Maio 23, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Guerra russo-ucraniana: forças do Azovstal dizem que “rendição não é uma opção” | notícias da guerra entre a rússia e a ucrânia

Guerra russo-ucraniana: forças do Azovstal dizem que "rendição não é uma opção" |  notícias da guerra entre a rússia e a ucrânia

A promessa ocorre quando o mais alto funcionário do governo russo que não pôs os pés em Mariupol saúda a “restauração da paz” nas cidades “libertadas”.

Combatentes ucranianos escondidos em bunkers subterrâneos em uma enorme usina siderúrgica na cidade de Mariupol, no sudeste do país, prometeram lutar até o fim, enquanto as forças russas continuavam seus ataques à usina de Azovstal.

“Continuaremos lutando enquanto estivermos vivos para repelir os ocupantes russos”, disse o capitão Svyatoslav Balamar, vice-comandante do Regimento Azov ucraniano, em uma conferência online no domingo.

“Não temos muito tempo. Ele pediu à comunidade internacional que ajude a evacuar os soldados feridos da fábrica em Mariupol.

A Usina de Aço Azovstal é o último enclave da resistência ucraniana na cidade portuária devastada, e seu destino assumiu um valor simbólico na batalha mais ampla desde a invasão da Ucrânia pela Rússia em 24 de fevereiro.

Centenas de civis também se refugiaram dos ataques russos na siderúrgica por semanas, mas todos foram evacuados nos últimos dias como parte de uma missão humanitária coordenada pelas Nações Unidas e pela Cruz Vermelha.

Apenas lutadores e médicos permanecem em Azovstal agora.

Mas outro oficial do Regimento Azov também disse que a rendição “não é uma opção”.

“Somos todos militares da guarnição de Mariupol, testemunhamos os crimes de guerra cometidos pela Rússia e pelo exército russo. Somos testemunhas”, disse Ilya Samuelenko, oficial de inteligência.

A rendição não é uma opção porque a Rússia não está interessada em nossas vidas.

Ele acrescentou que o regimento não entregaria cerca de 200 soldados feridos.

“Não podemos abandonar nossos feridos e nossos mortos – essas pessoas merecem tratamento adequado, merecem um enterro digno desse nome. Não deixaremos ninguém para trás”, disse ele.

READ  US$ 17 bilhões em ativos globais ligados a 35 russos com supostos laços com Putin | Presidente russo Vladimir Putin

Autoridades ucranianas prometeram continuar os esforços diplomáticos para evacuar os soldados, com Mikhailo Podolak, um conselheiro sênior do presidente ucraniano, dizendo nas mídias sociais que Kiev “não vai parar até que evacuemos todo o nosso povo” de Azovstal.

Khosnolin visita Mariupol

Mariupol é a chave para os esforços de Moscou para conectar a Crimeia, que a Rússia tomou em 2014, e partes das regiões leste de Luhansk e Donetsk que estão sob controle de separatistas apoiados pela Rússia desde então.

O vice-primeiro-ministro russo, Marat Khosnolin, disse no Telegram que visitou Mariupol no domingo, a figura mais importante do governo do país a pisar na cidade após semanas de bombardeios russos.

Khosnolin, responsável pela construção e desenvolvimento urbano do governo russo, disse no Telegram que visitou Mariupol e a cidade de Volnovakia, no leste da Ucrânia, entre outras áreas “libertadas” pelas forças russas.

Comece a restaurar a vida pacífica nos territórios. Há muito trabalho a ser feito. E ele escreveu em um post no Telegram, vamos ajudar, em especial… com assistência humanitária.

Khosnolin visitou o porto comercial de Mariupol, que ele disse que deveria ser usado para trazer materiais de construção para a restauração da cidade, de acordo com o canal de TV Zvezda do Ministério da Defesa russo.

Denis Pushilin, o chefe do porto, que acompanhou Khosnolin, disse no Telegram que o porto enviará seu primeiro carregamento da República Popular de Donetsk, apoiada pela Rússia, em maio.