Fevereiro 7, 2023

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

DNA mais antigo revela vida na Groenlândia, há dois milhões de anos

hulu

Nova york — Cientistas descobriram o DNA mais antigo conhecido e o usaram para revelar como era a vida há 2 milhões de anos na ponta norte da Groenlândia. Hoje, é um árido deserto ártico, mas naquela época era uma paisagem exuberante de árvores e vegetação com uma variedade de animais, até mesmo o agora extinto mastodonte.

“O estudo abre a porta para um passado essencialmente perdido”, disse o principal autor Kurt Kjaer, geólogo e glaciologista da Universidade de Copenhague.

Com fósseis de animais tão difíceis de encontrar, os pesquisadores extraíram DNA ambiental, também conhecido como eDNA, de amostras de solo. Este é o material genético que os organismos espalham em seus arredores – por exemplo, através de cabelos, excrementos, saliva ou cadáveres em decomposição.

Estudar o DNA antigo pode ser um desafio porque o material genético se degrada com o tempo, deixando apenas pequenos fragmentos para os cientistas.

Mas com a tecnologia mais recente, os pesquisadores conseguiram extrair informações genéticas de pequenos fragmentos danificados de DNA, explicou o autor sênior Eske Willerslev, geneticista da Universidade de Cambridge. Em seu estudo, publicado na quarta-feira na revista Nature, eles compararam o DNA de diferentes espécies, procurando correspondências.

As amostras vieram de um depósito chamado Formação Cap Copenhaven em Peary Land. Hoje, disse Kiar, a área é um deserto polar.

Milhões de anos atrás, disse Willerslev, esta região estava passando por um período de mudança climática severa que levou ao aumento das temperaturas. Os sedimentos provavelmente se acumularam por dezenas de milhares de anos no local antes que o clima esfriasse e estabilizasse os achados no permafrost.

O ambiente frio ajudaria a preservar os minúsculos pedaços de DNA – até que os cientistas apareceram e escavaram as amostras, a partir de 2006.

READ  Um dinossauro recém-descoberto que se parece com um ganso de pesadelo

Os pesquisadores relatam que durante o período quente da região, quando as temperaturas médias eram de 11 a 19 graus Celsius mais altas do que são hoje, a região estava repleta de uma extraordinária variedade de vida vegetal e animal. Os fragmentos de DNA apontam para uma mistura de plantas árticas, como bétulas e salgueiros, com aquelas que normalmente preferem climas mais quentes, como abetos e cedros.

O DNA também mostrou traços de animais, incluindo gansos, lebres, renas e lemingues. Anteriormente, escaravelhos e alguns restos de coelho eram os únicos sinais de vida animal no local, disse Willerslev.

Uma das grandes surpresas foi encontrar o DNA de um mastodonte, uma espécie extinta que parecia uma mistura entre um elefante e um mamute, disse Kyarr.

Vários fósseis de antigos mastodontes foram encontrados nas florestas temperadas da América do Norte. Este é um oceano mais ao sul do que a Groenlândia, disse Wellerslev.

“Eu não esperava, nem em um milhão de anos, encontrar mastodontes no norte da Groenlândia”, disse Love Dalen, pesquisador de genômica evolutiva da Universidade de Estocolmo, que não participou do estudo.

Como os sedimentos se acumularam na foz do fiorde, os pesquisadores também conseguiram obter pistas sobre a vida marinha desse período. O DNA indica que caranguejos-ferradura e algas verdes viviam na área – o que significa que as águas próximas provavelmente eram muito mais quentes na época, disse Kyarr.

Ao extrair dezenas de espécies de algumas amostras de sedimentos, o estudo destaca algumas das vantagens do tRNA amplificado, disse Benjamin Vernot, pesquisador de DNA paleontológico do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva na Alemanha, que não esteve envolvido no estudo.

READ  Ser um Starliner retorna à Terra

“Você realmente obtém uma visão mais ampla do ecossistema em um determinado momento”, disse Vernot. “Você não precisa encontrar este pedaço de madeira para estudar esta planta e este osso para estudar este mamute.”

Com base nos dados disponíveis, é difícil afirmar se essas espécies realmente viveram lado a lado ou se o DNA foi misturado de diferentes partes da paisagem, disse Laura Epp, especialista em RNA da Universidade de Konstanz, na Alemanha, que não era assim. participar do estudo.

Mas Ip disse que esse tipo de pesquisa de DNA é valioso para mostrar a “diversidade oculta” de paisagens antigas.

Willerslev acredita que, como essas plantas e animais sobreviveram durante um período de dramáticas mudanças climáticas, seu DNA poderia fornecer um “roteiro genético” para nos ajudar a nos adaptar ao aquecimento atual.

Dalen, da Universidade de Estocolmo, espera que a pesquisa de DNA antigo continue a se aprofundar no passado. Ele trabalhou no estudo que anteriormente continha o “registro de DNA mais antigo”, de um dente de mamute com cerca de um milhão de anos.

“Eu não ficaria surpreso se você pudesse voltar pelo menos uma vez ou talvez alguns milhões de anos, assumindo que você pode encontrar os espécimes certos”, disse Dalen.

———

A seção de Saúde e Ciência da Associated Press recebe apoio do grupo de Mídia de Ciência e Educação do Howard Hughes Medical Institute. AP é o único responsável por todo o conteúdo.