Junho 23, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Líder da Bielorrússia aprova transferência forçada de crianças ucranianas, segundo figura da oposição

Líder da Bielorrússia aprova transferência forçada de crianças ucranianas, segundo figura da oposição

TALLINN, Estônia (AP) – Um ativista da oposição bielorrussa diz que forneceu ao Tribunal Penal Internacional materiais que pretendem implicar o presidente Alexander Lukashenko na transferência forçada de crianças ucranianas para a Bielo-Rússia, acusações que Minsk rejeitou com raiva.

Lukashenko é o aliado mais próximo de Moscou, pois permitiu que o Kremlin usasse terras bielorrussas para enviar tropas e armas para a Ucrânia, e saudou a continuação da presença militar russa na Bielorrússia e a implantação de algumas armas nucleares táticas russas lá.

O líder autoritário também endossou um projeto de “estado de união” que viu Moscou e Minsk estreitarem seus laços econômicos, políticos e de defesa, embora ainda não alcançassem a integração total.

Pavel Latushka, ex-ministro da Cultura da Bielo-Rússia, disse na terça-feira que os materiais que entregou ao Tribunal Penal Internacional indicavam que mais de 2.100 crianças ucranianas de 15 cidades ucranianas ocupadas pela Rússia foram transferidas à força para a Bielo-Rússia com a aprovação de Lukashenko.

Latushka expressou esperança de que os materiais levem o Tribunal Penal Internacional a emitir um mandado de prisão para Lukashenko, como fez com o presidente russo, Vladimir Putin.

A promotoria do tribunal na quarta-feira não confirmou o recebimento dos materiais descritos por Latoshka. Em uma resposta por escrito à Associated Press, ela disse que tinha o “dever de proteger a confidencialidade das informações recebidas. Portanto, normalmente não comentamos essas comunicações”.

Em março, o TPI emitiu mandados de prisão para Putin e sua comissária para os direitos da criança, Maria Lvova Belova. Juízes em Haia disseram ter encontrado “motivos razoáveis ​​para acreditar” que os dois foram responsáveis ​​pelos crimes de guerra de deportação ilegal e transferência ilegal de crianças de regiões ocupadas da Ucrânia para a Rússia. Moscou rejeitou furiosamente esta etapa.

READ  China marca início de outubro para Congresso visto como coroação de Xi

“Crianças ucranianas, que estavam sob a tutela do Estado ucraniano, incluindo órfãos, crianças com deficiência e aquelas cujos pais foram privados de seus direitos parentais, foram transportadas ilegalmente para o território da Bielo-Rússia”, disse Latoshka à AP.

Ele acrescentou: “Os materiais entregues aos promotores provam que Lukashenko assinou pessoalmente os documentos sob os auspícios do chamado Estado Federal da Rússia e Bielorrússia, que forneceu a base para organizar e financiar o transporte de crianças ucranianas para a Bielorrússia”.

Em uma declaração online publicada na terça-feira, o Grupo Nacional de Gerenciamento de Crise anti-Lukashenko de Latushka afirmou ter coletado evidências de crianças ucranianas sendo colocadas em cinco acampamentos de verão e resorts de saúde na Bielo-Rússia.

Em entrevista por telefone, Latushka afirmou que os documentos se referiam a crianças ucranianas mantidas em instalações bielorrussas passando por lavagem cerebral ideológica e “russificação” antes de serem enviadas à Rússia para adoção, atividades que ele disse poderem constituir crimes de guerra.

O material postado online pelo National Anti-Crisis Management Group inclui um vídeo que mostra um artista no palco desejando a morte do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e do presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, sob aplausos de dezenas de crianças reunidas na platéia. Então o mesmo artista expressou o desejo de “prosperar e governar toda a Ucrânia”.

Não foi possível verificar de forma independente as circunstâncias em que o vídeo foi filmado, nem provar as outras alegações de Latoshka.

Na terça-feira, Lukashenko rejeitou as acusações de Latushka como “loucura”, argumentando que a Bielo-Rússia hospedou temporariamente as crianças para ajudá-las a se recuperar do trauma da guerra.

O líder bielorrusso disse que procurou Putin e eles concordaram em financiar a estadia das crianças na Bielorrússia com o orçamento do Estado.

READ  Notícias da guerra entre a Rússia e a Ucrânia: atualizações ao vivo

“Foi assim que começamos a trazê-los para cá”, disse Lukashenko na terça-feira. “Ajudamos a saúde deles e eles vão embora. Na verdade, eles não querem ir embora.”

Lukashenko denunciou Latushka como um “canalha” e o acusou de tentar abrir um processo no Tribunal Penal Internacional contra ele.

Latoshka foi forçado a deixar a Bielo-Rússia sob pressão das autoridades bielorrussas depois que Lukashenko foi reeleito nas eleições de 2020 que a oposição e o Ocidente denunciaram como fraudulentas. Lukashenko, que governou a nação de 9,5 milhões de pessoas com mão de ferro por 29 anos, contou com o apoio político e financeiro da Rússia para reprimir brutalmente meses de grandes protestos da oposição.

Latushka, que vive em exílio auto-imposto na Polônia, disse que recebeu crescentes ameaças de morte enquanto pressionava sua investigação sobre as supostas transferências forçadas de crianças.

Falando à AP, ele acusou que, além de Lukashenko, pelo menos outras quatro pessoas estiveram envolvidas na transferência de crianças ucranianas para a Bielo-Rússia, incluindo Dmitry Mizintsev, um alto funcionário da estrutura do “estado federal” da Bielorrússia, e Ivan Golovaty, presidente da Belaruskali., exportadora estatal de fertilizantes da Bielorrússia, Alexei Talay, chefe de um fundo de caridade apoiado pelo governo, e Olga Volkova, ativista pró-Rússia na região parcialmente ocupada de Donetsk, na Ucrânia.

Os documentos publicados pelo grupo de oposição Latushka também incluem uma cópia de uma carta assinada por Mizintsev e dirigida ao chefe da companhia ferroviária nacional da Rússia, a Russian Railways, pedindo-lhe para organizar conjuntamente o “transporte de crianças” do leste industrial da Ucrânia para “reabilitação”. à irmã Bielorrússia”.

A carta, datada de 23 de março, cita uma decisão de Putin e Lukashenko de fornecer “ajuda humanitária” às crianças, bem como planos para reassentar cerca de 2.000 órfãos e crianças que vivem “em condições difíceis” na Bielo-Rússia este ano. Ele disse que 1.050 menores seriam realocados em abril e maio, e outros 908 menores estavam programados para o final do ano. operadores ferroviários.

READ  Comandante do Exército acusada de múltiplas agressões sexuais a subordinados: relatório

Qualquer grupo ou indivíduo pode apresentar provas de supostos crimes ao TPI. Os promotores estão avaliando tais mandados para “identificar aqueles que parecem estar sob a jurisdição do tribunal e justificar novas ações”, diz o tribunal em seu site.

As autoridades bielorrussas disseram que o país hospedaria mais de 1.000 crianças com idades entre 6 e 15 anos de partes da Ucrânia ocupadas pela Rússia para “recuperação”. Eles disseram que os primeiros 350 deles chegaram à Bielorrússia em abril, mas não disseram quanto tempo permaneceriam no país.

No mês passado, o gabinete do procurador-geral da Ucrânia disse que havia iniciado uma investigação sobre a transferência forçada de crianças ucranianas para a Bielo-Rússia.

___

Mike Corder contribuiu para este relatório de Haia, Holanda.