Setembro 27, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Cortador da Guarda Costeira dos EUA nega acesso ao porto nas Ilhas Salomão

Cortador da Guarda Costeira dos EUA nega acesso ao porto nas Ilhas Salomão

Banguecoque – Um navio da Guarda Costeira dos EUA que patrulhava como parte de uma missão internacional para impedir a pesca ilegal recentemente não conseguiu obter permissão para visitar um porto programado nas Ilhas Salomão, um incidente que ocorre em meio a crescentes preocupações com a influência chinesa sobre a nação do Pacífico.

O escritório da Guarda Costeira de Honolulu disse que o Cutter Oliver Henry estava participando da Operação Chief Pacific Fishing Activities Monitor, que terminou na sexta-feira, quando buscou uma parada programada em Guadalcanal, Ilhas Salomão, para reabastecimento e reabastecimento. .

A Guarda Costeira disse que não houve resposta do governo das Ilhas Salomão para obter permissão diplomática para o navio parar ali, então Oliver Henry se voltou para Papua Nova Guiné.

Quando a parada nas Ilhas Salomão estava prevista, não foi divulgada, mas a Guarda Costeira disse que Oliver Henry chegou a Port Moresby, Papua Nova Guiné, na terça-feira “depois de patrulhar partes do Mar de Coral e das Ilhas Salomão”.

A Marinha Real Britânica não comentou diretamente os relatos de que o HMS Spey, que também está envolvido na Operação Chief Island, também teve acesso negado a um porto nas Ilhas Salomão.

“Os programas dos navios estão sob revisão constante e é uma prática rotineira mudar”, disse a Marinha Real em comunicado por e-mail.

Por motivos de segurança operacional, não discutimos detalhes. A Marinha Real espera visitar as Ilhas Salomão em uma data posterior.”

Durante a Operação Head Island, os Estados Unidos, AustráliaA Grã-Bretanha e a Nova Zelândia forneceram apoio com vigilância aérea e de superfície das nações insulares do Pacífico envolvidas na operação, incluindo as Ilhas Salomão.

A China está tentando resolutamente expandir sua presença e influência no Pacífico, e o primeiro-ministro das Ilhas Salomão, Manasseh Sogavari, alarmou alguns vizinhos, os Estados Unidos e outros, depois de assinar um novo acordo de segurança com China.

READ  O bilionário russo Oleg Tinkov denuncia a "guerra louca" na Ucrânia | Ucrânia

O acordo levantou temores de que uma base naval chinesa seria estabelecida a 2.000 quilômetros (1.200 milhas) da costa nordeste da Austrália. A presença militar chinesa nas Ilhas Salomão não só os colocaria na porta da Austrália e da Nova Zelândia, mas também muito perto de Guam, território norte-americano que abriga grandes bases militares.

Tanto as Ilhas Salomão quanto a China negaram que seu acordo levaria a uma base militar chinesa no Pacífico Sul.

Sugavari também levantou as sobrancelhas no início de agosto, quando ele pulou um serviço memorial que marca a Batalha de Guadalcanal, uma grande batalha da Segunda Guerra Mundial na qual os EUA e outras forças aliadas tomaram o controle das ilhas do Império Japonês.

A vice-secretária de Estado dos EUA, Wendy Sherman, cujo pai foi ferido durante a campanha de Guadalcanal e compareceu ao memorial, disse que Sugavari “perdeu uma oportunidade importante” ao não comparecer.

A senadora norte-americana Marsha Blackburn se encontrou com Sugavari nas Ilhas Salomão na quarta-feira, mas não ficou claro se ela levantou a questão da recusa da Guarda Costeira no porto.

A ativista republicana do Tennessee disse em um comunicado em seu site que sua visita às Ilhas Salomão, Fiji e Papua Nova Guiné “foi um passo importante para demonstrar o compromisso dos Estados Unidos com a região e expandir nossas relações estratégicas”.

A Guarda Costeira, em comunicado de Honolulu, disse que respeita a soberania de seus parceiros estrangeiros e espera um futuro envolvimento com as Ilhas Salomão.

A tenente da Guarda Costeira Kristen Kamm disse ao Stars and Stripes que o Departamento de Estado dos EUA entrou em contato com o governo das Ilhas Salomão depois de se recusar a entrar em contato com o porto e que “espera que todas as licenças futuras sejam fornecidas aos navios dos EUA”.

READ  Os preços do arroz estão em alta em meio ao aumento da inflação de alimentos e às proibições de exportação

———

A escritora da Associated Press, Danica Kirka, em Londres, contribuiu para este relatório.