Abril 23, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Governo mexicano envia fuzileiros navais para assumir ferrovia privada | notícias de transporte

Governo mexicano envia fuzileiros navais para assumir ferrovia privada |  notícias de transporte

A administração do presidente López Obrador prometeu compensar a empresa pelo uso da linha férrea.

O governo do presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, enviou fuzileiros navais ao sul do país para ocupar um trecho das ferrovias operadas por um grupo privado.

As autoridades classificaram a medida como “temporária” e de “interesse público”, já que o governo trabalha para modernizar a rede ferroviária até o mar no Istmo de Tehuantepec, uma estreita faixa de terra entre o Golfo do México e o Oceano Pacífico.

Chamado de Corredor Interoceânico, o projeto visa ajudar o México a impulsionar sua economia e competir com o Canal do Panamá, um importante canal de comércio na região.

Mas a aquisição ferroviária de sexta-feira pegou o Grupo Mexico Transportes de surpresa, de acordo com um comunicado divulgado na sequência.

“A tomada repentina e incomum de instalações pelas forças armadas está sendo analisada pelo Grupo Mexico Transportes e seus investidores e assessores”, disse a empresa. Suas ações caíram mais de 4 por cento na tarde de sexta-feira.

O governo mexicano prometeu compensar o Grupo Mexico Transportes pelo confisco, que inclui cerca de 120 quilômetros (75 milhas) de ferrovia, entre Aguas Medias e a cidade costeira de Coatzacoalcos.

A empresa disse que os trens continuam operando na linha “sob a supervisão das forças armadas”. A ocupação militar ocorreu por volta das 6h, horário local (12h GMT).

Esta não é a primeira vez que o governo López Obrador é acusado de se apropriar de infraestrutura de transporte para uso do governo.

Em março, a Vulcan Materials, com sede nos Estados Unidos, alegou que policiais e militares mexicanos se dirigiram ilegalmente às docas do porto que operava em Punta Venado, na costa caribenha.

Uma vez lá, os soldados supostamente facilitaram o descarregamento de cimento, brita e outros materiais em nome da CEMEX do México – materiais destinados ao projeto de trem maia do governo na Península de Yucatán.

READ  4 razões pelas quais a economia parece estar entrando em colapso - e o que fazer sobre isso

O incidente gerou indignação nos Estados Unidos, com a senadora republicana Katie Brett, do Alabama, chamando a medida de “ilegal e inaceitável”. Enquanto isso, o Departamento de Estado dos EUA disse estar “preocupado com o tratamento justo de nossas empresas no México”.

López Obrador defendeu o projeto Maya Train, uma ferrovia de 1.500 quilômetros (950 milhas) projetada para circundar a Península de Yucatán, conectando vários pontos turísticos populares.

Mas o projeto, estimado em US$ 16 bilhões, enfrentou oposição significativa, inclusive de grupos indígenas, ambientalistas e arqueológicos preocupados sobre como isso afetará os frágeis ecossistemas e locais históricos da região.

Na quinta-feira, a Suprema Corte do México deu um revés para López Obrador ao decidir que o governo não tinha o direito de controlar o trem maia e outros projetos de infraestrutura de “segurança nacional” para facilitar a construção.

O projeto do trem foi brevemente suspenso em 2022 após uma ordem judicial por não apresentação de uma declaração de impacto ambiental. López Obrador, cujo mandato termina em setembro de 2024, estava correndo para concluir a linha férrea antes de deixar o cargo.

Na decisão de quinta-feira, a Suprema Corte – um órgão com o qual López Obrador tem uma relação de oposição – disse que uma designação de “segurança nacional” violaria as leis de transparência sobre obras públicas.

Mas López Obrador respondeu à decisão do tribunal na quinta-feira ordenando que o Diário Oficial da Federação, onde são publicadas as regras e regulamentos do governo, reclassifique a designação de “segurança nacional”.

O pedido cobriria projetos como o Trem Maia, bem como uma rede ferroviária para o istmo marítimo de Tehuantepec e vários aeroportos, protegendo-o dos processos normais de licenciamento.