Abril 23, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Elefantes marinhos do norte dormem profundamente para evitar predadores

Elefantes marinhos do norte dormem profundamente para evitar predadores
  • Escrito por Victoria Gil
  • Repórter de ciência, BBC News

fonte de imagem, Jessica Kendall Parr

legenda da foto,

Elefantes marinhos são conhecidos por dormir por longos períodos de tempo quando estão no chão

Os elefantes marinhos do norte dormem à deriva centenas de metros abaixo da superfície do mar – em profundidades onde seus predadores normalmente não estariam à espreita.

Pesquisadores americanos rastrearam os animais, registrando sua atividade cerebral enquanto as focas nadavam milhares de quilômetros.

Os mamíferos, que atingem profundidades de até 2.500 pés (760 metros), dormem apenas duas horas por dia no que os pesquisadores descrevem como “mergulhos do sono semelhantes a uma soneca”.

Os resultados são publicados na revista Science.

A pesquisadora da Universidade da Califórnia em Santa Cruz, Jessica Kendall Barr, e seus colegas desenvolveram uma etiqueta adesiva não invasiva para rastrear e monitorar a atividade cerebral em elefantes marinhos selvagens do norte na costa da Califórnia.

Eles seguiram oito mamíferos selvagens em suas viagens de forrageamento, que duraram cerca de sete meses e se estenderam por mais de 6.200 milhas. Eles registraram a atividade cerebral dos animais, frequência cardíaca, movimento e posição corporal.

“Desenvolvemos uma ‘assinatura do sono’ científica ao estudar seu comportamento e fisiologia por muitos anos”, explicou Ritika Mukherjee, da Universidade de Oxford, que participou do estudo.

Ele revelou que, em profundidades de mais de 984 pés, as focas dormem e descem no que os cientistas descrevem como “caracóis do sono” por 20 minutos de cada vez. “Parece folhas caídas”, disse Mukherjee.

“Este não é um sono leve, mas um verdadeiro sono paralítico, um sono profundo que faria os humanos roncarem. Notavelmente, o cérebro da foca os acorda antes que eles fiquem sem oxigênio.”

“Imagine acordar no fundo de uma piscina – isso causa arrepios na espinha.”

Os cientistas dizem que seu estudo mapeou os “mapas de sono” das focas marinhas – sugerindo que as áreas de dormir podem ser tão importantes quanto os campos de caça ativos desses animais.

“Eles nos mostram como é o mundo deles e nos ajudam a entender o que fazem e quando fazem, para que possamos entender como evitar atrapalhar”, explicou Mukherjee.