Dezembro 3, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

Múltiplas explosões atingem Kharkiv, leste da Ucrânia

Múltiplas explosões atingem Kharkiv, leste da Ucrânia

Kyiv, Ucrânia (AFP) – Uma série de explosões abalou a cidade de Kharkiv, no leste da Ucrânia, nas primeiras horas da manhã de sábado, enviando nuvens de fumaça acesas para o céu, causando uma série de explosões secundárias.

Não houve relatos imediatos de feridos

As explosões ocorreram horas depois que a Rússia concentrou seus ataques em sua invasão cada vez mais turbulenta da Ucrânia em áreas que havia anexado ilegalmente, enquanto o número de mortos em ataques anteriores com mísseis em prédios de apartamentos na cidade de Zaporizhia, no sul, subiu para 14.

O prefeito de Kharkiv, Ihor Terekhov, disse em um telegrama que as explosões no início da manhã foram resultado de ataques com mísseis no centro da cidade. Ele disse que as explosões causaram incêndios em uma das instituições médicas da cidade e em um prédio não residencial.

Em uma repreensão ao presidente russo Vladimir Putin por seu comportamento no pior conflito armado da Europa desde a Segunda Guerra Mundial, o Comitê Nobel da Noruega concedeu o Prêmio Nobel da Paz. Para organizações de direitos humanos em seu país e na Ucrânia, e um ativista preso na Bielorrússia, um aliado da Rússia.

O presidente da comissão, Berit Reiss-Andersen, disse que a honra foi para “três destacados defensores dos direitos humanos, democracia e coexistência pacífica”.

Putin reivindicou esta semana ilegalmente Quatro regiões da Ucrânia como território russo, incluindo a região de Zaporizhzhia, que abriga a maior usina nuclear da Europa, cujos reatores foram desligados no mês passado.

Os combates perto da usina nuclear de Zaporizhzhya, ocupada pela Rússia, alarmaram o Observatório de Energia Atômica das Nações Unidas, que na sexta-feira dobrou o número de seus inspetores que monitoram as medidas de proteção da usina para quatro. O ministro da Proteção Ambiental da Ucrânia, Ruslan Strelets, disse na sexta-feira que um acidente pode liberar 10 vezes mais radiação letal do que o pior desastre nuclear do mundo, que ocorreu em Chernobyl, na Ucrânia, há 36 anos.

“A situação com a ocupação, bombardeio e mineração das usinas nucleares de Chernobyl e Zaporizhzhya pelas forças russas está causando consequências que terão um caráter global”, disse Strelets à Associated Press.

READ  A guerra entre a Rússia e a Ucrânia: atualizações ao vivo - The New York Times

A Agência Internacional de Energia Atômica das Nações Unidas, o órgão de vigilância nuclear da ONU, relatou mais problemas na usina, dizendo na sexta-feira no Twitter que a energia externa foi novamente cortada em um de seus reatores de Zaporizhzhia, exigindo o uso de geradores a diesel de emergência para sistemas de segurança de energia.

A cidade de Zaporizhzhia está localizada a 53 quilômetros da usina nuclear onde o corvo voa e permanece sob controle ucraniano. Para reforçar a reivindicação da Rússia sobre a área, as forças russas bombardearam a cidade com mísseis S-300 na quinta-feira, com mais ataques na sexta-feira.

Autoridades ucranianas disseram que o número de mortos nos ataques a prédios de apartamentos subiu para 14 na sexta-feira, enquanto 12 pessoas feridas no atentado ainda estavam no hospital.

O governador de Zaporizhzhya, Oleksandr Starukh, disse que os mísseis também atingiram a cidade durante a noite, ferindo uma pessoa. Ele acrescentou que a Rússia também usou aeronaves Shahed-136 fabricadas no Irã pela primeira vez e destruiu duas instalações de infraestrutura.

Com seus militares perdendo terreno para um contra-ataque ucraniano no sul e no leste, a Rússia instalou drones descartáveis ​​fabricados pelo Irã que são mais baratos e menos complexos do que mísseis, mas ainda capazes de destruir alvos terrestres.

O Instituto para o Estudo da Guerra, com sede em Washington, disse que é improvável que o uso de drones cheios de explosivos pela Rússia afete o curso da guerra.

Eles usaram muitos drones contra alvos civis na retaguarda, na esperança de produzir efeitos não lineares por meio do terrorismo. Analistas do think tank escrevem que tais esforços não tiveram sucesso.

Em outras áreas anexadas por Moscou, o Ministério da Defesa russo informou na sexta-feira que suas forças repeliram o avanço ucraniano perto da cidade de Lyman e recapturaram três aldeias em outros lugares da região leste de Donetsk. O ministério também afirmou que as forças russas impediram que as forças ucranianas avançassem em várias aldeias na região sul de Kherson.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse em seu discurso noturno em vídeo na sexta-feira que seu exército só nesta semana recapturou 776 quilômetros quadrados (300 milhas quadradas) de terra no leste e 29 assentamentos, incluindo seis na região de Luhansk, anexada a Putin. No total, disse ele, as forças ucranianas libertaram 2.434 quilômetros quadrados (940 milhas quadradas) de terra e 96 assentamentos desde o início de seu contra-ataque.

READ  A última guerra Rússia-Ucrânia: o que sabemos no dia 206 da invasão | Ucrânia

Na região de Dnipropetrovsk, na Ucrânia, forças russas bombardearam a cidade de Nikopol durante a noite, matando uma pessoa, ferindo outra e danificando prédios, gasodutos e sistemas elétricos, disse o governador. Nikopol está localizada ao longo do rio Dnieper, do outro lado do território controlado pela Rússia, perto da usina nuclear. A cidade foi repetidamente bombardeada por semanas.

O impacto da devastação e morte infligidas à Rússia a partir das áreas onde suas forças recuaram se tornaram mais visíveis na sexta-feira. Um relatório do primeiro vice-ministro do Interior da Ucrânia, Yevhen Lenin, revelou que 530 corpos de civis foram encontrados na região de Kharkiv, no nordeste da Ucrânia, desde 7 de setembro.

Lenin disse que entre os moradores mortos durante a ocupação russa estavam 257 homens, 225 mulheres e 19 crianças, enquanto 29 pessoas não foram identificadas. A maioria dos corpos foi encontrada em uma vala comum que foi escavada anteriormente na cidade de Izium.

De acordo com Yenin, os corpos encontrados tinham vestígios de tiros, explosões e tortura. Algumas pessoas tinham cordas em volta do pescoço, as mãos amarradas atrás das costas, ferimentos de bala nos joelhos e costelas quebradas.

Serhiy Polvinov, oficial da polícia regional, disse que as autoridades identificaram 22 locais de tortura em partes da região de Kharkiv recentemente libertadas pelas forças ucranianas.

O governador de Donetsk, Pavlo Kirilenko, informou no Telegram que no Lyman recentemente restaurado, trabalhadores encontraram 200 valas individuais e valas comuns com um número desconhecido de vítimas. Em Svyatohersk, a 24 quilômetros de Lyman, 21 corpos de civis foram enterrados novamente.

Enquanto isso, equipamentos e armas militares russos estão chegando às mãos dos ucranianos. O Ministério da Defesa britânico disse na sexta-feira que as forças ucranianas capturaram pelo menos 440 tanques e cerca de 650 veículos blindados desde o início da invasão russa em 24 de fevereiro.

READ  Exército sudanês bombardeia fronteira disputada com a Etiópia

O ministério britânico disse: “O fracasso das tripulações russas em destruir o equipamento adequado antes de se retirar ou se render destaca seu treinamento ruim e baixos níveis de disciplina na batalha”. “Com as formações russas sob forte pressão em vários setores e o moral das tropas cada vez mais frustrado, a Rússia provavelmente continuará perdendo armas pesadas”.

Putin ordenou uma mobilização parcial dos reservistas do exército russo no mês passado para reforçar as tropas nas linhas de frente na Ucrânia. No entanto, erros causaram o recall, e dezenas de milhares de homens fugiram da Rússia, despreparados para lutar na guerra de Putin.

Isso deixou a Rússia em extrema necessidade de reforços de tropas. Os militares ucranianos disseram, na sexta-feira, que 500 ex-criminosos foram mobilizados para reforçar as fileiras russas na região oriental de Donetsk, onde as forças ucranianas reconquistaram território. Os militares disseram que policiais estão comandando as novas unidades.

A agência de notícias estatal russa TASS informou na sexta-feira que um tribunal da cidade russa de Penza rejeitou o primeiro caso contra um russo chamado para prestar serviço, mas recusou. Os advogados do homem de 32 anos argumentaram que a lei sob a qual ele foi acusado se aplica apenas aos trapaceiros, não àqueles sujeitos a mobilização parcial.

Em outro sinal de problemas, surgiram relatos de treinamento deficiente e suprimentos insuficientes para as novas forças russas. Pelo menos duas cidades russas – São Petersburgo e Nizhny Novgorod – anunciaram na sexta-feira que estavam cancelando as celebrações russas de Ano Novo e Natal e redirecionando esse dinheiro para comprar suprimentos para as tropas russas.

Sob crescente pressão de seus apoiadores e críticos, Putin continuou a reorganizar a liderança de seu exército, substituindo o comandante do Distrito Militar Oriental da Rússia.

___

Os jornalistas da Associated Press Hana Arherova em Kyiv e Vasilisa Stepanenko e Francisco Seko em Kharkiv contribuíram para este relatório.

___

Acompanhe a cobertura da AP sobre a guerra na Ucrânia em https://apnews.com/hub/russia-ukraine