Maio 27, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Documentos relacionados à polêmica cidadania portuguesa de Abramovich vazaram online

JTA – A questão de como o bilionário judeu russo Roman Abramovich obteve a cidadania portuguesa e um passaporte europeu tem sido uma grande questão no mês passado, especialmente depois que o rabino responsável por certificar os pedidos de cidadania Ele foi preso no início de março.

Agora, um Coleta de documentos Os contatos relacionados ao pedido de cidadania portuguesa de Abramovich vazaram online, e dezenas de milhares de pessoas estão esperando para saber se seus próprios pedidos serão aprovados.

Os documentos incluem testemunhos de rabinos e outros sobre as credenciais sebardianas de Abramovich sob a Lei de Naturalização de 2013 para os descendentes dos judeus sebartas que perseguiram Portugal durante o julgamento. A Espanha promulgou uma lei semelhante, mas sua janela limitada foi amplamente fechada.

Não está claro como os documentos, que parecem ser uma fotocópia não editada do passaporte israelense de Abramovich, foram parar online. Ainda não se sabe o que ele fará depois de deixar o posto.

Mas o que está claro é que o pedido de Abramovich, apesar de ser um nome de família que soa como Ashkenazi, afirma ter raízes sebárdicas – e os documentos vazados dificilmente convencerão aqueles que suspeitam que as alegações foram totalmente investigadas.

Rabinos famosos enviaram cartas em nome do empresário que doou milhões para judeus em todo o mundo. Mas os documentos vazados online não incluíam a árvore genealógica ou outras pesquisas genéticas enviadas por outros candidatos à cidadania, alguns dos quais tiveram seus pedidos rejeitados.

READ  Seca atinge quase todos os distritos de Portugal

Um dos rabinos incluídos no documento confirmou a autenticidade da sua declaração a um jornalista português que trabalha para a Jewish Telegraph Agency. A JTA não pôde confirmar imediatamente a autenticidade de todos os documentos do documento.

A naturalização de Abramovich tornou-se um símbolo de suspeita de que ele abusou da lei que permitiu que dezenas de milhares de pessoas se tornassem cidadãos de Portugal, membro da UE.

Abramovich, que recebeu a cidadania em abril de 2021, anunciou que reforçaria a lei portuguesa em meio a relatos de que estava sujeito a sanções internacionais contra a oligarquia pela ocupação da Ucrânia pela Rússia.

Abramovich ganhou bilhões na indústria petrolífera russa, mas negou que faça parte do círculo íntimo do presidente russo, Vladimir Putin.

No final de 2021, o Ministério da Justiça português abriu uma investigação criminal ao seu pedido por suspeita de fraude e no início deste mês prendeu o rabino que o certificou. O rabino, Daniel Litwalk, foi proibido de deixar o país enquanto o julgamento continua.

O rabino-chefe do Litvac Porto é uma das duas comunidades com Lisboa onde a tarefa de verificar todos os pedidos é confiada ao governo. Afirma ter cobrado 250 euros, ou cerca de 270 dólares, por um pedido tratado pela comunidade.

Antes da Lei da Cidadania, a comunidade portuense alegava não ter dinheiro suficiente para reparar o telhado rebocado da sua única capela. Agora, a mesma comunidade possui um novo mikwa, um banho cerimonial e um museu do Holocausto. Ele usa rabinos e guarda-costas em tempo integral e produziu um filme sobre sua própria história.

Após a detenção de Litvac, a comunidade portuense anunciou que deixaria de certificar os pedidos porque “não estava interessada em cooperar com o governo”. A comunidade negou qualquer irregularidade, ignorando os pedidos de liberação de documentos relacionados ao pedido.

READ  A Ideal Homes partilha uma fantástica oportunidade de investimento em Algerway, Portugal

O documento vazado parece ter sido montado como uma defesa, mas não disse quem o fez. Porto contém fotos da comunidade judaica e notícias positivas sobre Abramovich e o documento não assinado de que sua inscrição foi “devidamente preparada à luz do mundo judaico e da lei portuguesa”.

Gráfico: Multidão carregando o rolo da Torá em 29 de janeiro de 2016 na Igreja de Oração Kaduri-Magor Heim no Porto, Portugal. (Cnaan Liphshiz / JTA)

Mas na ausência de documentação adicional da comunidade portuense ou de outros, o documento pouco fará para melhorar a perspectiva de estar na sua forma de lei atual.

Não há provas conclusivas e verificáveis ​​de que Abramovich possa ter traçado suas raízes na Península Ibérica até a árvore genealógica ou testes genéticos no documento vazado, incluindo os rejeitados – ao contrário de muitos outros pedidos.

Em vez disso, um dos documentos centrais do documento é uma declaração de 108 palavras de Alexander Boroda, presidente da Federação das Comunidades Judaicas da Rússia, a principal organização Sabbath-Lubavich do país e a maior organização judaica de todos os tempos.

Boroda “pode testemunhar que Roman Abramovich era descendente dos judeus sebartas; A ligação emocional a Portugal foi preservada; [is a] Membro da comunidade Separatic; De ascendência portuguesa; Sebardic é um judeu português.”

Sob o subtítulo “Justificação”, Boroda escreveu: “Este certificado é baseado em meu conhecimento dos testemunhos de Roman Abramovich e na entrevista pessoal que realizei.

Boroda confirmou a credibilidade da sua reportagem à jornalista portuguesa Ana Filippa Nunes, que o entrevistou para o canal de televisão SIC enquanto reportava o documento à JTA.

Alexander Boroda, presidente da Federação Russa de Comunidades Judaicas, discursa no Museu Judaico de Moscou e Centro de Tolerância em 27 de janeiro de 2020, por ocasião do 75º aniversário da libertação do campo de concentração nazista de Auschwitz em Moscou, Rússia pelo exército soviético. (Foto AP / Alexander Zemlyanichenko)

O Sebardian Center for Education, com sede em Jerusalém, dedicado à promoção da cultura sebardiana, apresentou o documento mais antigo, sendo o principal argumento Abramovich Sebardik, porque seu sobrenome significa “filho de Abraão”. Muitos judeus sebartas tinham esse nome, embora em hebraico, Ben Avraham, explica o jornal.

READ  Para Portugal, o futebol não é um desporto, mas sim uma ferramenta para surpreender Goa Goa News

Outro relato veio da gravadora do rabino Jonah Leap, seguidor do movimento hassídico de Breslow. O rótulo afirma que Abramovich pertencia à comunidade judaica separda de Hamburgo. O sobrenome do avô paterno de Abramovich era Lipovich, filho de Leib, a versão iídiche de Lyon. Lyon é um nome comum na Península Ibérica, diz o relatório.

A carta da Label afirma que os descendentes não identificados de Abramovich moravam na cidade polonesa de Bosnan, onde morava o fundador do Sabbath, Portugal. “A família está ligada a isso desde então”, escreveu Label sobre o Sabbath.

O documento contém uma fotocópia do passaporte israelense de Abramovich válido até 2023, em um documento contendo várias notícias que apoiam a conexão de Abramovich com o judaísmo sebártico. Abramovich recebeu a cidadania israelense em 2018. Viva lá.

Nesta foto de arquivo, o multibilionário russo Roman Abramovich, proprietário do Chelsea Football Club da Inglaterra, visita o Muro Oeste em Jerusalém em 7 de fevereiro de 2006 (OREL COHEN/AFP)

Em uma carta de apresentação não assinada ao documento, seus autores dizem que viram o uso da Bola de Neve por Abramovich como um escândalo que chocou os judeus no Porto.

“Esta notícia criou uma onda de ataques maciços contra a comunidade judaica e parecia um novo êxodo”, escreveram, mas não especificaram o que “ataques” significavam. Isso levou a comunidade judaica em Portugal e no Porto a temer apenas o “caso Trifus”, escreveram, referindo-se ao infame julgamento anti-semita de 1896 na França, “até mesmo um ataque terrorista de extrema direita”. [the community] “Vendendo o país.” Aconteceu em Halle, Alemanha! Os autores escreveram sobre o mortal ataque neonazista a uma sinagoga em 2019.

A comunidade judaica do Porto não respondeu de imediato às questões da JTA sobre a origem do documento e o seu conteúdo. Nenhum ataque físico contra judeus foi relatado na cidade nas últimas semanas.