Junho 13, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Meu Mac Studio é uma tela em branco para auto-expressão

Meu Mac Studio é uma tela em branco para auto-expressão

Não gosto muito de Marie Kondo, mas meu estúdio Mac desperta alegria em mim todos os dias, e não porque é o computador mais rápido que já tive. Também não é sobre as portas frontais que a Apple deu, nem é sobre a vila portuária que mora atrás.

Olha, achei esse adesivo de bigode no fundo da gaveta da minha casa. Não sei de onde veio, apenas que estava lá e, no momento em que o encontrei, soube imediatamente onde colocá-lo: bem no meio do meu Mac Studio. Eu tenho pensado por um tempo que o estúdio tem essa cara pateta na frente, e dar um tapa nele leva isso para casa. Isso me deixa feliz e, ultimamente, tenho pensado por que essa adição ao meu computador me deixa tão feliz.

Quando meu parceiro e eu vendemos nossa antiga casa para nos mudarmos para outro estado, alguns anos atrás, queríamos vendê-la como está. Nós o pintamos de rosa e, por dentro, cobrimos algumas das paredes com murais – uma paisagem desértica que pintei na sala de jantar e um padrão geométrico que meu parceiro cobriu meticulosamente a parede do nosso quarto, por exemplo. Quando um colega corretor de imóveis correu para nos dar recomendações, ele nos disse que deveríamos pintar tudo com algo neutro, como cinza ou branco.

Ele disse que as pessoas querem se imaginar no espaço e nem sempre são imaginativas o suficiente para ver além de uma parede já colorida.

Dizem-nos que um comprador em potencial pode estar apaixonado pela casa, entrar no quarto, ver as linhas intrincadas na parede, dizer: “Ah, não” e decidir não comprar só porque sim. Ele disse que as pessoas querem se imaginar no espaço e nem sempre são imaginativas o suficiente para ver além de uma parede já colorida. Eles precisam de uma tela em branco.

READ  As CPUs de desktop de 14ª geração da Intel são uma pequena atualização, mesmo para os padrões modernos - Ars Technica

Desde então, ocorreu-me que essa mesma ideia funciona, pelo menos para algumas pessoas (inclusive eu), no design dos produtos da Apple e, por extensão, no design de muitos outros produtos de tecnologia de empresas que atingem as mesmas notas.

Muitos dispositivos da Apple – laptops, desktops, telefones e assim por diante – apresentam essas áreas de nada plano. Seus planos inexpressivos geralmente são quebrados apenas quando precisam; Com um teclado ou uma porta USB-C, por exemplo. Hoje em dia, a empresa nem imprime mais “MacBook” sob a tela. É fácil chamar isso de chato, mas não concordo.

Eu diria que a simplicidade dá muito mais personalidade do que uma aparência de nota única de, digamos, basicamente todos os roteadores de jogos, o que muitas vezes confunde você. algo, qualquer que seja.

Algumas pessoas gostam desse tipo de coisa – e tudo bem! Eu também faço isso. Mas, como diz o ditado, são necessários todos os tipos para criar um mundo, e o design, na minha visão de leigo, nem sempre é sobre o que é, mas às vezes o que não é. Onde uma pessoa vê uma área plana grande e sem criatividade na parte de trás da tela do MacBook Air, outra pessoa pode ver uma tela que pode preencher para refletir verdadeiramente quem ela é, com adesivos, um Sharpie ou até mesmo tinta.

Ou, você sabe, um bigode.