Outubro 2, 2023

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Elefante negligenciado embarca na jornada de Jumbo de volta para casa na Tailândia

Elefante negligenciado embarca na jornada de Jumbo de volta para casa na Tailândia

Um tratador tailandês alimenta o elefante Muthu Raja em um recinto no Dehiwala Zoo em Colombo em 30 de junho de 2023. (Ishara S. KODIKARA)

Um elefante tailandês presenteado ao Sri Lanka há duas décadas foi devolvido à sua terra natal no domingo, após uma disputa diplomática sobre os supostos maus-tratos do animal.

Muthu Raja, de 29 anos – também conhecido em sua cidade natal como Sak Surin – foi entregue ao Sri Lanka pelas autoridades tailandesas em 2001.

Mas eles exigiram seu retorno no ano passado, após alegações de que ele foi torturado e negligenciado enquanto permanecia em um templo budista no sul do país insular.

O mamífero de 4.000 kg (8.800 libras) saiu do aeroporto de Colombo na manhã de domingo em um voo comercial de ida e volta para sua repatriação, que as autoridades tailandesas disseram ter custado US$ 700.000.

O gerente do aeroporto disse que o avião de carga Ilyushin L-76 transportando Muthu Raja decolou por volta das 7h40 (0210 GMT).

Depois de pousar em Chiang Mai, o elefante ficará em quarentena em uma reserva natural próxima.

Ela foi levada de seu lar temporário em um zoológico em Colombo antes do amanhecer em uma gaiola de aço especial do tamanho de um contêiner.

O elefante é acompanhado na viagem por quatro funcionários tailandeses, juntamente com um guarda florestal do Sri Lanka, e duas câmeras CCTV monitorarão sua saúde durante a travessia.

O veterinário-chefe do zoológico de Dehiwala, Madhusha Perera, disse à AFP que Muthu Raja estava com dores e cobrindo cistos quando foi resgatado de sua antiga residência no ano passado.

READ  Enormes depósitos de petróleo são incendiados na Rússia e na Ucrânia enquanto os dois lados avançam na guerra dos drones

Grupos de bem-estar animal disseram que o elefante foi forçado a trabalhar com uma equipe de madeireiros e que seus ferimentos – supostamente infligidos por seu tratador – foram negligenciados.

Pereira disse que o elefante passará por hidroterapia para tratar os danos remanescentes em sua pata dianteira esquerda quando retornar à Tailândia.

– Oposição ao retorno –

Os elefantes são considerados sagrados no Sri Lanka e são protegidos por lei.

A Rally for Animal Rights and the Environment (RARE), que liderou a campanha para salvar Muthu Raja do templo, expressou consternação com a partida do animal.

A RARE organizou uma bênção budista para o elefante na sexta-feira antes da viagem e o grupo agora está solicitando às autoridades que processem os responsáveis ​​por negligenciar o animal.

Um grupo nacionalista realizou uma manifestação em frente à Embaixada da Tailândia em Colombo na quinta-feira para exigir que o animal permaneça no Sri Lanka por mais seis meses.

“Não sabíamos da situação do elefante”, disse à AFP o líder do grupo, Dan Brisad.

“Podemos recuperá-lo em seis meses e, se falharmos, eles podem recuperar o animal.”

O ministro da Vida Selvagem, Pavithra Wanyarachi, disse que a Tailândia foi “firme” em suas exigências para a devolução do elefante.

O primeiro-ministro Dinesh Gunawardena disse ao Parlamento em junho que havia transmitido pessoalmente o remorso do Sri Lanka ao rei da Tailândia sobre a condição do elefante.

O ministro do Meio Ambiente da Tailândia, Pharaut Silpa Archa, estava menos propenso a discutir no mês passado se Muthu Raja havia sido maltratado, mas observou que o governo tailandês parou de enviar elefantes para o exterior.

Ele disse que as missões diplomáticas em Bangcoc estão agora verificando a situação daqueles que já foram enviados ao exterior.

READ  Zelensky pressiona pelo apoio da Ucrânia na cúpula de líderes europeus na Moldávia

aj/gle/sco/mtp