Outubro 1, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Fake news: Como Portugal ‘enganou’ ex-ditador ao acreditar que ainda liderava do seu leito de doente

O falecido ditador de Portugal António de Oliveira Salazar foi alimentado por assessores com uma fantasia “absurda” para fazê-lo acreditar que ainda governou o país por dois anos depois de ter sido substituído por problemas de saúde, afirma um novo livro.

O Sr. Salazar governou Portugal de 1932 até 1968, quando sofreu uma série de problemas de saúde e foi substituído como chefe de Estado por Marcelo Caetano.

Até sua morte em 1970, assessores deram a Salazar uma versão falsa do jornal Diário do Noticias cada dia que trazia histórias fictícias para fazer parecer que ele ainda estava no comando.

Todas as noites, o editor criava uma edição especial do jornal – só para o Sr. Salazar – para retirar qualquer referência ao Sr. Caetano e ao seu governo.

Os ministros participariam de reuniões com o ditador enfermo e até fariam comentários depreciativos contra Caetano, de acordo com o livro recém-lançado.

Marco Ferrari, jornalista italiano e autor de ‘A Incrível História de António Salazar, o Ditador que Morreu Duas Vezes’ diz que a fantasia continuou até a morte do déspota em 1970.

“Foi uma situação absurda que durou dois anos, até a morte de Salazar e que abrangeu toda a classe dominante do país”, disse Ferrari. El Paíso jornal espanhol.

A história tem nuances do filme Adeus Lenin, de 2003, no qual um alemão tenta proteger sua mãe – que se recuperou do coma – do choque de descobrir que o Muro de Berlim caiu, recriando o mundo antes da queda de Alemanha Oriental.

Em Portugal, uma pista de que Salazar acreditava que a fantasia era de fato verdadeira veio em uma entrevista ao jornal francês L’Aurore em 1969.

READ  Catar enfrenta Portugal para enfrentar Ronaldo

Disse ao jornalista que o Sr. Caetano não estava no governo, mas que continuava a trabalhar como professor de direito.

Salazar liderou o movimento conservador do Estado Novo que governou Portugal entre os anos 1930 e 1974.

Católico convicto, opôs-se ao comunismo e ao socialismo, mas distanciou-se do nazismo e do fascismo.

“(Salazar) governou o maior império colonial de 1932 a 1968, de Hitler aos Beatles. Ele manteve o poder com o apoio da Igreja e dos agricultores, suprimindo os sindicatos, a liberdade de imprensa e qualquer outro tipo de oposição ou dissidência política”, disse Ferrari.

Em 2007, Salazar foi eleito o “Maior Português de Todos os Tempos” numa sondagem televisiva que provocou alvoroço dos opositores e acalorados debates académicos sobre o seu papel e legado na história do país.

Salazar governou por tanto tempo graças em parte a uma rede de 20.000 policiais secretos e cerca de 200.000 informantes, acreditam os historiadores.

O Estado Novo terminou em 1974 com a pacífica revolução dos Cravos que restabeleceu a democracia.