Maio 27, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Houve mais de 1.000 pequenos sismos na ilha vulcânica portuguesa

Rui Marques, chefe do centro de monitoramento sísmico-vulcânico da região CIVISA, disse à Reuters na segunda-feira que terremotos de magnitude 1,9 a 3,3 foram relatados na ilha de São Jorge desde a tarde de sábado.

Ele disse que a maioria dos terremotos, que não causaram nenhum dano até agora, foram registrados na erupção vulcânica da ilha de Manadas em 1808.

São Jorge, uma das nove ilhas que compõem os Açores, faz parte do grupo central de arquipélagos com uma população de cerca de 8.400 habitantes, incluindo os populares locais turísticos do Arquivo e do Pico como vulcões.

O aumento repentino da atividade sísmica lembra as ondas sísmicas que eclodiram antes da erupção do vulcão Campre Viza na ilha espanhola de La Palma no ano passado, cerca de 1.400 quilômetros a sudeste dos Açores.

Em 85 dias, a erupção destruiu milhares de propriedades e plantações. Leia a história completa

No entanto, a CIVISA ainda não estabeleceu o que constitui uma série de tremores.

“… o comportamento desta crise sísmica ainda não é conhecido”, disse Marques à agência noticiosa Lusa.

A CIVISA enviou equipas ao terreno para instalar mais duas estações de observação sísmica na ilha e para medir os gases do solo que são indicadores de atividade vulcânica.

Em nota no domingo, a Comissão Regional de Defesa Civil já havia feito contato com prefeitos e bombeiros locais, pedindo que “fiquem alertas” e ajudem a população de São Jordão, se necessário.

Exortou a população a permanecer calma, informada e seguir as recomendações das autoridades. Márquez disse à Lusa que apenas 63 dos 1.100 sismos registados até agora foram sentidos pelo público.

“Temos que nos preocupar um pouco”, disse Marquez à estação de rádio Antenna 1. “Não devemos fazer um alerta, mas devemos estar atentos à evolução da situação.”

READ  Liga Portuguesa de Futebol anuncia restrições no meio da revolta do COVID-19