Julho 19, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Este novo estudo pode condenar missões tripuladas a Marte antes mesmo de acontecerem

Este novo estudo pode condenar missões tripuladas a Marte antes mesmo de acontecerem

Tanto a NASA quanto a SpaceX esperam um dia enviar humanos a Marte. O CEO da SpaceX, Elon Musk, compartilhou publicamente planos para colonizar o Planeta Vermelho ao longo dos anos, e a NASA até identificou uma potencial missão tripulada a Marte na década de 2030. É claro que há muitos obstáculos a superar antes de podermos alcançar estes objetivos, mas agora, novas preocupações sobre danos renais dos astronautas podem destruir essas esperanças antes mesmo de terem a oportunidade de se concretizar.

Já sabemos que o envio de humanos a Marte levará meses, talvez anos no total. Isto acontece porque o nosso planeta vizinho está a cerca de 225 milhões de quilómetros de distância, e os cientistas estimam que viajar para lá utilizando a tecnologia espacial atual pode levar até seis meses. Mísseis movidos a energia nuclear certamente poderiam mudar isso, mas é uma aposta que ainda não fizemos.

Mas antes que possamos nos preocupar com tudo isso, temos que lidar com uma nova preocupação. De acordo com um estudo publicado recentemente, as condições extremas das viagens espaciais podem, na verdade, causar danos renais nos astronautas. O estudo utilizou amostras de mais de 40 missões espaciais que incluíram humanos e ratos. Os dados revelaram que as condições no espaço fazem com que certas partes do rim encolham depois de menos de um mês no espaço.

Fonte da imagem: Stockwriter/Adobe

Esta é uma notícia muito preocupante, especialmente porque pesquisas recentes mostraram que apenas três dias no espaço é tempo suficiente para causar declínio cognitivo também nos astronautas. Se realmente quisermos enviar humanos para Marte e além, teremos que descobrir maneiras de proteger seus rins ao longo do caminho. Caso contrário, poderão sofrer graves danos causados ​​pela radiação, o que poderá causar insuficiência renal.

Uma das principais razões pelas quais esta notícia é particularmente alarmante é que os rins demoram muito para mostrar danos causados ​​pela radiação. Isso significa que mesmo com exames de rotina, os astronautas nem sempre detectam danos renais a tempo, forçando-os a se submeter a outros tratamentos para manter o corpo funcionando conforme necessário.

Pesquisadores Detalhe suas descobertas em Comunicações da Natureza. Embora afirmem que não há forma de proteger os rins da radiação cósmica através de blindagem, esperam que possamos de alguma forma desenvolver medidas tecnológicas ou farmacêuticas que possam ajudar a tornar possíveis viagens espaciais profundas, como missões tripuladas a Marte.