Maio 26, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

EUA dão à Ucrânia mais US$ 800 milhões em ajuda militar e adicionam armas pesadas

EUA dão à Ucrânia mais US$ 800 milhões em ajuda militar e adicionam armas pesadas

WASHINGTON (Reuters) – O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou nesta quarta-feira mais 800 milhões de dólares em ajuda militar à Ucrânia para expandir os sistemas para incluir artilharia pesada antes de uma ofensiva russa mais ampla no leste da Ucrânia. Consulte Mais informação

Biden disse em um comunicado após um telefonema com o presidente ucraniano Volodymyr que o pacote, que eleva a ajuda militar total desde a invasão das forças russas em fevereiro para mais de US$ 2,5 bilhões, inclui sistemas de artilharia, projéteis de artilharia, veículos blindados e defesa costeira não tripulada. barcos. Zelenski.

Biden disse que também aprovou a transferência de helicópteros adicionais, dizendo que o equipamento fornecido à Ucrânia era “crítico” em sua resposta à invasão.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

“Não podemos descansar agora”, disse Biden em um comunicado por escrito. “Como assegurei ao presidente Zelensky, o povo americano continuará a apoiar o bravo povo ucraniano em sua luta pela liberdade”.

O novo pacote inclui 11 helicópteros Mi-17 que foram destinados ao Afeganistão antes do colapso do governo apoiado pelos EUA no ano passado. Também inclui 18 obuses de 155 mm, juntamente com 40.000 cartuchos de artilharia, radares anti-artilharia, 200 veículos blindados e mais 300 drones Switchblade.

Esta foi a primeira vez que a Ucrânia recebeu obuses dos Estados Unidos.

O porta-voz do Pentágono, John Kirby, disse que alguns sistemas, como obuses e radares, exigiriam treinamento adicional para as forças ucranianas não acostumadas a usar equipamentos militares dos EUA.

“Estamos cientes da hora e sabemos que o tempo não é nosso amigo”, disse Kirby quando perguntado sobre a velocidade de entrega.

READ  “Estou aqui hoje não para iniciar uma guerra, mas para evitá-la.”

Armas maiores e mais fortes

O presidente dos EUA, Joe Biden, discute a resposta dos EUA à invasão da Ucrânia pela Rússia e alerta os CEOs sobre possíveis ataques cibernéticos da Rússia na reunião trimestral da CEO Business Roundtable em Washington, DC, EUA, em 21 de março de 2022. REUTERS/Lea Mehlis

A nova ajuda – relatada pela Reuters na terça-feira – será financiada usando a Autoridade de Desembolso Presidencial, ou PDA, onde o presidente pode autorizar a transferência de artigos e serviços de ações dos EUA sem aprovação do Congresso em resposta a uma emergência. Consulte Mais informação

John Spencer, major aposentado do Exército dos EUA e especialista em guerra urbana no Madison Policy Forum, disse estar animado ao ver os Estados Unidos enviarem artilharia e projéteis de artilharia.

“Você precisa dessas armas maiores e mais poderosas… para combinar com o que a Rússia está oferecendo para tentar dominar o leste da Ucrânia”, disse Spencer.

À medida que as notícias da recente assistência à segurança surgiram, executivos dos principais fabricantes de armas dos EUA se reuniram com funcionários do Pentágono para discutir os desafios industriais no caso de o conflito na Ucrânia continuar.

Estes incluíam executivos da BAE Systems Plc (BAES.L)General Dynamics Corp (GD.N)Lockheed Martin, Inc. (LMT.N)Indústrias Huntington Ingalls (bem-vindo ao)L3Harris Technologies (LHX.N)Corporação Boeing (banimento)Raytheon Technologies Corp (RTX.N) A empresa Northrop Grumman (NOC.N).

Em um comunicado, o porta-voz do Pentágono, Eric Bahon, disse que a discussão “focou principalmente em acelerar a produção e construir mais capacidades em toda a base industrial para armas e equipamentos que podem ser rapidamente exportados, implantados com treinamento mínimo e comprovadamente eficazes no campo de batalha”.

Zelensky estava apelando aos líderes dos Estados Unidos e da Europa por armas e equipamentos pesados. Milhares foram mortos e milhões deslocados na invasão de sete semanas.

A Rússia não conseguiu atingir a maioria de seus objetivos militares, pois os ucranianos resistiram mais ferozmente do que o esperado.

READ  França nomeia primeira primeira-ministra mulher em 30 anos

A Rússia descreve suas ações na Ucrânia como uma “operação especial” para destruir as capacidades militares da Ucrânia e prender o que considera nacionalistas perigosos, mas a Ucrânia e o Ocidente dizem que a Rússia iniciou uma guerra de agressão injustificada.

A Rússia disse na quarta-feira que capturou o porto de Mariupol, no sudeste da Ucrânia, e que mais de 1.000 fuzileiros navais ucranianos se renderam.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

(Reportagem de Patricia Zingerli, Idris Ali e Mike Stone) Reportagem adicional de Humira Pamuk, Doina Chiako e Timis Turmo. Edição por Mary Milliken, Will Dunham, Grant McCall e Cynthia Osterman

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.