Maio 23, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Fulham 0 Manchester City 4 – Time de Guardiola após duas partidas pelo quarto título consecutivo

Fulham 0 Manchester City 4 – Time de Guardiola após duas partidas pelo quarto título consecutivo

O Manchester City, em busca do quarto título consecutivo da Premier League, visitou Craven Cottage na hora do almoço de sábado, com a equipe de Pep Guardiola sabendo que uma vitória os colocaria acima do Arsenal na tabela.

O Fulham começou bem, mas só conseguiu aguentar até aos 13 minutos, quando Jusko Gvardiol converteu um dos 19 passes – outro golo importante através do pé direito mais fraco do croata.

Foi uma história semelhante no segundo tempo: alguma pressão inicial da equipe da casa… então, 13 minutos depois, estava 2 a 0, e Phil Foden, o Jogador do Ano da FWA, marcou desta vez com o pé mais fraco. A 20 minutos do final, Gvardiol (pé direito – sim) fez o 3-0 com um remate poderoso ao poste mais distante, antes de um penálti tardio de Julián Alvarez reduzir a diferença de golos do Arsenal para apenas dois golos.

Aqui, Sam Lee responde algumas das principais questões do jogo.


Como Yusko Gvardiol se transformou em uma máquina de gols?

“Houve um período muito incerto”, disse Guardiola sobre Gvardiol no fim de semana passado. “Não foi muito bom.

Guardiola explicou então como isso é normal para um novo jogador na liga, e temos visto muito isso no City. “Mas conversamos, assistimos muitos programas dele e ele conseguiu.”

Durante a maior parte da temporada, houve dúvidas sobre a adequação de Gvardiol para a posição de lateral-esquerdo, mas parece cada vez mais que ele será desperdiçado como zagueiro. Não há dúvida de que no futuro ele avançará no meio-campo como John Stones faz – assim que perceber algumas das complexidades extras no esquema de Guardiola – mas enquanto aprende, o lateral-esquerdo é um bom jogador.

Ele pediu para ser alto e largo, mas há apenas alguns desarmes e cruzamentos – ele é basicamente outro meio-campista, apenas um meio-campista defensivo, que recebe a bola e a dá, e mantém as coisas funcionando; Um pouco como Jack Grealish foi usado, sem peculiaridades.

READ  Andrew Wylie se despede do Kansas City Chiefs

Mas o remate de Gvardiol também não é mau, e isso ficou evidente no seu primeiro golo frente ao Fulham. Ao chegar à área, ele mostrou compostura e tocou novamente na bola antes de chutar.


(Justin Setterfield/Imagens Getty)

Esse tipo de direcionamento em campo – e a capacidade de usar o pé direito – o diferencia de muitos jogadores, principalmente dos zagueiros.

Ele teve alguns problemas no início; Guardiola falou sobre como Guardiola sempre tentou ser muito criativo na posse de bola, dando a bola, e defensivamente também foi frustrado. Mas esses problemas foram minimizados nos últimos meses e ele parecia a escolha ideal para a defesa musculosa e técnica de Guardiola.

Adicione alguns gols, assim como os gols aqui ou os flagrantes contra o Real Madrid e o Luton Town, e você terá um jogador muito especial – embora tenha recusado a chance de se tornar o primeiro zagueiro na história da Premier League a marcar um gol – truque. Depois que o City conseguiu um pênalti na prorrogação.


O talento de De Bruyne para dar assistências continuou quase fora do radar, já que ele desempenhou o seu papel na ultrapassagem de Gvardiol ao trocar a bola com o lateral furioso.

Da mesma forma que Erling Haaland marcou um hat-trick quase invisível no primeiro tempo, De Bruyne continua a dar contribuições decisivas, mesmo quando não está dividindo as defesas com bolas em profundidade ou desviando cruzamentos para o segundo poste.


(Adrian Denis/AFP via Getty Images)

É esta capacidade de combinar os esforços mais ousados ​​com passes mais simples que o impulsionou no ranking de assistências da Premier League durante seus nove anos no City. Agora, apenas Ryan Giggs tem mais na história da liga – e em uma carreira muito mais longa (quase 27.000 minutos adicionais).

READ  Classificações iniciais do basquete universitário para 2024-25

De Bruyne também tem a mesma quantidade de assistências que Cesc Fabregas – mas com 7.000 minutos a menos.

De Bruyne deu nove assistências na Premier League nesta temporada, o mesmo número de qualquer outro jogador do City, e jogou apenas metade delas.

Nesta partida voltou a ser muito parecido com Haaland, no sentido de que estava lá dentro, movimentando-se e esperando o momento certo para pegar a bola e dar uma contribuição significativa, com a maior parte do trabalho de posse de bola sendo feito. por aqueles posicionados mais profundos e mais amplos.

Ele poderia ter dado mais assistências quando o jogo começou, pouco antes do intervalo – especialmente depois que Manuel Akanji errou um chute não marcado no poste mais distante, enquanto Haaland perdeu uma boa chance por cima da trave. Foi a terceira vez que De Bruyne criou três “grandes chances” definidas pela Opta em uma partida da Premier League nesta temporada, duas a mais do que qualquer outro jogador da divisão.

Ele foi retirado faltando 15 minutos para o fim, sabendo que havia feito demais.


Se a visão da bola saltando sobre a linha do gol para dar ao City uma vantagem de 3 a 0 não bastasse, as comemorações deixaram poucas dúvidas de que a equipe de Guardiola estava se recuperando e parecendo longe de se intimidar pelas pressões de outra corrida pelo título.

Foi Bernardo Silva quem cruzou para o poste mais distante para Gvardiol e Yazan se virarem e fazerem a escolha perfeita na cobrança de escanteio de De Bruyne.

E Kyle Walker queria ter certeza de que Bernardo receberia o crédito por isso. Enquanto os jogadores do City se reuniam em frente aos torcedores (incluindo Noel Gallagher), Walker pegou o português no que era essencialmente um transporte de bombeiro, afastando-o 20 metros do resto deles.

READ  Phillies x Mets: Didi Gregorios e Rhys Hoskins lideram a grande vitória de Phils

Bernardo é tão querido no vestiário quanto qualquer um no City, mas todos se preparam para mais um verão de desejos – dada uma cláusula de rescisão em seu contrato, inserida no ano passado depois que ele concordou em ficar – de volta, mas de olho na possibilidade de finalmente saindo em 2024.

Ele está pensando em um desde 2021 – não que você saiba, dado como ele colocou tudo isso em mente assim que a temporada começou e continua a ser uma das principais engrenagens da máquina de Guardiola.

Está quase na hora de dizer adeus e pode ser emocionante, pois os jogadores seguem caminhos separados nas férias. Antes disso, faltam três jogos e, se vencer todos, terá conquistado a dobradinha da Premier League e da FA Cup.

Business as usual para Bernardo e a banda então. E eles parecem mais do que felizes com isso.


(Richard Heathcote/Imagens Getty)

O que Pep Guardiola disse?

“Temos muita pressão”, disse Guardiola à beIN Sports após a partida. “Sabemos que se empatarmos ou perdermos um jogo, acabou. Sabemos em cada jogo o que temos que fazer.

“Serei honesto, não esperava estar nesta posição nesta temporada, depois de vencer a tripla temporada na temporada passada.

“Achei que eles iriam recuar, mas a consistência era exatamente o oposto.”


O que vem a seguir para a cidade?

Terça-feira, 14 de maio: Tottenham (fora), Premier League, 20h GMT, 15h ET

O último jogo fora de casa do City na temporada, em um estádio que eles acham difícil vencer. Será que o Tottenham gostaria de ajudar o Arsenal a competir pelo título?


Sugestões de leitura

(Imagem superior: Getty Images)