Abril 22, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Google concorda em destruir dados de navegação coletados no modo de navegação anônima

Google concorda em destruir dados de navegação coletados no modo de navegação anônima

O Google concordou em destruir ou desidentificar bilhões de registros de dados de navegação na web coletados quando os usuários estavam no modo de navegação anônima, de acordo com uma proposta de acordo de ação coletiva apresentada na segunda-feira.

o O acordo proposto em Brown x Google Também forçaria uma maior divulgação por parte da empresa sobre como ela coleta informações no modo de navegação anônima e colocaria limites na coleta futura de dados. Se um juiz federal da Califórnia aprovar este acordo, ele poderá ser aplicado a 136 milhões de usuários do Google. o Processo de 2020 Eles foram apresentados por titulares de contas do Google que acusaram a empresa de rastrear ilegalmente seu comportamento por meio de seu recurso de navegação privada.

A proposta vale US$ 5 bilhões, de acordo com o processo judicial de segunda-feira, e é calculada determinando o valor dos dados que o Google armazenou e que será forçado a destruir e dos dados que será impedido de coletar. O Google precisará processar os dados coletados no modo de navegação privada em dezembro de 2023 e antes. Quaisquer dados que não sejam completamente excluídos devem ser desidentificados.

“Este acordo garante a verdadeira responsabilização e transparência do maior agregador de dados do mundo e representa um passo importante para melhorar e apoiar o nosso direito à privacidade online”, escreveram os demandantes na proposta de acordo.

O porta-voz do Google, Jose Castañeda, disse em comunicado que a empresa está “satisfeita em resolver este processo, que sempre acreditamos ser infundado”. Embora os demandantes tenham estimado o acordo proposto em US$ 5 bilhões, o valor que originalmente buscavam como indenização, Castañeda disse que “não estão recebendo nada”. O acordo não inclui danos à classe, embora pessoas físicas possam entrar com ações judiciais.

READ  Futuros de ações em queda enquanto Wall Street aguarda resultados das eleições de meio de mandato

“Nunca vinculamos dados aos usuários quando eles usam o modo de navegação anônima”, acrescentou Castañeda. “Temos o prazer de excluir dados técnicos desatualizados que nunca foram associados a um indivíduo e nunca foram usados ​​para qualquer forma de personalização.”

Parte do acordo inclui mudanças na forma como o Google divulga os limites dos serviços de navegação privada, que a empresa já começou a implementar no Chrome. O Google também concordou por cinco anos em permitir que os usuários bloqueiem cookies de terceiros por padrão no modo de navegação anônima para evitar que o Google rastreie usuários em sites externos enquanto eles navegam com privacidade.

Os indivíduos ainda podem entrar com ações por danos no tribunal estadual da Califórnia, de acordo com os termos do acordo. 50 reclamações já foram apresentadas.