Maio 27, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Líderes da zona ocupada pró-Moscou buscam se juntar à Rússia, Zelensky critica ‘colaboradores’

Líderes da zona ocupada pró-Moscou buscam se juntar à Rússia, Zelensky critica 'colaboradores'

Imagens de transmissão ao vivo mostram pessoas segurando uma faixa nas cores da bandeira ucraniana enquanto protestam contra a invasão russa da Ucrânia, em Kherson, Ucrânia, em 13 de março de 2022, nesta imagem estática de um vídeo de mídia social obtido pela Reuters.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

  • Kherson será a primeira região a ser anexada desde a incursão russa
  • O Kremlin diz que os moradores devem decidir seu próprio destino
  • Governador ucraniano diz que moradores querem retorno rápido à Ucrânia

(Reuters) – A agência de notícias russa TASS informou nesta quarta-feira, citando a administração militar e civil local, que a região de Kherson, ocupada pela Rússia, na Ucrânia, pretende pedir ao presidente Vladimir Putin que a integre à Rússia até o final de 2022.

Kherson é a primeira região a ser anexada desde que Moscou lançou sua campanha militar em fevereiro, dizendo que precisava desarmar a Ucrânia e proteger os falantes de russo dos “fascistas”. A Ucrânia e o Ocidente rejeitaram essa lógica como uma desculpa infundada para lançar uma guerra de agressão imperialista.

O Kremlin disse que cabe aos moradores que vivem na região decidir se querem se juntar à Rússia.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Mas Henady Lahota, o governador ucraniano deposto da região de Kherson, disse a repórteres na cidade ucraniana de Dnipro que os moradores queriam apenas “libertação rápida e um retorno ao seio de sua terra natal, sua mãe – a Ucrânia”.

A Rússia disse em abril que assumiu o controle total da área, que tem visto esporádicos protestos anti-russos.

Kherson, que abriga uma cidade portuária de mesmo nome, fornece parte da ligação terrestre entre a Crimeia, que a Rússia capturou da Ucrânia em 2014, e as regiões separatistas apoiadas pela Rússia no leste da Ucrânia. Consulte Mais informação

READ  Síria diz que 4 soldados foram mortos e 3 ficaram feridos em ataque israelense perto de Damasco

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky disse na época que as negociações com Moscou estariam em perigo se a Rússia usasse “referendos falsos” para justificar a anexação das regiões ocupadas de Kherson e Zaporizhia.

Em um discurso em vídeo tarde da noite na quarta-feira, Zelensky denunciou “aquelas pessoas marginalizadas, que o Estado russo descobriu como colaboradoras”. Ele disse que eles estavam fazendo declarações de “estupidez cósmica”.

Ele acrescentou: “Mas não importa o que os ocupantes façam, isso não significa nada – eles não têm chance. Estou confiante de que libertaremos nossa terra e nosso povo”.

“Sem referências”

Em 2014, um mês depois de ocupar erroneamente a Crimeia, Moscou organizou um referendo lá – que a Ucrânia e o Ocidente rejeitaram como ilegítimo – apoiando esmagadoramente a anexação da Rússia.

Questionado na quarta-feira sobre a adesão de Kherson à Rússia, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que os moradores devem decidir seu próprio destino, mas tais decisões precisam de uma base legal clara “como foi o caso da Crimeia”.

No entanto, Kirill Strimosov, vice-chefe da Administração Militar Civil controlada pela Rússia, foi citado pela RIA como dizendo a repórteres:

“Não haverá referendos porque é absolutamente sem importância, já que o referendo realizado legalmente na República da Crimeia não foi aceito pela comunidade internacional.”

O governo não respondeu imediatamente às ligações da Reuters pedindo comentários.

Lahota disse em Dnipro que 300.000 dos cerca de 1 milhão de habitantes da região partiram como resultado da invasão russa.

A Ucrânia disse que houve protestos em Kherson contra a ocupação russa e que um comício há duas semanas foi interrompido com gás lacrimogêneo.

“Depois de repetidas baixas de pessoas em Kherson, em Nova Kakhovka… menos pessoas começaram a protestar porque o inimigo começou a agir cada vez mais cruelmente, e começou a prender pessoas”, disse Lahota.

READ  Putin lança ataque e ouve explosões em Kiev

A Rússia já introduziu a moeda rublo na região de Kherson, substituindo a hryvnia ucraniana.

A TASS citou a administração controlada pela Rússia dizendo que os órgãos de pensão e um sistema bancário seriam criados para a região, e que as agências de um banco russo poderiam abrir lá antes do final de maio.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Reportagem da Reuters. Edição por Angus McSwan e Grant McCall

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.