Abril 22, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Macron diz que a Europa não deve seguir a política dos EUA ou da China em Taiwan

Macron diz que a Europa não deve seguir a política dos EUA ou da China em Taiwan

(Reuters) – O presidente da França, Emmanuel Macron, disse em comentários publicados neste domingo que a Europa não tem interesse em acelerar a crise de Taiwan e deve seguir uma estratégia independente de Washington e Pequim.

Macron acaba de retornar de uma visita de Estado de três dias à China, onde recebeu calorosas boas-vindas do presidente Xi Jinping. A China lançou exercícios em torno de Taiwan no sábado, irritada com a reunião da presidente Tsai Ing-wen com o presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Kevin McCarthy, na quarta-feira.

A China considera Taiwan governada democraticamente como seu próprio território e nunca renunciou ao uso da força para colocar a ilha sob seu controle. O governo de Taiwan se opõe fortemente às alegações da China.

Macron disse que a Europa não deve acelerar o conflito, mas sim aproveitar o tempo para construir sua posição como um terceiro pólo entre a China e os Estados Unidos, em comentários que fez ao jornal francês Les Ecos and Politico durante sua visita à China.

O Politico o citou como tendo dito: “O pior é pensar que nós, europeus, devemos nos tornar seguidores neste assunto e nos adaptar ao ritmo americano ou à reação exagerada chinesa.”

A mídia o citou dizendo que a Europa deveria financiar melhor sua indústria de defesa, desenvolver energia nuclear e renovável e reduzir a dependência do dólar para reduzir sua dependência dos Estados Unidos.

A entrevista conjunta ocorreu em um voo na sexta-feira entre Pequim e Guangzhou.

Na sexta-feira, um assessor de Macron disse a repórteres em Guangzhou que Xi e Macron tiveram uma discussão “extensa e franca” sobre a questão de Taiwan durante suas reuniões.

“O sentimento do presidente é que devemos ter cuidado para não ter nenhum incidente ou escalada de tensão (que possa levar) ao ataque da China”, disse o conselheiro do Elysee.

READ  Mudanças climáticas: Cientistas relatam que 2023 será oficialmente o ano mais quente já registrado

Macron viajou para a China com uma delegação empresarial de 50 pessoas, incluindo a Airbus e a produtora de energia nuclear EDF, que assinaram acordos durante a visita.

(Reportagem de Lily Forody e Michelle Rose). Edição por Philippa Fletcher

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.