Junho 25, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Khamenei no Irã descreveu o envenenamento de meninas como “imperdoável” após protestos públicos

Khamenei no Irã descreveu o envenenamento de meninas como “imperdoável” após protestos públicos
  • Mais de 1.000 alunas foram envenenadas no Irã
  • O líder supremo diz que os perpetradores merecem a pena de morte
  • Envenenamento alimenta paixões após meses de protestos

DUBAI (Reuters) – O líder supremo do Irã disse nesta segunda-feira que envenenar alunas é um crime “imperdoável” que deve ser punido com pena de morte se for intencional, informou a televisão estatal, em meio à indignação pública com uma onda de supostos ataques em escolas.

Mais de 1.000 meninas adoeceram após serem envenenadas desde novembro, segundo a mídia e autoridades estatais, com alguns políticos culpando grupos religiosos que se opõem à educação de meninas.

Os envenenamentos ocorreram em um momento crítico para os governantes clericais do Irã, após meses de protestos desde a morte de uma jovem detida pela polícia por violar as regras do uso do véu.

A televisão estatal citou o aiatolá Ali Khamenei dizendo: “As autoridades devem levar a sério a questão do envenenamento de estudantes”. “Se provado que houve premeditação, os autores desse crime imperdoável devem ser condenados à morte”, acrescentou.

Ultimas atualizações

Ver mais 2 histórias

Os incidentes de envenenamento começaram em novembro na cidade sagrada xiita de Qom e se espalharam para 25 das 31 províncias do Irã, levando alguns pais a retirarem seus filhos das escolas e protestarem.

As autoridades acusaram os “inimigos” da República Islâmica de usar os ataques para minar o estabelecimento religioso. Mas os grupos radicais que agem como guardiões de sua interpretação do Islã têm se mostrado céticos.

Em Washington, o secretário de imprensa do presidente Joe Biden chamou os envenenamentos de segunda-feira de vergonhosos.

“A perspectiva de meninas no Irã serem envenenadas apenas por tentar obter uma educação é vergonhosa, é inaceitável”, disse Karine Jean-Pierre em entrevista coletiva.

READ  1.300 soldados ucranianos mortos na "guerra de extermínio"
O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, fala durante uma reunião com membros da Força Aérea em Teerã, Irã, 8 de fevereiro de 2023. Escritório do líder supremo do Irã/WANA (West Asia News Agency)/Comunicado à imprensa via Reuters

A Casa Branca pediu uma investigação independente para determinar se os envenenamentos estavam ligados aos protestos, colocando-os dentro do mandato da Missão de Investigação das Nações Unidas no Irã.

‘As meninas pagam o preço’

Em 2014, as pessoas foram às ruas da cidade de Isfahan após uma onda de ataques com ácido, que pareciam ter a intenção de aterrorizar as mulheres que desrespeitavam o estrito código de vestimenta islâmico.

Pela primeira vez desde a Revolução Islâmica de 1979, as meninas da escola estão se juntando aos protestos que aumentaram após a morte de Mahsa Amini sob custódia da polícia moral.

Alguns ativistas acusaram a fundação de planejar os envenenamentos em retaliação.

“Agora, as meninas do Irã estão pagando o preço por lutar contra o uso obrigatório do véu e podem ser envenenadas pelo estabelecimento religioso”, escreveu Masih Alinejad, um proeminente ativista iraniano, em um tweet.

Temendo uma nova explosão de protestos, as autoridades minimizaram os incidentes de envenenamento. Uma investigação judicial ainda está em andamento, embora os detalhes das conclusões ainda não tenham sido divulgados.

A mídia estatal informou que pelo menos uma escola para meninos foi atacada na cidade de Brojer.

Reportagem adicional de Eloele Eloele em Donay e Jeff Mason em Washington. Escrito por Parisa Hafezi. Edição de Toby Chopra, Andrew Cawthorne e Sandra Mahler

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.