Junho 25, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Medo e ansiedade após os Subs Subs não serão mais a marca registrada das poltronas do Teatro Castro

Medo e ansiedade após os Subs Subs não serão mais a marca registrada das poltronas do Teatro Castro

O Conselho de Supervisores de São Francisco votou por 6 votos a 4 na terça-feira para expandir a designação histórica do Castro Theatre para incluir seus recursos internos que definem o personagem e o significado cultural LGBTQ + – mas não seus assentos para toda a orquestra, que tem sido objeto de intenso debate público.

Outra empresa, a Planet Entertainment, a atual operadora do teatro, está planejando uma reforma de US$ 15 milhões que inclui atualizações para a tela, camarins e sistema de ventilação, bem como a restauração de elementos internos antigos, como o teto e o lustre. Mas o Another Planet também quer nivelar o piso esfarrapado do palco e substituir os assentos no nível da orquestra por plataformas escalonadas de assentos removíveis. Tal movimento atraiu forte oposição de vizinhos, cineastas, líderes sem fins lucrativos e ativistas comunitários, que argumentam que isso mudaria irreparavelmente o caráter do teatro.

Em maio, um comitê do conselho aprovou uma emenda que daria uma designação notável para “assentos fixos de teatro no estilo de um palácio de cinema”, para incluir assentos no nível da orquestra. A língua original protege apenas “ter assentos”.

No caso, como o historiador público queer Gerard Koskovitch disse ao SFGATE, a ambigüidade em “ter assentos” pode “representar qualquer tipo de assento” e pode falhar em proteger os assentos existentes no nível da orquestra, que ele descreveu como parte do patrimônio cultural intangível do teatro. herança. LGBTQ.

Outros, incluindo Barbara Gersh, moradora de longa data de São Francisco, comentarista geral em uma das audiências recentes de Castro, argumentaram que a remoção dos assentos seria “um golpe final na cultura cinematográfica de São Francisco que já está oscilando”.

Mas na terça-feira, a maioria do conselho votou contra a redação da emenda que protegeria claramente os assentos no nível da orquestra. Esse grupo incluía o superintendente Raphael Mandelman, que inicialmente apresentou a legislação para expandir a proeminência do teatro, bem como os supervisores Ahsha Safai, Joel Engardio, Matt Dorsey, Kathryn Stefani e Myrna Melgar. Os moderadores Aaron Peskin, Shaman Walton, Dean Preston e Connie Chan se opuseram à decisão, e Peskin afirmou que a decisão seria “uma fenda que durará e não cicatrizará por muito tempo”. A superintendente Hillary Ronen não estava presente na reunião. Depois que a emenda foi removida, o conselho votou 9-1 no idioma original, com Pescaine na oposição.

READ  Notícias da greve dos atores SAG: Sucessão estrela Brian Cox diz que a greve de Hollywood pode ficar 'muito irritante'

Outro porta-voz do Planet, David Perry, considera a decisão uma vitória, já que o projeto segue para sua próxima audiência na quinta-feira com a Comissão de Preservação e Planejamento Histórico, que decidirá se a empresa de promoção de shows com sede em Berkeley receberá um Certificado de Adequação que lhes permite fazer mudanças significativas no projeto, nos marcos da cidade.

“Todo mundo que aprecia o Castro Theatre, o Castro Neighborhood e o filme e a programação LGBTQ que é uma grande parte de ambos devem ser gratos esta noite”, disse Perry ao SFGATE na terça-feira. “Tornou-se um ícone internacional insubstituível, agora capaz de preservar, restaurar e evoluir para esta e as futuras gerações.”

Em abril, outro planeta a Pacote de benefícios comunitários Ele detalha seus planos mais recentes para o Castro Theatre, que se compromete a dedicar cerca de um terço de sua programação a exibições de filmes e festivais de cinema, enquanto pelo menos 25% de sua programação se comprometerá a hospedar atividades, artistas e eventos LGBTQ+. Com apenas 170 eventos propostos no local anualmente – um número sujeito a mudanças ou aumento, de acordo com Perry – muitos temem que os programas LGBTQ e focados em filmes que fazem parte de Castro há décadas estejam em frangalhos.

Pessoas vestem camisetas “Save the Seats” durante uma reunião da comunidade no Teatro Castro em 2022.

Cortesia de Jesse Oliver Sanford

Os oponentes dos planos de outro planeta continuaram frustrados e preocupados com o futuro do teatro após a votação do Conselho de Supervisores na terça-feira.

“O Castro Theatre é um marco amado e um bem vital para a comunidade e deve ser tratado como tal”, disse Peter Pastrich, diretor executivo do Castro Theatre Conservancy, ao SFGATE em um comunicado. “A votação de hoje, que indica a disposição dos superintendentes de ver o último cinema de São Francisco profanado para que uma organização com fins lucrativos possa gerar mais lucros, mostrou uma falta de compreensão do amplo significado cultural do Teatro Castro que tanto lamentamos. ”

O presidente democrata do Harvey Milk Club, Jeffrey Kwong, também considerou a decisão um retrocesso.

“Quando o Castro Theatre foi proposto pela primeira vez como um marco, Harvey Milk entendeu que um marco é unir os bairros”, disse Kwong. “Que seja acessível a idosos, famílias, pessoas com deficiência e pessoas de todas as esferas da vida. Que seja visto no contexto da história e do patrimônio cultural, não no contexto do oportunismo econômico. A votação de hoje é um afastamento do esse sentimento, a serviço de uma empresa que dividiu nossa comunidade em um momento.” fragilidade.”

Interior do Teatro Castro.

Interior do Teatro Castro.

Mark Maines/Getty Images

Stephen Torres, falando em nome do Castro LGBTQ Cultural District, não mediu palavras sobre sua decepção, mas permaneceu determinado a proteger o legado do teatro.

“O Castro LGBTQ Cultural District leva a sério seu papel na preservação de nossa herança cultural e histórica – especialmente em tempos em que os espaços seguros para a comunidade LGBTQ, especialmente os mais vulneráveis, estão desaparecendo”, disse Torres. “Embora estejamos desapontados com o fato de o Conselho de Supervisores não ter aproveitado esta oportunidade para impor uma supervisão adequada sobre um ativo comunitário ameaçado, continuaremos a apoiar a ampla coalizão de partes interessadas da comunidade enquanto eles buscam garantir a autodeterminação da comunidade. Somos gratos a os supervisores que defenderam nossa posição.”

A Comissão de Preservação Histórica e a Comissão de Planejamento da cidade realizarão uma audiência conjunta na quinta-feira, às 10h, que poderá determinar até onde o Outro Planeta iria nas propostas de mudanças no palco, levando em consideração a legislação, a certificação de idoneidade e os pedidos de licença de uso condicional.

Mais sobre o Teatro Castro