Junho 18, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Irá uma troca de prisioneiros entre os EUA e o Irão desencadear a diplomacia na Assembleia Geral da ONU?

Irá uma troca de prisioneiros entre os EUA e o Irão desencadear a diplomacia na Assembleia Geral da ONU?

Programa nuclear iraniano destaca Assembleia Geral da ONU

Tanto o presidente dos EUA Joe Biden E o seu homólogo iraniano Ibrahim RaisiEle discursará na Assembleia Geral da ONU na terça-feira, 19 de setembro. A tão esperada troca de prisioneiros entre os Estados Unidos e o Irão deverá ocorrer nos próximos dias, antes dos discursos.

Embora a troca de prisioneiros – cinco serão libertados de cada lado, relatou Elizabeth Hagedorn – pareça simples, no que diz respeito a este tipo de troca, a administração Biden está a ser ridicularizada pelos críticos republicanos por libertar 6 mil milhões de dólares devidos ao Irão pelo Irão. Bancos sul-coreanos, conforme relatado por Adam Lucente. Estes fundos foram congelados ao abrigo das sanções dos EUA em 2018, quando a administração Trump se retirou do Plano de Acção Conjunto Global (JCPOA). Eles foram agora transferidos para uma conta restrita supervisionada pelo Catar.

Antes de os Estados Unidos se retirarem do JCPOA, o Irão aderiu aos termos do acordo. Desde então, o Irão aproximou-se do limiar das armas nucleares, reduzindo o período de fuga de anos para meses.

O plano parece ser que a transferência de seis mil milhões de dólares, mais do que a libertação de prisioneiros, constitua um adiantamento ao Irão, a fim de permanecer abaixo do limiar nuclear e conter as possibilidades de escalada no Líbano, no Iraque e noutros focos de tensão. na região.

Para o Irão, tudo tem um preço. Teerão considera a questão nuclear um meio de pressão e de cobertura nas relações com os Estados Unidos, especialmente se uma administração republicana mais rigorosa ganhar a Casa Branca no próximo ano, e na sua posição dissuasora em relação a Israel. A carta nuclear na posse de Teerão não deve ser abandonada. Este era o objetivo do Plano de Ação Conjunto Global. O Irão considera tudo isto como negociações contínuas e infinitamente possíveis, e também é afectado por mudanças no equilíbrio de poder global, à medida que as suas políticas se tornaram mais estabelecidas e harmoniosas no Oriente, ou seja, com a China e a Rússia.

READ  Polícia queniana começa a exumar restos mortais de supostos túmulos de seita cristã

Os críticos da abordagem de Biden não acreditam em falar com o Irão sobre qualquer coisa, ignorando muitas vezes a postura de dissuasão cada vez mais forte dos Estados Unidos e depositando as suas esperanças em sanções e na mudança de regime.

Do lado da dissuasão, o acordo de segurança EUA-Bahrein anunciado esta semana, como relatou Jared Szuba, está a ser descrito como um “modelo” do compromisso da administração para com os seus parceiros do Golfo. A procura dos Estados Unidos por um acordo de paz entre a Arábia Saudita e Israel – embora enquadrado principalmente, mas não exclusivamente, como uma extensão dos Acordos de Abraham – é também uma potencial pedra angular desta postura dissuasora, se as partes conseguirem alcançá-la. (Veja aqui as últimas notícias de Ben Caspit sobre como o primeiro-ministro israelense Benjamim Netanyahu (Ele está “preso” em insistir na questão devido a conflitos dentro do seu governo sobre como lidar com a Autoridade Palestiniana.)

A questão na Assembleia Geral da ONU esta semana é se uma troca de prisioneiros poderia proporcionar uma nova oportunidade para a diplomacia, com base em iniciativas regionais como a reaproximação saudita-iraniana em curso, que parece ter avançado a diplomacia para acabar com a guerra no Iémen.

No que diz respeito ao dossiê nuclear, as perspectivas de uma diplomacia renovada serão testadas sob fogo cerrado na Assembleia Geral das Nações Unidas. Último relatório da Agência Internacional de Energia Atômica “Lamenta que nenhum progresso tenha sido feito na resolução das questões pendentes de salvaguardas no período do relatório.” No sábado, a Agência Internacional de Energia Atómica condenou o Irão por retirar a acreditação de alguns dos seus inspetores.

READ  Prisioneira da oposição bielorrussa Maria Kolesnikova "em cuidados intensivos" | Bielorrússia

Esses relatórios surgem apesar do Líder Supremo do Irã, Aiatolá Ali Khamenei Dizer que o Irão cooperará com a Agência Internacional de Energia Atómica em matéria de salvaguardas, conforme exigido pelo Tratado de Não-Proliferação Nuclear, mas nada mais. Não estão em cima da mesa monitorizações e inspeções mais intrusivas às instalações nucleares do Irão, conforme exigido pelo PACG.

Os Estados Unidos e a União Europeia ameaçam emitir uma nova resolução ao Conselho de Governadores da Agência Internacional de Energia Atómica sobre as recentes acções do Irão. Outro marco a ser realizado no próximo mês é a reunião das partes do Plano de Ação Conjunto Global em 18 de outubro – o chamado “dia de transição”. É neste momento que a ONU está preparada para levantar as restrições à investigação, desenvolvimento e produção de mísseis balísticos do Irão, e à sua importação e exportação de tecnologia relacionada com mísseis e drones, em troca de o Irão submeter o Protocolo Adicional ao seu parlamento para ratificação. O que não acontecerá. Os Estados Unidos, que já não fazem parte do JCPOA, podem querer que os seus parceiros europeus mantenham pressão sobre o Irão sobre a Ucrânia para forçá-lo a fazer mais concessões sobre o apoio iraniano à Rússia, e até ameaçar impor sanções imediatas, conforme permitido no o JCPOA.Comum abrangente.

As reuniões da Assembleia Geral das Nações Unidas também são realizadas um ano após a morte Mahsa Amini, que morreu enquanto estava detido no Irão devido à violação do hijab. Os protestos e as repressões subsequentes chamaram a atenção do mundo. No ano passado, apenas dez dias após a morte de Amini, Elizabeth Hagedorn e eu perguntámos ao ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano Hussein Amir Abdullahian “O seu governo não deveria perceber que as pessoas estão dizendo basta, e aliviar as restrições ao hijab e à aplicação da moralidade, e talvez encerrar a polícia da moralidade?”

READ  Paquistão parece mar após inundações, diz primeiro-ministro, com mais 18 mortos

Desde então, o governo iraniano deu poucos sinais de responder às exigências dos manifestantes. No entanto, o ano passado foi significativo para a política, a economia e a sociedade iranianas. Assista aqui à nossa série especial sobre o impacto dos protestos um ano depois, de Bijan Khajehpour, Jack Dutton, Rena Basst, Ambreen Zaman e nosso correspondente em Teerã.

Cúpula Global Al-Monitor-Semaphore para o Oriente Médio

Al-Monitor, o premiado serviço de notícias do Oriente Médio, e Semafor, a plataforma de mídia global, realizarão a primeira Cúpula Global do Oriente Médio, um evento ao vivo exclusivo à margem da 78ª Assembleia Geral da ONU na cidade de Nova York.

O evento cobrirá as principais tendências que moldam o Médio Oriente, incluindo integração regional, transição energética, desenvolvimento, segurança e tecnologia.

Rei Abdullah II Jordânia e o primeiro-ministro Muhammad Shiaa Al-SudaniO Iraque estará no topo da agenda, que também incluirá: Anwar Gargash, Conselheiro Diplomático Sênior do Presidente dos Emirados Árabes Unidos; Ministro egípcio das Relações Exteriores Sameh Shoukry; Ministro das Relações Exteriores de Omã Sayyed Badr Al Busaidi; Secretário de Estado Adjunto dos EUA Papel Bárbara; Assistente Adjunto e Conselheiro Sênior do Presidente para Assuntos de Energia e Investimento Amós Hochstein; Diretor-Geral e Representante Especial do Gabinete da Presidência dos Emirados Árabes Unidos na Vigésima Oitava Conferência das PartesMajed Al Suwaidi; E muitas outras coisas.

Você pode saber mais sobre o programa aqui: Cúpula Global do Oriente Médio (mideastglobalsummit.com)