Maio 23, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Meta concorda em pagar US $ 90 milhões para resolver processo sobre atividade de rastreamento de usuários do Facebook

Meta concorda em pagar US $ 90 milhões para resolver processo sobre atividade de rastreamento de usuários do Facebook

O acordo, anunciado na terça-feira, é um dos maiores da história da empresa de mídia social, mas é improvável que afete o lucro líquido de US$ 590 bilhões da gigante da internet. Se o acordo for aprovado, ele também estaria entre os dez maiores acordos judiciais de privacidade de dados em massa nos Estados Unidos, de acordo com Decilo Levitt-Gotzler, um dos escritórios de advocacia envolvidos no arquivamento do caso.

O porta-voz da Meta, Drew Pusatri, disse em comunicado à CNN Business. A empresa negou qualquer irregularidade no negócio.

O caso arquivado em 2012 pertence a A Atualização de 2010 pelo Facebook Chama-se “Open Graph”, projetado para dar aos amigos dos usuários uma visão de suas atividades e interesses online. Como parte da atualização, a empresa lançou um plugin para um botão “Curtir” em sites online, no qual os usuários podem clicar para destacar seus interesses. suas redes do Facebook.

O plug-in do botão Curtir também permitiu que o Facebook coletasse dados, usando cookies, sobre a atividade dos usuários neste site – incluindo, por exemplo, os sites que eles visitam, itens que visualizaram ou compraram e conexões que tinham com este site – Independentemente de o usuário realmente usou o botão ou mesmo sabia que estava lá, de acordo com documentos judiciais.

Para mitigar as preocupações com a privacidade, a empresa disse na época que não coletaria cookies de identificação do usuário sobre a atividade do usuário em sites parceiros enquanto eles estivessem desconectados do Facebook. Contudo, Os pesquisadores encontraram Que o Facebook continuou a coletar alguns cookies específicos sobre a atividade online dos usuários mesmo depois que eles se desconectaram da plataforma, ao contrário do que havia prometido. Depois de anunciar a questão em 2011, o Facebook inicialmente defendeu a prática, mas depois Correção emitida Ela explicou suas políticas. Os juízes do caso acusaram a empresa de quebra de contrato.

A batalha legal já dura anos. Em 2017, depois que os promotores apresentaram uma terceira queixa atualizada, um juiz concedeu o pedido do Facebook para encerrar o caso. Os promotores apelaram da decisão de indeferimento e, em 2020, o Tribunal de Apelações dos EUA para o Nono Circuito reverteu parcialmente a decisão. O Facebook recorreu da decisão ao Supremo Tribunal, que se recusou a considerar o caso, e abriu a porta para as duas partes começarem a negociar o acordo.

READ  Wall Street fecha com fortes ganhos após alta de juros pelo Fed

O acordo se aplica a usuários do Facebook dos EUA com uma conta entre 22 de abril de 2010 e 26 de setembro de 2011, que visitaram sites não-Facebook que ofereceram um botão Curtir, uma lista de tudo, de Pandora a ESPN.

Como parte do acordo, a Meta concordou em excluir os dados do usuário coletados por meio dessa prática.

“É realmente um alerta para empresas de internet e publicidade que coletam dados de usuários e usam rastreamento avançado de navegador”, disse Stephen Gregel, um dos principais advogados que representam os membros da classe, em comunicado sobre o acordo.