Junho 29, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

EXCLUSIVO: Como um bilionário russo protegeu seus ativos das sanções europeias

EXCLUSIVO: Como um bilionário russo protegeu seus ativos das sanções europeias
  • Melnichenko cedeu a propriedade de empresas de fertilizantes e carvão para sua esposa
  • A renúncia ocorreu um dia antes de a União Europeia impor sanções a ela
  • Transferência de bens levanta dúvidas sobre a eficácia das sanções

ISTAMBUL/BRUXELAS (Reuters) – O empresário russo Andrei Melnichenko cedeu a propriedade de duas das maiores empresas de carvão e fertilizantes do mundo para sua esposa um dia antes de ser sancionado pela União Europeia, segundo três pessoas a par do assunto.

Melnichenko, que fez fortuna nos anos após a queda da União Soviética em 1991, abriu mão de sua participação na produtora de carvão SUEK AO e no grupo de fertilizantes EuroChem Group AG em 8 de março, em seu aniversário de 50 anos, deixando sua esposa, Alexandra Melnichenko, propriedade corporativa benéfica, disseram as pessoas.

Em 8 de março, Melnichenko possuía as duas empresas por meio de uma cadeia de fundos e empresas que se estendia de Moscou e a cidade suíça de Zug a Chipre e Bermudas, de acordo com arquivos legais analisados ​​pela Reuters.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Desde 2006, a esposa de Melnichenko está atrás apenas do marido na lista de beneficiários efetivos das duas empresas em documentos fiduciários, segundo as três pessoas, que falaram sob condição de anonimato porque não podem falar publicamente sobre os cônjuges. origens. As pessoas diziam que isso significava que ela herdaria a propriedade corporativa em caso de morte do marido.

No entanto, quando a guerra na Ucrânia começou em fevereiro, Melnichenko ficou cada vez mais preocupado com a possibilidade de ser incluído no regime de sanções da União Europeia contra a Rússia, disseram pessoas familiarizadas com o assunto. Em 8 de março, Melnichenko notificou os curadores de sua aposentadoria como beneficiário, disse a People. Isso levou à mesma série de mudanças nos registros de crédito que teriam ocorrido se o empresário tivesse morrido, tornando sua esposa a beneficiária.

A Reuters não conseguiu entrar em contato com Melnichenko e sua esposa para comentar.

Um porta-voz da SUEK, com sede na Rússia, não respondeu às mensagens pedindo comentários. A EuroChem, com sede na Suíça, confirmou que Alexandra Melnichenko substituiu seu marido como beneficiário efetivo.

“Após a saída de seu fundador, o usufruto inicial de um fundo que detém 90 por cento da empresa internacional de fertilizantes passou automaticamente para sua esposa”, disse a empresa em comunicado à Reuters na quarta-feira.

O papel da esposa de Melnichenko na EuroChem foi relatado pela primeira vez pelo jornal suíço Tages-Anzeiger. Seu papel na SUEK, bem como o momento das mudanças de propriedade e outros detalhes, são relatados aqui pela primeira vez.

READ  Príncipes Charles em frente ao discurso da rainha Elizabeth no Parlamento

Melnichenko, que fundou a SUEK e a EuroChem há duas décadas, foi classificado como o oitavo homem mais rico da Rússia no ano passado pela revista Forbes, com uma fortuna estimada em US$ 18 bilhões.

A União Europeia impôs sanções a Melnichenko, citando sua suposta proximidade com o Kremlin, em 9 de março, como parte de uma tentativa ocidental de punir o presidente russo Vladimir Putin pela invasão da Ucrânia em 24 de fevereiro. As penalidades – que incluem o congelamento de seus bens, impedi-lo de entrar na UE e impedir que entidades da UE lhe forneçam dinheiro – não se aplicam à sua esposa, nem à filha e ao filho do casal.

A Grã-Bretanha também colocou Melnichenko, russo nascido na Bielorrússia e mãe ucraniana, em sua lista de sanções em 15 de março. A Suíça impôs sanções contra ele no dia seguinte.

Em um comunicado à Reuters em março, após a imposição das sanções da União Europeia, o empresário disse que a guerra na Ucrânia foi “realmente trágica” e pediu paz. Um porta-voz de Melnichenko disse na época que ele “não tinha afiliações políticas”.

Os governos ocidentais impuseram sanções abrangentes a empresas e indivíduos russos na tentativa de forçar Moscou a se retirar.

Mas alguns empresários russos sancionados, incluindo Roman Abramovich e Vladimir Yevtushnikov, transferiram seus ativos para amigos e familiares, levantando dúvidas sobre a eficácia dessas tentativas de pressionar Moscou.

Melnichenko, cuja residência no balneário suíço de St. Moritz foi registrada até enfrentar as penalidades, foi instruído a mudar a propriedade de seus negócios de um retiro perto do Monte Kilimanjaro, onde estava comemorando seu aniversário, segundo uma das pessoas. familiarizado com o assunto. Um Boeing 737 adornado com a assinatura do bilionário “A” na fuselagem pousou na Tanzânia em 5 de março, de Dubai, de acordo com o serviço de rastreamento de voos Flightradar24.

O advogado de Melnichenko não respondeu a perguntas sobre a viagem ao Kilimanjaro.

A transferência de propriedade de Melnichenko na SUEK e na EuroChem teve efeitos de longo alcance.

Após várias semanas de análises, as autoridades financeiras suíças concluíram que as duas empresas poderiam continuar operando normalmente com base no fato de Melnichenko não estar mais envolvido com elas. A SUEK e a EuroChem disseram que os reguladores financeiros britânicos e alemães chegaram a conclusões semelhantes.

Os reguladores britânicos e alemães não responderam aos pedidos de comentários.

Após a conclusão das revisões no final de abril, a SUEK e a EuroChem – que no ano passado tiveram receitas de US$ 9,7 bilhões e US$ 10,2 bilhões, respectivamente – puderam retomar a distribuição de milhões de dólares em pagamentos de juros aos detentores de títulos.

READ  Atualizações ao vivo: Rússia invade a Ucrânia

Nas últimas semanas, a SUEK e a EuroChem também entraram em contato com clientes ocidentais, oferecendo-lhes documentos para a nova estrutura de propriedade em uma tentativa de tranquilizá-los de que podem continuar a fazer negócios com as antigas empresas de Melnichenko, disseram duas pessoas familiarizadas com o assunto.

Não há mais pagamentos

Na Suíça, a Secretaria de Assuntos Econômicos (SECO) disse que nenhuma sanção foi imposta à SUEK ou EuroChem no país.

A SECO disse que, tanto quanto é do seu conhecimento, Melnichenko não é mais beneficiário da confiança que a EuroChem pertencia no momento de sua sanção pela União Europeia e pela Suíça.

A SECO também disse que pediu a confirmação da Eurochem de que não forneceria fundos a Melnichenko.

“A empresa e sua administração garantiram por escrito à SECO que as medidas de sanções suíças serão totalmente cumpridas, em particular que nenhum dinheiro ou recursos econômicos serão disponibilizados para as pessoas sancionadas”, disse a SECO em resposta a um inquérito.

As autoridades suíças defenderam sua decisão de não estender as sanções à esposa de Melnchenko ou suas ex-empresas, citando o fato de que as autoridades da UE também não as assinaram com sanções.

“Neste caso, fizemos exatamente o que a União Europeia fez”, disse o ministro da Economia da Suíça, Guy Parmelin, à televisão suíça na quarta-feira.

Parmelin acrescentou que a Suíça também está preocupada que a imposição de sanções à EuroChem em um momento em que os preços dos fertilizantes aumentaram na maior parte do mundo possa ter consequências terríveis para os mercados agrícolas. A EuroChem disse que produziu mais de 19 milhões de toneladas de fertilizantes no ano passado – o equivalente a cerca de 10% da produção global, segundo dados das Nações Unidas.

A Comissão Europeia, braço executivo da UE, disse que não tinha informações sobre a transferência dos bens de Melnichenko para sua esposa. A comissão disse estar pronta para preencher as brechas que permitem que indivíduos e empresas evitem suas sanções. No início desta semana, apresentou propostas destinadas a criminalizar medidas para contornar sanções, incluindo a transferência de bens para membros da família, em todo o conglomerado de 27 países.

Sob a estrutura de confiança, curadores independentes exercem o controle sobre a SUEK e a EuroChem enquanto a propriedade do usufruto, que estava nas mãos de Melnichenko até 8 de março, passou para sua esposa.

READ  Ryanair criticada como racista por examinar África do Sul em africâner

Um matemático que uma vez sonhou em se tornar um físico, Melnichenko deixou a universidade para mergulhar no caótico – e às vezes mortal – mundo dos negócios na era pós-soviética.

Ele fundou o MDM Bank, mas na década de 1990 ainda era muito jovem para se envolver nas privatizações do presidente Boris Yeltsin que entregaram ativos selecionados a uma ex-superpotência a um grupo de empresários que ficou conhecido como oligarquia devido à sua influência política e econômica.

Melnichenko começou então a comprar ativos de carvão e fertilizantes muitas vezes em dificuldades, o que o tornou um dos homens mais ricos da Europa.

A União Europeia, quando anunciou suas sanções, disse que Melnichenko “pertence ao círculo mais influente de empresários russos com laços estreitos com o governo russo”.

A União Europeia disse em sua ordem de sanções de 9 de março que Melnichenko estava entre dezenas de líderes empresariais que se reuniram com Putin no dia em que a Rússia invadiu a Ucrânia para discutir o impacto das sanções, demonstrando seus laços estreitos com o Kremlin.

Na época, um porta-voz de Melnichenko negou que o empresário pertencesse ao círculo íntimo de Putin e disse que se oporia às sanções na Justiça. Em 17 de maio, Melnichenko contestou as sanções ao apresentar um recurso ao Tribunal Geral da União Europeia, que trata de reclamações contra instituições europeias, segundo registros do tribunal.

A Rússia descreve suas ações na Ucrânia como uma “operação especial” para desarmar a Ucrânia e protegê-la dos fascistas. A Ucrânia e o Ocidente dizem que as alegações fascistas são infundadas e que a guerra é um ato injustificado de agressão.

A Itália confiscou o iate de Melnichenko – o veleiro A de 470 pés de altura e 530 milhões de euros – em 12 de março, três dias depois de ter sido colocado na lista de sanções da UE.

Soyek e Eurochem disseram em 10 de março, um dia após a União Européia anunciar sanções contra Melnichenko e 159 outros indivíduos ligados à Rússia, que seu fundador havia renunciado a seus cargos em seu conselho corporativo.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

(Reportagem de David Gautier-Villars e Gabriela Bachinska); Reportagem adicional de Chris Kirkham em Los Angeles, Andrew McCaskill em Londres, Michael Shields e Brianna Hughes Nigawe em Zurique

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.