Agosto 12, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

EDP ​​portuguesa aposta em parques solares flutuantes no Sudeste Asiático

A principal empresa de serviços públicos de Portugal EDP EDP.LS Seus parques solares flutuantes offshore no Sudeste Asiático serão responsáveis ​​por uma grande parte dos 16 gigawatts de energia fotovoltaica que devem ser instalados nos rios e oceanos da região até 2030.

O CEO Miguel Stilwell disse na sexta-feira que a primeira dessas fazendas de 5 MW, lançada em Cingapura no ano passado por sua unidade Sunseep, a quarta maior operadora de energia solar do Sudeste Asiático, mostrou “resultados positivos e encorajadores”.

“A EDP vê esta nova tecnologia como um bom catalisador para a sua expansão no Sudeste Asiático e já está a avaliar e desenvolver outros projetos lá”, disse Stilwell à Reuters à margem da Conferência dos Oceanos da ONU em Lisboa.

O parque de Cingapura, com 13.300 painéis solares e 30.000 carros alegóricos do tamanho de cinco campos de futebol, produziu 6,1 GW/hora, o suficiente para abastecer 1.250 casas em seu primeiro ano, que terminou em março, disse ele.

A unidade eólica da EDP é a EDP Renováveis EDPR.LS Adquiriu a Sunseap em dezembro para acessar os mercados de energia renovável em rápido crescimento na região da Ásia-Pacífico, onde planeja investir US$ 10 bilhões (US$ 7,19 bilhões) até 2030.

O portfólio da Sunseep consistia em 5,5 GW de projetos em diferentes estágios de desenvolvimento em nove mercados: Camboja, China, Indonésia, Japão, MalásiaCingapura, Taiwan, Tailândia e Vietnã.

A Rynstad Energy, com sede em Oslo, disse em outubro que o Sudeste Asiático se tornaria o maior mercado solar flutuante do mundo, principalmente em rios e barragens.

Embora apenas 341 megawatts estejam em construção ou operando na região, a capacidade implantada permitirá atingir 6,6 GW em 2025 e 16 GW em 2030, disse Rynstad.

READ  Aqui está tudo o que você precisa saber sobre o 'Golden Visa' de Portugal

Stillwell disse que, como os mares no sudeste da Ásia são muito mais calmos do que outras regiões e muitas de suas ilhas protegem parques, “uma parcela significativa e grande dos 16 gigawatts previstos até 2030 poderia ser capturada por fazendas solares flutuantes offshore. Swell”.

A EDP lançou recentemente o maior parque solar flutuante da Europa numa barragem no sul de Portugal. – Reuters