Maio 25, 2024

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

O CEO da Activision, Bobby Kotick, diz que o “comportamento decepcionante” da Sony não prejudicará seu relacionamento de longo prazo

O CEO da Activision, Bobby Kotick, diz que o “comportamento decepcionante” da Sony não prejudicará seu relacionamento de longo prazo

O CEO da Activision Blizzard, Bobby Kotick, afirmou que a tentativa da Sony de impedir a venda do fabricante do Call of Duty para a Microsoft não será mantida contra o fabricante do PlayStation a longo prazo.

Em um e-mail enviado aos funcionários da Activision na terça-feira, Kotick forneceu uma atualização sobre o status do acordo de US$ 69 bilhões, no qual chamou o comportamento recente da Sony de “decepcionante”.

Sua carta referia-se à recente alegação da Sony de que a Microsoft pode lançar intencionalmente versões com bugs de jogos Call of Duty em consoles PlayStation se adquirir a Activision.

Modern Warfare II + Warzone 2.0 – Anúncio do PlayStation Advantage

“Todos sabemos que nossos jogadores apaixonados serão os primeiros a responsabilizar a Microsoft por cumprir suas promessas de conteúdo e paridade de qualidade”, disse ele. “E todos nós que trabalhamos duro para fazer os melhores jogos em nossa indústria nos preocupamos profundamente com nossos jogadores por sempre lançarem versões abaixo do padrão de nossos jogos.”

De sua parte, a Microsoft afirmou repetidamente que ofereceu à Sony um contrato legal de 10 anos para disponibilizar todos os novos jogos Call of Duty no PlayStation no mesmo dia em que está no Xbox – com conteúdo completo e paridade de recursos.

No mês passado, o vice-presidente executivo de assuntos corporativos e diretor de operações da Activision Blizzard, Lulu Cheng Meservey, afirmou que o chefe da SIE, Jim Ryan, disse à Microsoft e à Activision: “Não quero o novo contrato de Call of Duty. Só quero impedir sua fusão. “

Kotick também parece ter feito referência a esse comentário em seu e-mail para a equipe na terça-feira.

“A Sony admitiu que não está realmente interessada no contrato de Call of Duty – eles só querem impedir que nossa fusão aconteça”, escreveu ele. “Este é um comportamento claramente decepcionante de um parceiro de quase trinta anos, mas não permitiremos que o comportamento da Sony afete nosso relacionamento de longo prazo.

“Os jogadores do PlayStation sabem que continuaremos a oferecer os melhores jogos possíveis nas plataformas da Sony, como fazemos desde o lançamento do PlayStation.”

A atualização de Kotick sobre o acordo indicou que obstáculos significativos foram recentemente eliminados.

Na semana passada, a Autoridade de Concorrência e Mercados do Reino Unido (CMA) disse que não acreditava mais que a aquisição reduziria significativamente a concorrência no espaço de jogos de console.

Na sexta-feira, o órgão de vigilância disse que atualizou suas descobertas provisórias depois de receber novas evidências que diminuíram algumas de suas preocupações sobre o acordo, principalmente a preocupação de que a Microsoft tornaria Call of Duty um exclusivo do Xbox.

Embora a CMA originalmente acreditasse que tornar Call of Duty um exclusivo do Xbox poderia ser comercialmente benéfico para a Microsoft, ela disse que os novos dados recebidos “sugerem que essa estratégia resultaria em perdas significativas em qualquer cenário razoável”.

E hoje cedo, o regulador de concorrência japonês concluiu que não tinha nenhum problema com a proposta de aquisição da Activision Blizzard pela Microsoft, o que significa que não tentaria bloquear o negócio.