Setembro 27, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Lítio português, o combustível da revolução dos veículos elétricos na Europa?

Postado em: Mudado:

Lisboa (AFP) – No próximo ano, Portugal poderá reconhecer a mina de lítio, que irá reduzir a dependência da Europa de recursos externos para uma matéria-prima fundamental numa corrida global frenética para decorbonizar a indústria automóvel.

O país do sul da Europa é considerado o detentor das maiores reservas de lítio do continente. Junto com o níquel e o cobalto, o lítio se tornou uma matéria-prima inestimável porque é um componente importante na produção de baterias de veículos elétricos.

A demanda está aumentando enquanto os fabricantes lutam para produzir frotas de baixa emissão e os governos procuram eliminar os veículos movidos a combustíveis fósseis na guerra contra as mudanças climáticas.

O regulador ambiental de Portugal decidirá sobre a aprovação de uma nova grande mina de lítio no norte do país no início de 2022.

Embora o lítio seja amplamente eliminado na Austrália e na América do Sul, a China domina a cadeia de abastecimento e a decisão do regulador melhorará a distribuição gratuita dos cobiçados recursos da Europa.

‘Corrida do ouro branco’

A China – vista como um concorrente econômico e parceiro simultaneamente em muitas capitais ocidentais – controla mais de 40% da produção mundial de lítio e quase 60% da capacidade global de refino de lítio.

Isso pode mudar se for fechado um acordo entre a petrolífera portuguesa Golf Energy e a fabricante sueca de baterias elétricas Northwold.

As duas empresas assinaram um acordo no início deste mês para abrir uma das maiores refinarias de lítio da Europa no norte de Portugal.

Custando cerca de 700 milhões de euros (US $ 787 milhões), a instalação processará minério suficiente para produzir baterias para cerca de 700.000 veículos elétricos por ano até 2026.

READ  Portugal não conseguiu proteger-se da radiação

Mas Golf e Northwold querem obter suprimentos de lítio da mineradora britânica Savannah, um dos maiores depósitos de lítio no nordeste da Europa Ocidental, mas dizem que terão que esperar pela decisão do regulador no ano que vem.

Savannah diz que o depósito pode fornecer lítio suficiente para 600.000 veículos elétricos por ano durante dez anos.

A portuguesa Lusorecursos apresentou este ano um estudo de impacto ambiental, para a abertura de uma segunda mina no concelho vizinho com estação de tratamento própria.

A “corrida do ouro branco” para o lítio em Portugal segue-se à decisão do grupo canadiano Rock Tech Lithium de investir 470 milhões de euros numa fábrica de lítio alemã a partir de 2024.

O ministro do Meio Ambiente, João Pedro Matos Fernandez, elogiou a resiliência da indústria de mineração e disse que o governo estabeleceu sua estratégia industrial com base nos recursos naturais de Portugal.

Mas ele disse que a muito atrasada licitação pelos direitos dos outros oito depósitos potenciais começaria somente após as eleições legislativas de 30 de janeiro.

Precisa subir

A dependência da Europa de fontes externas de lítio surge em meio a uma demanda um tanto induzida pela indústria automotiva por descarbonização.

De acordo com o Fórum Econômico Mundial, a indústria automotiva global produz mais emissões de gases de efeito estufa do que toda a União Europeia.

A Agência Internacional de Energia estima que a demanda global por lítio aumentará 42 por cento entre 2020 e 2040.

Este requisito impulsiona inovações tecnológicas para aumentar a eficiência da extração.

Pondaldi, subsidiária da histórica empresa portuguesa Mello, anunciou este mês que fez parceria com empresas australianas para testar uma nova tecnologia de purificação para extração de lítio da água salgada sul-americana.

READ  Trazendo noites portuguesas para Los Angeles

Os desenvolvimentos futuros poderão contemplar a extração de lítio do nordeste de Portugal, rico em granito, e a adição da bonança europeia de lítio.

‘Grandes pilhas de lixo’

Embora o lítio possa ajudar a decorar a indústria automotiva, sua extração e refino têm impacto ambiental e os projetos têm gerado inúmeras preocupações.

“A exploração do lítio não pode tornar-se uma entidade nacional, permitindo a sua extração sob qualquer forma e a qualquer custo”, afirmou Nuno Forner, da ONG ambiental Zero.

Forner não alcançou o veredicto “surpreendente” do Controlador Ambiental, mas esperava que o projeto de Savannah fosse aprovado sob certas condições.

No remoto município de Goa do Baroso, ao norte, famoso por sua carne, a mina Savannah está prestes a afundar, e o projeto foi um choque.

“Já sabemos que são as forças políticas e econômicas que tomam as decisões”, disse à AFP o presidente do grupo de pressão local, Nelson Gomez.

Ele previu que a mina “destruiria terras agrícolas, desviaria rios e criaria enormes pilhas de lixo” e prometeu “fazer de tudo” para evitá-lo.

O presidente-executivo da Savannah, David Archer, disse que a empresa planejou 238 ações para “destruir ou reduzir” o impacto do projeto, que envolve um investimento de cerca de 15 milhões de euros.