2.859 partículas de MP por ano, com base apenas no consumo de espinafre.

Outra questão relacionada é a produção de espinafre para consumo humano. O processo de lavagem pode afetar o nível de MPs nas folhas de alface. O sucesso de diferentes procedimentos de lavagem de espinafre (previamente pulverizado em sua superfície) para reduzir PMs já foi estudado.27. Entre os três diferentes métodos de lavagem estudados (lavagem com água, limpeza ultrassônica e limpeza com sabão comestível), a lavagem simples proporcionou a menor eficiência de remoção de partículas de MP das folhas de alface, seguida pela limpeza ultrassônica (4 vezes melhor que a lavagem) e, em seguida, pelo sabão. A lavagem deu melhores resultados (com um aumento de 6,9 ​​vezes em relação à lavagem com água). Partículas MP menores (100 nm) são mais difíceis de limpar do que partículas maiores (500 nm). A razão para o aumento da eficiência da limpeza por vibração ultrassônica é que as vibrações ultrassônicas podem quebrar parcialmente a ligação química entre os MPs e as superfícies vegetais, enquanto o uso de detergentes promove a maior hidrofilicidade dos MPs.27.

READ  Milhares protestam em Portugal contra aumento do custo de vida

Por fim, o presente estudo deve ser considerado um estudo exploratório sobre a contaminação de produtos de hortas com MPs, tendo como principal limitação o pequeno número de amostras. Portanto, novas pesquisas sobre este tema devem ser realizadas com um maior número de amostras de diferentes tipos de contextos (rurais, urbanos e comerciais) para obter resultados representativos. No entanto, apesar desta limitação, o presente trabalho fornece, pela primeira vez, informações valiosas sobre a potencial contaminação por MPs da alface cultivada em hortas.