Abril 24, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Cúpula do G7: Zelensky acusa alguns líderes árabes de “fechar os olhos” para a guerra antes da viagem do Japão

Cúpula do G7: Zelensky acusa alguns líderes árabes de “fechar os olhos” para a guerra antes da viagem do Japão
  • Por Tessa Wong em Hiroshima e James Gregory em Londres
  • BBC Notícias

legenda da foto,

O líder ucraniano esteve na Arábia Saudita antes de uma viagem prevista para o G7 no Japão

Volodymyr Zelensky acusou alguns líderes árabes de “fecharem os olhos” à invasão russa antes de sua esperada visita ao G7 no Japão.

A Ucrânia confirmou que Zelensky se encontrará com o presidente Biden “nos próximos dias”.

Zelensky esteve na Arábia Saudita na sexta-feira para participar da cúpula da Liga Árabe.

Entre os países da Liga Árabe, apenas a Síria apoiou publicamente a invasão russa. Outros procuraram manter boas relações com Moscou.

“Infelizmente, há alguns no mundo e aqui entre vocês que fecham os olhos para esses [prisoner of war] “Jaulas e anexações ilegais”, disse Zelensky.

“Estou aqui para que todos possam olhar honestamente, não importa o quanto os russos tentem impressionar, ainda há independência.”

O Sr. Zelensky também disse aos líderes reunidos em Jeddah que seu país estava se defendendo contra colonialistas e imperialistas, e parecia evocar a história de invasão e ocupação do mundo árabe.

A Arábia Saudita, o país anfitrião, adotou uma linha delicada no conflito – por um lado, apoiando uma resolução da ONU pedindo à Rússia que retire suas forças e prometendo US$ 400 milhões em ajuda humanitária à Ucrânia, enquanto, por outro lado, resiste à imposição de sanções contra A Rússia, preferindo se ver neutra em relação ao conflito.

Enquanto isso, a Síria só foi readmitida na Liga Árabe – seu líder, Bashar al-Assad, disse à cúpula que havia uma oportunidade histórica para a região se reconfigurar sem interferência estrangeira.

Zelensky também mirou no Irã, que não é membro da Liga Árabe, por fornecer drones Shahed à Rússia. O Irã nega o fornecimento de drones para o conflito.

O líder ucraniano deve viajar da Arábia Saudita para participar da cúpula do G7, onde falará com o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden.

O escritório de Zelensky disse à mídia ucraniana que os dois se encontrariam “nos próximos dias” no Japão.

A cúpula começou na sexta-feira com uma condenação renovada da Rússia e o anúncio de mais sanções.

O grupo de sete países, formado por Estados Unidos, Reino Unido, França, Itália, Alemanha, Canadá e Japão, representa as democracias mais ricas do mundo. Este ano, mais oito países são convidados, incluindo Austrália e Índia.

fonte de imagem, Getty Images

legenda da foto,

Os líderes do G7 impuseram mais sanções à Rússia no dia de abertura da cúpula

A viagem ao Japão será a mais distante que Zelensky viajou de Kiev desde o início da guerra em fevereiro de 2022.

Nos últimos dias, Zelensky visitou Itália, Alemanha, França e Reino Unido, onde anunciou promessas de apoio militar. Também continua pressionando os aliados a fornecer caças avançados à Ucrânia, mas até agora nenhum país se comprometeu a fornecê-los diretamente.

Uma vez em Hiroshima, ele provavelmente tentará persuadir líderes mais cautelosos a ajudar, como o primeiro-ministro japonês Fumio Kishida e o líder indiano Narendra Modi.

Embora o Japão simpatize muito com a Ucrânia, suas rígidas leis militares significam que até agora forneceu apenas equipamentos de defesa não letais.

Mais cedo na sexta-feira, Kishida deu as boas-vindas aos líderes do G7 no Parque Memorial da Paz de Hiroshima, onde eles colocaram coroas de flores para homenagear aqueles que morreram na bomba atômica dos EUA que acelerou o fim da Segunda Guerra Mundial.

O primeiro dia da cúpula terminou com uma declaração na qual os Estados membros prometeram “novos passos” para parar a guerra na Ucrânia e prometeram mais sanções “para aumentar os custos para a Rússia e aqueles que apóiam seu esforço de guerra”.

Eles disseram que “negariam à Rússia a tecnologia do G7, equipamentos industriais e serviços que sustentam sua máquina de guerra” e limitariam a receita da Rússia com energia e vendas de diamantes.

Em resposta ao que descreveu como sanções americanas “anti-russas”, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia anunciou seu próprio conjunto de sanções contra 500 cidadãos americanos, incluindo o ex-presidente dos EUA, Barack Obama.

Espera-se que a cúpula do G7, que termina no domingo, termine com uma declaração sobre a guerra na Ucrânia.