Maio 22, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Futebol espanhol reconhece problema de racismo após incidente com Vinícius

Futebol espanhol reconhece problema de racismo após incidente com Vinícius
  • Real Madrid registra queixa de ódio por abuso racista
  • Governo brasileiro convoca embaixador da Espanha para explicar o ocorrido
  • Fifa pede proibição vitalícia de estádios para torcedores racistas

MADRI (Reuters) – O presidente da Federação Espanhola de Futebol, Luis Rubiales, disse nesta segunda-feira que o futebol espanhol tem um problema de racismo, ecoando as críticas do Brasil depois que o Real Madrid apresentou uma queixa por ofensa racista após insultar o atacante brasileiro Vinicius Junior.

A LaLiga está sob pressão para fazer mais para combater o racismo depois que o presidente do Brasil, a Fifa e outras estrelas do esporte, como o atacante francês Kylian Mbappé, Rio Ferdinand e o piloto de Fórmula 1 Lewis Hamilton expressaram seu apoio a Vinicius.

Em postagem nas redes sociais, Vinicius Jr chamou o abuso racista de “desumano” e exigiu que patrocinadores e emissoras responsabilizem a LaLiga.

“O que falta para criminalizar essas pessoas? E punir os clubes esportivamente? Por que os patrocinadores não são acusados ​​de LaLiga? As televisões não se importam em transmitir essa barbaridade todo fim de semana?” disse Vinícius.

A declaração veio um dia depois que a partida do Valencia contra o Mestalla foi suspensa por 10 minutos, depois que o atacante brasileiro de 22 anos fez uma referência aos torcedores que, segundo ele, faziam comentários racistas contra ele.

Ele acrescentou: “O problema é muito sério e os comunicados à imprensa são inúteis. Não me culpe por justificar ações criminosas.”

A estátua do Cristo Redentor brasileiro, um famoso ponto turístico do Rio de Janeiro, foi extinta na noite desta segunda-feira em solidariedade ao atacante do Real Madrid.

Vinícius, o segundo maior artilheiro do Real Madrid nesta temporada em todas as competições (23), atrás de Karim Benzema (29), havia descrito a Espanha como “o país dos racistas” após a partida contra o Valencia no domingo.

READ  UEFA apura-se para a final da Liga dos Campeões depois de a Rússia invadir a Ucrânia; Polônia não viajará para as eliminatórias da Copa do Mundo

Isso gerou uma reação do presidente da LaLiga, Javier Tebas, que disse no Twitter que já foi feito o suficiente e que Vinícius deveria se informar “antes de criticar e difamar a LaLiga”.

“A primeira coisa é admitir que temos um problema em nosso país”, disse Rubiales em entrevista coletiva em Madri na segunda-feira. É “um problema sério que mancha também toda uma equipa, toda uma torcida, todo um clube e todo um país”.

Na segunda-feira, o governo brasileiro convocou o embaixador espanhol para explicar o incidente, e seu Itamaraty disse em comunicado que concluiu após “outro incidente inaceitável” que as autoridades espanholas não tomaram medidas efetivas para prevenir tais atos racistas. .

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sanchez, disse no Twitter que “há tolerância zero para o racismo no futebol”.

“O esporte é baseado nos valores de tolerância e respeito. O ódio e a xenofobia não devem ter lugar em nosso futebol e em nossa sociedade”, acrescentou Sánchez.

O Conselho de Esportes da Espanha disse em um comunicado anterior que estudaria as imagens da partida para determinar quem foi o responsável pela acusação.

Vídeos publicados nas redes sociais e verificados pela Reuters mostraram centenas de torcedores do Valencia cantando “Vinicius Monkey” enquanto o ônibus do Real Madrid chegava ao estádio antes da partida.

“Sinto muito pelos espanhóis que discordam, mas hoje no Brasil a Espanha é conhecida como o país dos racistas”, escreveu Vinicius Junior no Twitter.

Rubiales chamou os comentários de Tebas de “irresponsáveis”.

“É possível que Vinicius esteja mais certo do que pensamos, e todos nós precisamos fazer mais sobre o racismo”, disse Rubiales.

Acidentes múltiplos

O Real Madrid disse na segunda-feira que apresentou uma queixa por crime de ódio após o incidente – o décimo episódio de suposto racismo envolvendo o jovem astro do futebol relatado aos promotores nesta temporada, de acordo com a LaLiga.

READ  Katie Ledecky iguala o recorde mundial de natação de Michael Phelps. Ryan Murphy leva o ouro

O Valencia CF disse em um comunicado que identificou um torcedor e está trabalhando com a polícia para confirmar a identidade de outros que podem enfrentar penalidades, incluindo banimentos perpétuos dos estádios.

A polícia espanhola continua investigando um possível crime de ódio contra Vinicius Junior depois de pendurar um manequim vestindo sua camisa número 20 em uma ponte fora do campo de treinamento do Real Madrid em janeiro, antes do clássico do clube contra o Atlético de Madrid.

Os promotores retiraram uma queixa apresentada sobre cânticos racistas contra o jogador em setembro, durante outra partida contra o Atlético de Madrid.

A promotoria arquivou o caso porque os gritos de “macaco” foram ditos apenas duas vezes e “duraram apenas alguns segundos”, destacando como o código penal da Espanha dificulta o julgamento de incidentes racistas em partidas de futebol.

“A LaLiga está usando esses casos legais para lavar as mãos, embora já tenha o poder de tomar decisões e impor sanções por conta própria”, disse Moha Gerho, jornalista espanhol e ativista antirracismo.

Ele acrescentou: “La Liga deve ser capaz de fechar os estádios e forçar uma série de partidas a serem disputadas com portões fechados nesses casos, porque isso pressiona os clubes e os próprios torcedores”.

Os promotores espanhóis investigaram oficialmente três casos de atos racistas durante a temporada 2021-22, de acordo com o Ministério do Interior. De acordo com as regras atuais, os culpados de comportamento racista podem ser multados em até 4.000 euros (US$ 4.403) e banidos dos estádios por um ano.

Há um ímpeto crescente para que a Espanha faça mais para enfrentar o problema. O presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva pediu à FIFA e à LaLiga que “tomem medidas reais”.

READ  Naomi Osaka retorna ao Aberto dos Estados Unidos. Mas não para o tênis.

O heptacampeão mundial de Fórmula 1, Lewis Hamilton, enviou a Vinicius um soco virtual no Instagram, acrescentando: “De pé com você @vinjr”.

O presidente da Fifa, Gianni Infantino, pediu à La Liga que imponha uma regra de que os clubes deduzirão pontos se os cânticos racistas continuarem. Ele acrescentou que os racistas devem ser banidos para sempre dos estádios de todo o mundo. O técnico do Barcelona, ​​Xavi Hernandez, pediu medidas drásticas semelhantes: “Você tem que parar a partida … um insulto e todos vão para casa”.

(US$ 1 = 0,9084 euros)

Reportagem adicional de Fernando Callas, Emma Pinedo e David Latona; Escrito por Charlie Devereux, edição por Christian Radnedge

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.