Outubro 3, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

“Eles queriam nos destruir”, disse o líder da Ucrânia após a sétima noite de ataques aéreos russos. “eles não poderiam”.

"Eles queriam nos destruir", disse o líder da Ucrânia após a sétima noite de ataques aéreos russos.  "eles não poderiam".

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, disse na manhã de quinta-feira que as forças de defesa de seu país, em grande número, mantiveram suas linhas contra a invasão russa durante mais uma noite de ataques aéreos.

“Eles quiseram nos destruir muitas vezes. Eles não conseguiram. Já passamos por muita coisa! E se alguém pensa que depois de superar tudo isso os ucranianos vão ficar apavorados, quebrados ou se render – ele não sabe nada sobre Ucrânia“Ele não tem nada a fazer na Ucrânia. Não temos nada a perder a não ser nossa liberdade”, disse Zelensky na última mensagem de vídeo.


Ucranianos mantêm-se firmes contra a invasão russa

01:41

Zelensky disse que seu país recebe diariamente mais armas e outros suprimentos de seus aliados internacionais. Considerando que o governo Biden, embora não esteja disposto a enviar tropas ou aeronaves dos EUA para ajudar diretamente a Ucrânia não pertencente à OTAN, fornece ao país muitas das armas do país. Um funcionário dos EUA confirmou à CBS News na quarta-feira que 200 mísseis antiaéreos Stinger estavam entre os itens entregues à Ucrânia e que centenas mais foram enviados – todos parte de um pacote de apoio militar de US$ 350 milhões.

Mas os Estados Unidos e a OTAN se recusaram a impor uma zona de exclusão aérea sobre a Ucrânia, conforme solicitado pelos líderes ucranianos, considerando a possibilidade de fogo direto entre aviões da OTAN e russos muito arriscado. Assim, a Ucrânia foi deixada para suportar um devastador ataque aéreo russo e, embora uma segunda rodada de conversas diretas entre as delegações russa e ucraniana fosse esperada esta semana, o embaixador dos Estados Unidos nas Nações Unidas alertou na quarta-feira que a Rússia parecia estar “se preparando para aumentar a brutalidade de sua campanha.”

Já mais de um milhão de pessoas fugiram do país. O escritório de direitos humanos da ONU diz que 227 civis foram mortos e 525 ficaram feridos. Autoridades ucranianas estimam o número de civis mortos em mais de 2.000, incluindo 21 crianças. A Rússia confirmou perdas militares, dizendo que quase 500 de seus soldados foram mortos, mas Zelensky diz que as forças de Putin perderam mais de 9.000 soldados. A Ucrânia não divulgou seus números de baixas militares.

READ  Nadador morre após ser mordido por tubarão em praia de Sydney