Novembro 28, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

“Excedendo as Expectativas” – A espaçonave Orion realiza sua primeira inspeção

"Excedendo as Expectativas" - A espaçonave Orion realiza sua primeira inspeção


No terceiro dia da missão Artemis I, a Orion manobrou suas matrizes solares e capturou a lua com uma câmera montada no final da matriz. A espaçonave está agora a meio caminho da Lua. atribuído a ele:[{” attribute=””>NASA

On the third day of its Artemis I journey, NASA’s uncrewed Orion spacecraft is now more than halfway to the Moon.

“Today, we met to review the Orion spacecraft performance, and it is exceeding performance expectations,” said Mike Sarafin, Artemis I mission manager.

Flight controllers used Orion’s cameras on Friday to inspect the crew module thermal protection system and European Service Module. This was the first of two planned external evaluations for the spacecraft. Teams conducted this survey early in the mission to provide detailed images of the spacecraft’s external surfaces after it has flown through the portion of Earth’s orbit where the majority of space debris resides.

The second inspection is required during the return phase to assess the overall condition of the spacecraft several days before re-entry. During both inspections, the Integrated Communications Officer, or INCO, commands cameras on the four solar array wings to take still images of the entire spacecraft, allowing experts to pinpoint any micrometeoroid or orbital debris strikes. The team in mission control at NASA’s Johnson Space Center in Houston will review the imagery following the survey.


O Artemis All Access é a sua visão do que há de mais recente no Artemis I, as pessoas e a tecnologia por trás da missão e o que está por vir. Este teste de voo não tripulado ao redor da Lua abrirá o caminho para um teste de voo tripulado e uma futura exploração humana da Lua como parte de Artemis. Crédito: NASA

Nos últimos dias, uma equipe avaliou dados anômalos de rastreamento de estrelas associados a lançamentos de foguetes. Startrackers são câmeras sensíveis que tiram fotos do campo estelar ao redor de Orion. Ao comparar as imagens com o mapa estelar integrado, o rastreador estelar pode determinar para que lado Orion está apontado. As equipes agora entendem as leituras e não há mudanças operacionais.

READ  Telescópio James Webb da NASA captura primeira evidência de dióxido de carbono em um exoplaneta WASP-39b

A NASA também recebeu atualizações de equipes associadas a 10 CubeSats que foram entregues ao espaço em um loop conectado ao estágio superior do foguete do Sistema de Lançamento Espacial. Todos os 10 CubeSats foram implantados com sucesso por meio de um cronômetro do switch. As missões individuais dos CubeSats são separadas dos minissatélites Artemis I., cada um do tamanho de uma caixa de sapatos, por sua própria natureza de alto risco, alta recompensa e equipes estão em diferentes estágios de operações de missão ou, em alguns casos, solução de problemas.

A NASA organizou um briefing (veja o vídeo incorporado abaixo) na sexta-feira para mostrar a chegada de Orion na esfera de influência lunar. Você pode acompanhar a tarefa em tempo real Rastreamento Orion Durante sua missão ao redor da lua e de volta, confira Programação da NASA TV Para atualizações sobre os próximos eventos televisionados. O episódio 1 do Artemis All Access já está disponível (veja o vídeo incorporado acima) como uma recapitulação dos três primeiros dias da missão com uma olhada no que vem a seguir.


Do Johnson Space Center da NASA em Houston, a NASA demonstrou a entrada da espaçonave Orion no campo de impacto da Lua e um par de manobras que impulsionarão a espaçonave em uma órbita lunar retrógrada distante. O briefing dos participantes inclui:

  • Mike Sarafin, gerente da missão Artemis I, sede da NASA
  • Jeff Radigan, Diretor de Voo, NASA Johnson
  • Jim Jeffrey, gerente de integração de veículos Orion, NASA Johnson

A entrada de Orion na esfera de influência lunar faria da Lua, e não da Terra, a principal força gravitacional atuando na espaçonave. Os controladores de vôo conduzirão um sobrevôo em execução para aproveitar a força da gravidade da lua, acelerar a espaçonave e conduzi-la a uma órbita retrógrada muito além da lua. Durante seu sobrevoo motorizado, Orion fará sua aproximação mais próxima – cerca de 80 milhas – da superfície da Lua. Quatro dias depois, outra queima usando o módulo de serviço europeu colocará Orion em uma órbita retrógrada distante, onde permanecerá por cerca de uma semana para testar sistemas de espaçonaves.