Julho 22, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Hathras Stampede: evento mortal que mata pelo menos 121 pessoas, a maioria mulheres e crianças

Hathras Stampede: evento mortal que mata pelo menos 121 pessoas, a maioria mulheres e crianças

HATHRAS, Índia (AP) — A superlotação severa e a falta de saídas contribuíram para… Debandada em um festival religioso As autoridades indianas disseram na quarta-feira que um ataque de homens armados a uma mesquita no norte da Índia matou pelo menos 121 pessoas quando os fiéis correram em direção ao pregador para tocá-lo, causando o caos.

Cinco deles morreram O oficial local Manish Chaudhary disse que na manhã de quarta-feira, 28 pessoas foram mortas e ainda recebiam tratamento no hospital.

Acidentes de debandada fatais Relativamente comum Nos festivais religiosos indianos, grandes multidões reúnem-se em pequenas áreas com infra-estruturas precárias e poucas medidas de segurança.

Cerca de um quarto de milhão de pessoas Participe do evento Na terça-feira, apenas 80 mil pessoas puderam receber. Não ficou claro quantas pessoas conseguiram entrar na tenda gigante, montada em um campo lamacento em um vilarejo no distrito de Hathras, em Uttar Pradesh.

Ainda não está claro o que causou o pânico nas pessoas. Mas o ministro-chefe do estado, Yogi Adityanath, disse aos repórteres que uma multidão correu em direção ao pregador para tocá-lo quando ele desceu do pódio, e os voluntários tiveram dificuldade em intervir.

Os relatórios policiais iniciais indicaram que milhares de pessoas correram para as saídas de emergência e muitas delas escorregaram no chão lamacento, caindo e sendo esmagadas pela multidão. A maioria dos mortos eram mulheres.

O caos continuou fora da tenda e os seguidores correram novamente em direção ao pregador, um guru hindu conhecido localmente como Bhol Baba, quando ele saía de carro. Seu pessoal de segurança empurrou a multidão para trás, fazendo com que mais pessoas caíssem, disseram autoridades.

READ  Militares de Taiwan anunciam acordo de "cooperação" com a Guarda Nacional dos EUA

As autoridades estão a investigar e a procurar Al-Khatib e os outros organizadores, cujo paradeiro é desconhecido.

Adityanath disse que ordenou uma investigação por um juiz aposentado sobre as mortes ocorridas na terça-feira.

A polícia registrou caso de homicídio culposo contra dois dos organizadores, mas excluiu o pregador. A pena máxima para homicídio culposo na Índia é a prisão perpétua.

Binod Sukhna, que perdeu a mãe, a filha e a esposa, chorou ao sair do necrotério na quarta-feira.

Ele disse enquanto chorava: “Meu filho me ligou e disse: Pai, minha mãe não está mais aqui, minha esposa não está mais aqui”.

A organização do pregador Sri Jagat Guru Baba passou mais de duas semanas se preparando para o evento.

Os seguidores do guru de todo o estado – o mais populoso da Índia, com uma população de mais de 200 milhões de habitantes – viajaram até à aldeia, em filas de veículos estacionados que se estendiam por 3 quilómetros (cerca de 2 milhas).

O funcionário do governo Ashish Kumar disse que o número de saídas na vasta tenda era insuficiente. O número de saídas não estava claro.

Especialistas disseram que o evento violou os padrões de segurança. “O evento foi realizado numa tenda temporária sem garantir múltiplas rotas de saída”, disse Sanjay Srivastava, especialista em gestão de desastres.

Na terça-feira, centenas de familiares das vítimas reuniram-se em hospitais locais, chorando de dor ao ver os mortos, deitados em macas e cobertos com lençóis brancos do lado de fora. Ônibus e caminhões também transportaram dezenas de vítimas para os necrotérios.

READ  Os Estados Unidos e seus aliados estão considerando fornecer aviões de combate à Ucrânia para combater a Rússia

Sonu Kumar foi um dos muitos moradores locais que ajudaram a levantar e transportar os corpos após o desastre. O pregador criticou, dizendo: “Ele sentou-se no carro e saiu. Seus seguidores aqui caíram uns em cima dos outros.”

Kumar acrescentou: “Os gritos foram de partir o coração. Nunca testemunhamos nada assim antes em nossa aldeia”.

Em 2013, peregrinos que visitavam um templo para um festival hindu popular no estado de Madhya Pradesh, no centro da Índia, atropelaram-se uns aos outros, temendo que uma ponte desabasse. Pelo menos 115 pessoas foram esmagadas ou morreram no rio.

Em 2011, mais de 100 pessoas morreram numa debandada durante um festival religioso no estado de Kerala, no sul do país.

___

O relatório foi preparado por Banerjee de Lucknow, Índia. A redatora da Associated Press, Krutika Pathi, contribuiu para este relatório de Nova Delhi.

___

A cobertura religiosa da AP recebe apoio através da sua colaboração com The Conversation US, com financiamento da Lilly Endowment Inc. A Associated Press é a única responsável por este conteúdo.