Maio 26, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Espanha e Portugal estão a emergir como ‘ilhas de energia’ durante a crise europeia

Líderes em energia renovável graças à energia solar, eólica e hidráulica, Espanha e Portugal estão prontos para colher os benefícios de investimentos de longo prazo em gás natural liquefeito ou GNL.

Com seis fábricas de GNL em Espanha – as maiores da Europa – em Barcelona – e uma em Portugal, os vizinhos ibéricos representam cerca de um terço da capacidade de processamento de GNL da Europa. Os terminais portuários convertem os barcos da Supercooled LNG de volta em gás, que então flui para residências e empresas.

“Claramente, esta infraestrutura nos dá maior flexibilidade e fortalece nosso sistema de abastecimento de gás em comparação com outros países europeus que dependem de gasodutos”, disse Claudio Rodriguez, porta-voz da Enagas, que opera a rede de gás natural da Espanha.

Ele falou na terça-feira durante uma rara visita a grandes depósitos de cilindros na planta de GNL no porto de Barcelona.

Espanha e Portugal, juntamente com outras partes da Europa, devem receber mais importações de gás depois que os Estados Unidos anunciaram na semana passada que ajudariam seus aliados a reduzir sua dependência do gás russo.

Os Estados Unidos disseram que aumentarão as exportações de GNL para a Europa em 15 bilhões de metros cúbicos este ano, com exportações ainda maiores no futuro. Os Estados Unidos já haviam superado a Argélia como a principal fonte de gás natural da Espanha no início deste ano.

READ  Aeroporto de Gatwick: Espanha, Itália, Turquia, EUA, Portugal, Grécia e outros países permitem a Grã-Bretanha

A Espanha parecia estar em uma posição vulnerável depois que a Argélia fechou um gasoduto que passava pelo Marrocos no ano passado em meio a brigas com seu país vizinho do norte da África. A Espanha enviou diplomatas para garantir o embarque de GNL da Argélia. Agora, a guerra da Rússia na Ucrânia colocou a Espanha em um estado de inveja.

A guerra tornou a Europa dependente do gás russo uma importante responsabilidade estratégica. Na pressa de encontrar alternativas, os líderes da UE, enquanto isso, querem acelerar seus objetivos de médio a longo prazo para mudar ainda mais para as energias renováveis ​​enquanto encontram fontes alternativas de gás natural. A Rússia atualmente detém o fluxo de gás, mas no passado fechou os gasodutos durante a guerra com a Ucrânia e a Bielorrússia.

A crise também mostra que a UE, apesar de ser um mercado comum para 27 países, tem grandes barreiras internas ao seu sistema de abastecimento de energia.

Existem muito poucas ligações energéticas entre Espanha e Portugal e o resto da Europa. Após uma mudança sem precedentes na política da UE na semana passada, os países ibéricos foram autorizados a propor suas próprias medidas de controle de preços para combater o aumento dos custos de energia em todo o continente.

O primeiro-ministro espanhol Pedro Sanchez e seu enviado português, Antonio Costa, argumentaram com sucesso que o governo Sanchez está criando a chamada “ilha de energia” aumentando o isolamento relativo de seus países de outros mercados da UE e fazendo maior uso de energias renováveis. Deve ser temporariamente isento das regras gerais do mercado.

O GNL que chega à Espanha poderia teoricamente ser enviado para países vizinhos que precisam de mais leste, mas não há uma maneira fácil de chegar lá. Espanha e França compartilham dois pequenos gasodutos que podem transportar GNL equivalente a sete cargas de barco por mês, enquanto a Espanha recebeu 27 cargas de barco em seus terminais em março, além do gás natural bombeado pelo gasoduto argelino, diz Enakas.

READ  Portugueses querem comprar propriedade nos Alpes

Em Madrid e Bruxelas fala-se em reconstruir um plano para construir um gasoduto maior para gás e energia de hidrogénio verde para atravessar os Pirenéus, mas apesar do financiamento para isso, levará vários anos para começar a funcionar. É preciso haver mais trabalho na França para levar o gás onde é realmente necessário.

Rodriguez, por sua vez, disse que os terminais de GNL da Espanha podem ser usados ​​para enviar navios de GNL para outros portos europeus “para fortalecer os sistemas de gás e energia da Europa”.

No entanto, os especialistas concordam que, se a Europa quer autonomia energética, deve fortalecer suas conexões.

“A Espanha é parte da solução, mas, infelizmente, é limitada no que pode fazer”, disse Gonzalo Escripano, analista de energia e clima do instituto de estudos Elkano da Espanha.

“Durante anos, a Espanha vem emitindo advertências a outros estados membros sobre sua dependência da Rússia… (Agora) queremos fechar o cano russo, queridos. Não podemos.”

———

O escritor da AP Aritz Barra contribuiu de Madri.

———

Acompanhe a cobertura da guerra pela AP em https://apnews.com/hub/russia-ukraine.