Fevereiro 24, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

MiG-29 da Polônia: Varsóvia se torna o primeiro membro da OTAN a prometer caças à Ucrânia

MiG-29 da Polônia: Varsóvia se torna o primeiro membro da OTAN a prometer caças à Ucrânia



CNN

Na quinta-feira, a Polónia prometeu enviar quatro Jatos de combate MiG-29 para a Ucrânia, o primeiro membro da OTAN a fazê-lo, em um passo importante na batalha de Kiev para resistir à ofensiva russa.

O presidente Andrzej Duda disse que os aviões – cerca de uma dúzia herdados da antiga RDA – serão entregues nos próximos dias após o serviço.

“No que diz respeito ao MiG-29, que ainda está em serviço na defesa do espaço aéreo polonês, uma decisão foi tomada no mais alto nível, podemos dizer com confiança que estamos enviando MiGs para a Ucrânia”, disse Duda.

Varsóvia era líder entre os aliados da OTAN no fornecimento de armas pesadas a Kiev. O anúncio de que a Polônia enviaria aeronaves projetadas pelos soviéticos é um passo além do restante dos compromissos da aliança e pode pressionar outros estados membros a fazer o mesmo. Outros países da Otan relutam em ir além de uma decisão do início deste ano de enviar tanques para Kiev, e os Estados Unidos insistiram na quinta-feira que a decisão da Polônia não forçaria Washington a fazê-lo.

Falando em uma coletiva de imprensa em Varsóvia com seu novo homólogo tcheco, Petr Pavel, o presidente polonês expressou o apoio mútuo dos dois países a Cave.

“A República Tcheca e a Polônia são dois países que estão absolutamente na vanguarda quando se trata de apoiar a Ucrânia, tanto em nível humanitário quanto militar”, disse o presidente Duda.

A Polônia foi um dos países europeus mais ativos contra a Rússia – mesmo antes da invasão da Ucrânia. A Rússia ainda é vista por muitos nos círculos políticos e diplomáticos poloneses no contexto da Guerra Fria. Varsóvia há muito vê Putin como indigno de confiança e o expansionismo russo como algo a ser combatido a todo custo. É um dos poucos países da OTAN que é obrigado por lei a cumprir os compromissos de gastos com defesa de 2% do PIB e é um membro ativo da comunidade europeia de defesa.

READ  Equipes de resgate cavam para chegar a 40 trabalhadores presos em um túnel rodoviário desabado no norte da Índia

O envio dos MiGs não é um movimento inesperado para a Polônia e é totalmente consistente com sua adesão à OTAN. Poderia mudar a dinâmica dentro da aliança, atuando como um catalisador para que mais países o fizessem, ou perturbar os países que se opõem a um maior envolvimento da OTAN no conflito, como a Hungria.

A grande questão será se isso pressionará o Reino Unido e os Estados Unidos, que farão o mesmo pela Alemanha. No final, criar essa pressão sobre os outros aliados pode ter sido a intenção da Polônia.

A Casa Branca disse na quinta-feira que a decisão da Polônia de enviar os caças é uma “decisão soberana” que não levará o presidente Joe Biden a enviar os F-16.

“Isso não muda nossos cálculos em relação ao F-16”, disse John Kirby, um alto funcionário do Conselho de Segurança Nacional dos EUA.

“Estas são decisões soberanas que qualquer país deve tomar e nós respeitamos essas decisões soberanas”, disse ele, acrescentando mais tarde: “Eles têm que decidir não apenas o que vão dar, mas como vão classificá-lo”.

“Acho que não cabe a nós caracterizar a decisão da Polônia de uma forma ou de outra”, disse Kirby, recusando-se a endossar a resolução.

Biden, que disse no início deste ano que não enviaria caças americanos para a Ucrânia, disse que não seria afetado pela decisão da Polônia.

O chanceler alemão Olaf Schultz anunciou que seu país forneceria 14 tanques Leopard 2 em janeiro, sujeito a intensa pressão internacional liderada pelos Estados Unidos, Polônia e um bloco de outros países europeus, que exortou Berlim a intensificar seu apoio militar e se comprometer com isso . Envie seus carros desejados.

Esse anúncio foi acompanhado pelos Estados Unidos, com o presidente Joe Biden dizendo que forneceria 31 tanques M1 Abrams para a Ucrânia, refletindo a resistência de longa data do governo aos pedidos de Kiev por veículos altamente avançados, mas de manutenção pesada.

READ  Primeiro-ministro do Japão muda de gabinete à medida que aumenta a raiva por laços com a Igreja da Unificação

Além dos tanques, a Ucrânia também está pressionando os Estados Unidos a fornecer caças, argumentando que precisa dos aviões para se defender dos ataques de mísseis e drones russos.

Mas esse esforço foi recebido com ceticismo por parte de autoridades dos EUA e aliados, que dizem que os aviões seriam impraticáveis ​​porque exigem muito treinamento e a Rússia tem extensos sistemas antiaéreos que poderiam ser facilmente derrubados.

Autoridades dos EUA e da Europa disseram anteriormente à CNN que os caças F-16 são impraticáveis ​​nessa situação. A Alemanha descartou completamente a entrega de caças à Ucrânia, enquanto funcionários do governo britânico ecoaram o mesmo sentimento e disseram acreditar que não era prático enviar aviões para a Ucrânia.

Entretanto, na quinta-feira, as autoridades polacas anunciaram a detenção de nove pessoas pertencentes a uma alegada rede de espionagem por suspeita de “colaboração” com a agência de informações russa, a FSB.

O ministro do Interior, Mariusz Kaminski, disse que os detidos eram “estrangeiros do outro lado da fronteira oriental”.

“Os suspeitos realizaram atividades de inteligência contra a Polônia e planejaram atos de sabotagem a pedido da inteligência russa”, disse o ministro.

Kaminsky revelou que o Ministério Público acusou seis pessoas de espionagem e participação em grupo criminoso organizado.

Ele disse que o tribunal decidiu deter as seis pessoas antes do julgamento, acrescentando que os procedimentos de julgamento estão pendentes contra os três presos na quarta-feira.

As evidências são de que o grupo estava vigiando as ferrovias. Suas tarefas incluem identificar, controlar e documentar as transferências de armas para a Ucrânia.

“Os suspeitos deveriam se preparar para atividades de sabotagem destinadas a interromper o fornecimento de equipamentos, armas e ajuda à Ucrânia”, disse Kamensky.