Fevereiro 26, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Israel e Hamas procuram um novo acordo para prolongar a trégua em Gaza no seu último dia

Israel e Hamas procuram um novo acordo para prolongar a trégua em Gaza no seu último dia
  • Os últimos desenvolvimentos:
  • O Hamas publica uma lista de 30 detidos a serem libertados, incluindo os primeiros cidadãos palestino-israelenses
  • Um porta-voz israelense diz que Israel estudará qualquer proposta razoável
  • Os palestinos dizem que outros 160 corpos foram recuperados dos escombros de Gaza

GAZA/JERUSALÉM (Reuters) – Israel e o Movimento de Resistência Islâmica (Hamas) mantiveram negociações por meio de mediadores nesta quarta-feira sobre uma possível nova extensão da trégua em Gaza, faltando horas para chegar a um acordo antes que os combates recomeçassem após um hiato de seis dias.

A emissora pública israelense Kan informou que as famílias dos reféns israelenses foram informadas na quarta-feira sobre os nomes daqueles que deveriam ser libertados no final do dia, o último grupo a ser libertado sob a trégua, a menos que os negociadores consigam estendê-la.

O movimento Hamas em Gaza publicou uma lista com os nomes de 15 mulheres e 15 adolescentes que serão libertados das prisões israelitas em troca. Pela primeira vez desde o início da trégua, esta campanha incluiu cidadãos palestinianos de Israel, além de residentes dos territórios ocupados.

Uma autoridade palestina disse à Reuters que embora ambos os lados quisessem estender a trégua, um acordo ainda não foi alcançado. O responsável acrescentou que as discussões ainda estão em curso com os mediadores Egipto e Qatar.

O porta-voz do governo israelense, Elon Levy, disse que Israel consideraria qualquer proposta séria, embora se recusasse a fornecer mais detalhes.

“Estamos fazendo tudo o que podemos para retirar esses reféns. Nada será confirmado até que seja confirmado”, disse Levy a repórteres em Tel Aviv. “Estamos falando de uma negociação muito delicada em que vidas humanas estão em jogo.”

READ  Toneladas de lixo se acumulam em Paris enquanto a greve das aposentadorias continua e teme-se uma infestação de ratos

Ele disse que assim que a libertação dos reféns terminasse, os combates seriam retomados: “Esta guerra terminará com o fim do Hamas”.

Até agora, militantes em Gaza libertaram 60 mulheres e crianças israelitas entre 240 reféns que tinham raptado num ataque mortal em 7 de Outubro, ao abrigo do acordo que garantiu a primeira trégua na guerra. 21 estrangeiros, a maioria deles trabalhadores agrícolas tailandeses, também foram libertados ao abrigo de acordos paralelos separados. Em troca, Israel libertou 180 palestinos detidos pela segurança, todos eles mulheres e adolescentes.

A trégua inicial de quatro dias foi prorrogada por 48 horas a partir de terça-feira, e Israel diz que estaria disposto a estendê-la ainda mais, desde que o Hamas liberte 10 reféns por dia. Mas com menos mulheres e crianças ainda em cativeiro, isso poderá significar concordar com os termos que regem a libertação de pelo menos alguns homens israelitas pela primeira vez.

A libertação de terça-feira também incluiu pela primeira vez reféns detidos pela Jihad Islâmica, um grupo armado separado, bem como pelo próprio Hamas. A capacidade do Hamas de garantir a libertação de reféns detidos por outras facções tem sido um problema em conversações anteriores.

Primeiro descanso

A trégua proporcionou a primeira trégua à guerra lançada por Israel para eliminar o Hamas após o ataque do “Sábado Negro” levado a cabo por homens armados que mataram 1.200 pessoas no dia de descanso judaico, de acordo com um censo israelita.

READ  Armênia e Azerbaijão dizem que soldados foram mortos em troca de tiros na fronteira | Notícias

Desde então, os bombardeamentos israelitas transformaram grande parte de Gaza num terreno baldio, com mais de 15 mil pessoas mortas confirmadas, 40% das quais crianças, segundo autoridades de saúde palestinianas consideradas confiáveis ​​pelas Nações Unidas.

Teme-se que mais pessoas estejam soterradas sob os escombros. O Ministério da Saúde palestino disse que outros 160 corpos foram recuperados dos escombros durante as últimas 24 horas da trégua, e cerca de 6.500 pessoas ainda estão desaparecidas.

Na terça-feira, o Catar recebeu os chefes de inteligência do Mossad israelense e da Agência Central de Inteligência dos EUA (CIA).

Uma fonte familiarizada com o assunto disse que as autoridades discutiram possíveis critérios para uma nova fase do acordo de trégua, incluindo a libertação do Hamas de homens ou soldados israelenses reféns. Também consideraram o que poderá ser necessário para alcançar um cessar-fogo que dure mais do que alguns dias.

A fonte disse que o Catar conversou com o Hamas antes da reunião para saber com o que o grupo poderia concordar, e que as partes opostas estão agora discutindo internamente as ideias que foram apresentadas na reunião.

Não houve notícias imediatas sobre se o último grupo a ser libertado na quarta-feira incluiria o refém mais jovem, o bebê de 10 meses, Kfir Bibas, que está detido com seu irmão de quatro anos e seus pais. Seus familiares fizeram um apelo especial após terem sido afastados do penúltimo grupo libertado na terça-feira.

A trégua manteve-se durante os seis dias, apesar de relatos de ambos os lados de violações relativamente em pequena escala, embora ambos os lados digam que estão preparados para retomar a guerra com força total assim que esta terminar.

READ  Cúpula do G7: Zelensky acusa alguns líderes árabes de "fechar os olhos" para a guerra antes da viagem do Japão

Um porta-voz do exército israelense disse que a trégua ainda vigoraria até quarta-feira. Os palestinos acusaram as forças israelenses de atirarem do mar contra casas perto da praia em Khan Yunis e de atirarem em Beit Hanoun, ao norte de Gaza.

(Reportagem de Nidal al-Mughrabi no Cairo, Muhammad Salem e Roline Tufakji em Gaza, Henriette Shukr e Dan Williams em Jerusalém, Ali Sawafta em Ramallah e Steve Holland no Air Force One e nos escritórios da Reuters – Preparado por Muhammad Salem para os árabes Boletim – Edição de Muhammad Salem) Escrito por Cynthia Osterman e Peter Graff. Edição de Lisa Shoemaker, Lincoln Feast e Nick Macfie

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Obtenção de direitos de licenciamentoabre uma nova aba

Um correspondente sênior com quase 25 anos de experiência na cobertura do conflito palestino-israelense, incluindo várias guerras e a assinatura do primeiro acordo de paz histórico entre os dois lados.