Junho 22, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

NASA diz que Phaethon é mais estranho do que os astrônomos pensavam

NASA diz que Phaethon é mais estranho do que os astrônomos pensavam

O asteroide 3200 Phaethon, um estranho no espaço, é mais estranho do que os astrônomos pensavam, Pesquisadores da NASA disseram na terça-feira.

O asteróide se comporta como um cometa e os astrônomos pensaram que sua cauda era feita de poeira, mas… Um novo estudo publicado no The Planetary Science Journal Descobri que a cauda era na verdade feita de gás sódio.

Qicheng Zang, estudante de doutorado da Caltech e principal autor do estudo, usou a espaçonave do Observatório Sol e Heliosférico para examinar Phaethon e sua cauda. Segundo a NASA, a maioria dos asteróides feitos de rocha não forma uma cauda quando se aproxima do sol. Os cometas são feitos de rocha e gelo geralmente com caudas.

Com base no estudo de Phaethon, Zhang e outros cientistas se perguntam se alguns cometas não podem, de fato, ser cometas.

“Muitos desses outros ‘cometas’ nadando ao sol também podem não ser ‘cometas’ no sentido usual de um corpo gelado, mas podem ser asteróides rochosos como Phaethon que são aquecidos pelo sol”, disse Zhang em um site da NASA. .

Phaethon também é um recurso a chuva anual de meteoros Geminídeos, Embora os cometas causem a maioria das chuvas de meteoros. Quando os astrônomos pensavam que a cauda de Phaethon era feita de poeira, isso fazia sentido porque pedaços de detritos da trilha em chamas produziam chuvas de meteoros. Agora, os especialistas procuram a resposta de como Phaethon, com sua cauda de gás sódio, forneceu o material para a chuva de meteoros Geminídeos em dezembro.

A equipe de Zhang disse que pode ter ocorrido um evento devastador alguns milhares de anos atrás que fez com que Phaethon ejetasse material do fluxo de detritos Geminídeos.

Os pesquisadores podem ter mais respostas ainda nesta década. Espera-se que uma próxima missão da JAXA chamada DESTINY+ voe por Phaethon para obter imagens de sua superfície rochosa e estudar qualquer poeira que possa estar presente ao redor do asteroide.

Faetonte Também chamou a atenção da NASA em 2017, quando se aproximou o suficiente da Terra para ser classificado como “perigoso” pelo Minor Planet Center da União Astronômica Internacional.

READ  Podemos estar errados sobre o T.Rex novamente, diz novo estudo: ScienceAlert