Maio 27, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Montadoras enfrentam aumento acentuado nos custos do metal com oferta russa ameaçada

Montadoras enfrentam aumento acentuado nos custos do metal com oferta russa ameaçada

LONDRES (Reuters) – Procurando uma nova jornada de poupança? Melhor começar a colocar mais dinheiro de lado.

A invasão russa da Ucrânia elevou os preços dos metais usados ​​nos carros, do alumínio no chassi ao paládio em conversores catalíticos e níquel de alta qualidade em baterias de carros elétricos, e os motoristas provavelmente pagarão a conta.

Embora os metais ainda não tenham sido alvo de sanções ocidentais, algumas empresas de transporte e fornecedores de autopeças já estão evitando produtos russos, colocando mais pressão sobre as montadoras que já sofrem com a escassez de chips e o aumento dos preços da energia.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

“Então o que acontece a partir daqui?” perguntou Carlos Tavares, CEO da Stellantis (STLA.MI)a quarta maior montadora do mundo, quando falou com repórteres na semana passada.

“Primeiro, o que acontece é que temos uma escalada de custos que vem de matérias-primas e energia, o que vai pressionar mais o modelo de negócios”, disse.

O alumínio e o paládio atingiram níveis recordes na segunda-feira, enquanto o níquel, que também é usado para fabricar aço inoxidável, chegou a US$ 100.000 a tonelada pela primeira vez na terça-feira. Consulte Mais informação

Andreas Wheeler, CEO da Aludyne, que fabrica peças de alumínio fundido e magnésio para montadoras, disse que sua empresa europeia viu um aumento de 60% no custo do alumínio nos últimos quatro meses, além de um aumento nas contas de energia.

Com vendas anuais de US$ 1,2 bilhão e custos crescentes “na casa das centenas de milhões de dólares”, Wheeler, cuja empresa está sediada em Southfield, Michigan, disse que teve que pedir aos clientes que pagassem mais do que o combinado.

“Alguns são mais compreensivos e cooperativos do que outros, mas não podemos sobreviver sem isso”, disse Wheeler, dono de quatro fundições e uma fábrica mecânica na Europa, à Reuters.

READ  A tempestade de tweets de Elon Musk no Twitter alimenta teorias sobre drama de pintura

Acabar com a escassez de chips pode ajudar as montadoras a compensar os preços mais altos de metal e energia, disse o CEO da Stellantis, Tavares, mas ele não espera nenhuma resolução para os problemas de semicondutores este ano.

“Nós desistimos”

Os consumidores já estão pagando o preço pela escassez de chips, pois isso levou a estoques de carros mais baixos e preços mais altos – mesmo antes de os preços mais altos do metal chegarem ao jardim da frente.

De acordo com a consultoria LMC e JD Power, o preço médio de um veículo novo nos EUA foi de US$ 44.460 em fevereiro, um aumento de 18,5% em relação ao mesmo mês de 2021.

Fabricantes de automóveis alemães, como a Volkswagen (VOWG_p.DE) E a BMW já havia sido atingida pela invasão russa da Ucrânia que os fabricantes de fios do oeste do país foram forçados a interromper a produção. Um chicote de fiação é um grupo vital de peças que agrupam precisamente até 5 quilômetros (3,1 milhas) de cabo em um carro típico – a Ucrânia é o principal fornecedor. Consulte Mais informação

E quando se trata de metais, as empresas russas estão entre os principais fornecedores da Alemanha. Em 2020, eles representaram 44% das importações alemãs de níquel, 41% de titânio, um terço de ferro e 18% de paládio.

Com uma produção de 108 milhões de toneladas no ano passado, a Rússia é o quinto maior produtor mundial de minério de ferro, segundo o Credit Suisse, fornecendo às siderúrgicas europeias que agora enfrentam preços mais altos e potenciais dificuldades na aquisição do metal.

Voestalpine na Áustria e a SSAB sueca (SSABa.ST) Ambos estão expostos a esses riscos, segundo o banco de investimentos norte-americano JP Morgan.

READ  Dólar sobe, ações caem com retorno das tensões da inflação

A Voestalpine disse que tinha estoque suficiente para os próximos meses, mas esperava que teria que comprar matérias-primas de outros fornecedores depois disso. A SSAB não respondeu a um pedido de comentário sobre suprimentos da Rússia.

Lingotes de 99,98% de paládio puro e 99,97% são vistos na fábrica de metais não ferrosos de Krastsvetmet, na cidade siberiana de Krasnoyarsk, Rússia, 22 de novembro de 2018. REUTERS/Ilya Naymushin

Diante da opção de comprar bens russos e do financiamento indireto da invasão russa, que Moscou chama de operação militar especial, o fornecedor alemão de alumínio e aço Voss Edelstalhandel decidiu traçar a linha.

“Embora o alumínio não esteja na lista de sanções, a Rússia o usa para trazer dinheiro para o país, então nos demitimos”, disse o CEO da Reuters, Thorsten Studmund.

A Rússia é um grande produtor de alumínio, que é o metal mais intensivo em energia na produção, respondendo por 6% da produção mundial.

Baterias de metal para baterias

Studemund também enfrentou preços mais altos do níquel.

Enquanto a Rússia responde por 5% da produção global de níquel, ela fornece cerca de 20% do níquel de alta qualidade do mundo, disse Casper Rawls, diretor de dados da consultoria especializada Benchmark Mineral Intelligence (BMI).

O metal está sendo usado para fabricar baterias de carros elétricos, representando um novo desafio para as montadoras que já estão investindo bilhões para se afastar dos motores a combustão, assim que a demanda por modelos de emissão zero começou.

Parte do níquel russo de alta qualidade pode acabar na China, algo que provavelmente não imporá sanções à Rússia, mas tudo isso ocorre em um momento em que as montadoras enfrentam contas crescentes de outros metais para baterias de carros elétricos, já que a demanda supera a oferta.

“Esta é uma grande preocupação para a cadeia de suprimentos de baterias, já que você tem preços recordes de lítio e preços muito altos de cobalto e níquel”, disse Rawls. “Isso só aumenta os problemas metálicos das baterias.”

READ  General Motors busca aprovação dos EUA para implantar um carro autônomo sem volante

As baterias estão entre os componentes mais caros dos carros elétricos e as montadoras esperam que se tornem mais baratas para que possam oferecer carros elétricos acessíveis.

A BMW disse que está se concentrando o máximo possível na reciclagem de baterias de níquel, com até 50% do níquel usado na bateria de alta tensão do novo BMW iX.

Quando se trata de paládio, as montadoras também estão com problemas.

A indústria automobilística o usa em conversores catalíticos para modelos a gasolina – ou platina para modelos a diesel – que ainda representam a grande maioria das vendas de carros.

Os preços do paládio aumentaram há cerca de seis anos e a Rússia responde por cerca de 40% do mercado mundial.

“Não há outra opção além de paládio e platina para conversores catalíticos, e você não pode construir um carro sem um conversor catalítico”, disse Chris Blasey, CEO da comerciante de metais preciosos Neptune Global.

Ele disse que comprou muito paládio em dezembro por US$ 1.940 a onça. Na segunda-feira, atingiu um recorde de US$ 3.440.

Blasey estimou o valor do paládio usado no carro médio em cerca de US$ 200, mas isso poderia facilmente dobrar.

“Ou os consumidores pagarão mais pelos carros ou, se as montadoras não puderem deixar passar, terão que encontrar economias de custos em outros lugares”, disse ele.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Reportagem adicional de Ben Kleiman e Paul Linert em Detroit e Christoph Stitz em Frankfurt. Edição por David Clark

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.