Julho 18, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Disney cancela projeto de um bilhão de dólares na Flórida

Disney cancela projeto de um bilhão de dólares na Flórida

Em março, a Disney chamou o governador da Flórida, Ron DeSantis, de “anti-negócios” por sua tentativa de terra arrasada de aumentar o controle do resort do parque temático da empresa perto de Orlando. No mês passado, quando a Disney processou o governador e seus aliados pelo que chamou de “campanha de retaliação do governo”, a empresa deixou claro que US$ 17 bilhões em investimentos planejados no Walt Disney World estavam em jogo.

“O estado quer que invistamos mais, contratemos mais pessoas, paguemos mais impostos ou não?” O CEO da Disney, Robert Iger, disse em uma teleconferência de resultados com analistas na semana passada.

Na quinta-feira, Iger e Josh D’Amaro, presidente do conselho de parques temáticos e produtos de consumo da Disney, mostraram que não estavam enganando, adiando o complexo de escritórios de quase US$ 1 bilhão que deveria ser construído em Orlando. Isso teria gerado mais de 2.000 empregos para o distrito, com um salário médio de US$ 120.000, de acordo com uma estimativa do Departamento de Oportunidades Econômicas da Flórida.

O projeto, conhecido como Lake Nona Town Center, deveria envolver a realocação de mais de 1.000 funcionários do sul da Califórnia, incluindo a maior parte da divisão conhecida como Imagineering, que trabalha com os estúdios de cinema da Disney para desenvolver as atrações do parque temático. A maioria dos funcionários afetados reclamou amargamente de ter que se mudar – e alguns pediram demissão – mas a Disney praticamente era dona da empresa, em parte por causa de um crédito fiscal da Flórida que teria permitido à empresa recuperar até US$ 570 milhões em 20 anos para construir e ocupar o complexo. .

READ  O CEO da Rivian, RJ Scaringe, diz que está mudando a mentalidade sobre o que é ‘possível em um veículo elétrico’

Quando anunciou o projeto em 2021, D’Amaro citou o “clima favorável aos negócios da Flórida” como justificativa.

O tom de D’Amaro foi visivelmente diferente em um e-mail para a equipe na quinta-feira. Ele citou “mudanças nas condições de trabalho” como o motivo do cancelamento do projeto Lake Nona. “Continuo otimista sobre a direção de nossos negócios na Walt Disney World”, disse D’Amaro na nota. Ele observou que $ 17 bilhões permanecem para construção na Disney World na próxima década – um crescimento que criaria cerca de 13.000 empregos. “Espero que possamos”, disse ele.

Mas a batalha da empresa com DeSantis e seus aliados na legislatura da Flórida figurou com destaque na decisão da Disney de cancelar o projeto Lake Nona, de acordo com duas pessoas informadas sobre o assunto, que falaram sob condição de anonimato para discutir deliberações privadas. Uma porta-voz de Egger disse que ele não estava disponível para uma entrevista.

Cerca de 200 funcionários da Disney já se mudaram da Califórnia para a Flórida. D’Amaro disse em nota que a empresa discutirá opções com eles, “incluindo a possibilidade de reintegrá-lo”. O projeto Lake Nona foi inicialmente programado para abrir no próximo ano. Em julho passado, a Disney adiou a data de mudança para 2026, citando atrasos na construção.

O campus em Lake Nona, a cerca de 32 quilômetros da Disney World, perto do Aeroporto Internacional de Orlando, já pertenceu a Bob Chapek, que atuou como CEO da Disney de 2020 até ser demitido no ano passado. Iger, que está saindo da aposentadoria para retomar as rédeas da Disney, não estava nem um pouco entusiasmado com o projeto – mesmo antes de a empresa entrar em conflito com DeSantis. De volta à Disney, Iger começou a dizer a seus assistentes, por exemplo, que não fazia sentido afastar a Imagineering dos estúdios de cinema da Disney. Como ele gosta de dizer, “Equipes criativas devem estar juntas”.

READ  Credor de criptomoedas BlockFi declara falência em Nova Jersey

A Disney também está no meio de cortar custos em US$ 5,5 bilhões, enquanto busca melhorar a lucratividade, pagar dívidas e restaurar o pagamento de dividendos.

DeSantis e a Disney têm brigado por mais de um ano sobre um distrito fiscal especial que inclui a Disney World. A luta começou quando a empresa criticou uma lei educacional da Flórida que os oponentes chamaram de “Não diga gay” por limitar a instrução em sala de aula sobre identidade de gênero e orientação sexual – enfurecendo DeSantis, que repetidamente prometeu revidar.

Desde então, os legisladores da Flórida, a pedido de DeSantis, têm como alvo a Disney – o maior contribuinte do estado – com uma variedade de medidas hostis. Em fevereiro, eles acabaram com a capacidade de longa data da Disney de autonomia de seu resort de 25.000 acres como se fosse uma província, dando a DeSantis o controle dos serviços governamentais no resort.

Logo foi descoberto que o conselho anterior controlado pela Disney havia aprovado contratos de desenvolvimento evidenciando um plano de crescimento para o resort. Desde então, uma tentativa de anular esses acordos levou a duelos de ações judiciais, com a Disney processando DeSantis e seus aliados no tribunal federal, e os responsáveis ​​pelo distrito fiscal do governador atirando no tribunal estadual.