Maio 26, 2022

Revista PORT.COM

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Revistaport

O Conselho das Nações Unidas suspende a participação da Rússia no mais alto órgão de direitos humanos

O Conselho das Nações Unidas suspende a participação da Rússia no mais alto órgão de direitos humanos

Organização das Nações Unidas (AFP) – A Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) votou nesta quinta-feira pela suspensão da adesão da Rússia à principal organização de direitos humanos do mundo por alegações de horríveis abusos de direitos humanos por soldados russos na Ucrânia, que os Estados Unidos e a Ucrânia chamaram de crimes de guerra.

Foi uma repreensão rara, senão sem precedentes, contra um dos cinco membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas com poder de veto.

A embaixadora dos EUA, Linda Thomas Greenfield, chamou a votação de “momento histórico”, dizendo à assembleia: “Enviamos coletivamente uma forte mensagem de que o sofrimento das vítimas e sobreviventes não será ignorado” e que a Rússia deve ser responsabilizada “por esse ato injusto, guerra irracional.” “.

Thomas Greenfield lançou uma campanha para suspender a Rússia do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas após vídeos e fotos mostrando ruas na cidade de Bucha repletas de cadáveres civis depois que soldados russos se retiraram. As mortes provocaram condenação global e pedem sanções mais duras contra a Rússia, que negou veementemente a responsabilidade de suas forças.

A Rússia é apenas o segundo país a ser destituído dos direitos de membro do Conselho de Direitos. O outro, a Líbia, foi suspenso em 2011 pelo parlamento quando os distúrbios no país do norte da África derrubou o líder de longa data Muammar Gaddafi.

O Conselho de Direitos Humanos, com sede em Genebra, tem a tarefa de destacar e aprovar investigações sobre abusos de direitos, e realiza revisões periódicas da situação dos direitos humanos em todos os 193 estados membros da ONU.

Estabeleceu comissões de inquérito – que fornecem o mais alto nível de escrutínio de abusos e violações de direitos – dos conflitos na Ucrânia, Síria, Territórios Palestinos e em outros lugares. Também estabeleceu missões de apuração de fatos em lugares como Líbia, Mianmar e Venezuela.

READ  A primeira-dama Jill Biden visita a Ucrânia em uma rara viagem a uma zona de guerra

A votação de uma resolução dos EUA que começou a suspender a Rússia foi por 93 a 24 com 58 abstenções, muito aquém das duas resoluções adotadas pela Assembleia no mês passado pedindo um cessar-fogo imediato na Ucrânia, a retirada de todas as forças russas e a proteção de civis . Essas duas resoluções foram aprovadas por pelo menos 140 países.

O vice-embaixador da Rússia, Gennady Kuzmin, disse após a votação que a Rússia já havia deixado o conselho antes que o conselho entrasse em ação, aparentemente antecipando o resultado. Com sua retirada, o porta-voz do conselho, Rolando Gomez, disse que a Rússia evitou privá-lo do status de observador no órgão de direitos humanos.

Kuzmin disse que a Rússia considera a adoção da resolução “um movimento ilegítimo e politicamente motivado” por um grupo de países com “interesses políticos e econômicos de curto prazo” que ele acusou de “violações flagrantes e em larga escala dos direitos humanos”.

O Conselho de Direitos Humanos de 47 membros foi criado em 2006 para substituir uma comissão que havia sido desacreditada pelos maus antecedentes de direitos humanos de alguns membros. O novo conselho logo enfrentou críticas semelhantes, incluindo que os violadores de direitos buscavam assentos para proteger a si mesmos e seus aliados e se concentrar em Israel.

Além da Rússia, outros quatro membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU – Grã-Bretanha, China, França e Estados Unidos, que voltaram este ano – estão atualmente servindo no Conselho de Direitos Humanos por três anos. Outros com registros de direitos humanos amplamente questionáveis ​​incluem China, Eritreia, Venezuela, Sudão, Cuba e Líbia.

Embora quase metade dos 193 estados membros das Nações Unidas tenham apoiado a resolução, mais da metade votou contra, se absteve ou não votou.

READ  Ministro de Taiwan: Guerra China-Taiwan terminará em 'vitória miserável'

Explicando sua decisão de não apoiar a resolução, alguns países a descreveram como prematura, observando que estavam em andamento investigações sobre a ocorrência de crimes de guerra ou disseram que isso prejudicaria a credibilidade do Conselho de Direitos Humanos e das Nações Unidas. Outros disseram que a decisão reflete as agendas geopolíticas dos EUA e da Europa e o que os oponentes descreveram como hipocrisia ocidental e raiva seletiva contra os direitos humanos.

Além da investigação do Conselho de Direitos Humanos, liderada pelo ex-juiz norueguês Erik Moss, que anteriormente atuou como presidente do Tribunal Penal Internacional para Ruanda, o Tribunal Penal Internacional está conduzindo uma investigação sobre possíveis crimes de guerra na Ucrânia.

Antes da votação, o embaixador da Ucrânia nas Nações Unidas, Sergei Kiseltsya, instou os membros da assembleia a impedir que o Conselho de Direitos Humanos “afunde” e suspenda a Rússia, dizendo que cometeu “horríveis violações de direitos humanos e abusos que podem resultar em guerra”. crimes e crimes contra a humanidade”.

“As ações da Rússia vão além de todas as fronteiras”, disse ele. A Rússia não está apenas cometendo abusos contra os direitos humanos, está abalando as bases da paz e da segurança internacionais.

Em documento distribuído pela Rússia e obtido pela Associated Press, a Rússia disse que os Estados Unidos e outros dissidentes querem manter seu controle do mundo e continuar uma “política de neocolonialismo de direitos humanos” nas relações internacionais.

Kisletsya respondeu às queixas da Rússia, dizendo: “Nós ouvimos, muitas vezes, a mesma lógica pervertida do agressor tentando se apresentar como vítima”.

A Assembleia Geral votou 140 a 5, com 38 abstenções, em 24 de março em uma resolução culpando a Rússia pela crise humanitária na Ucrânia e pedindo um cessar-fogo imediato e a proteção de milhões de civis, casas, escolas e hospitais essenciais para sua sobrevivência.

READ  Por dentro da diplomacia silenciosa dos EUA para diminuir as tensões com os sauditas e os emirados - e aumentar a produção de petróleo

A votação foi praticamente a mesma da resolução de 2 de março adotada pelo conselho exigindo um cessar-fogo imediato pela Rússia, a retirada de todas as suas forças e a proteção de todos os civis. A votação foi de 141 a 5, com 35 abstenções.

Ambos os votos não eram juridicamente vinculativos, mas tiveram influência como reflexo da opinião mundial.

No entanto, a votação de quinta-feira e a retirada da Rússia têm uma influência direta na voz de Moscou em um órgão de direitos humanos que se tornou cada vez mais um local para o confronto global entre democracias ocidentais e Estados autoritários. A China perderá um aliado chave lá.

A China se absteve de votar em ambas as câmaras no mês passado, mas votou contra a suspensão da Rússia do Conselho de Direitos Humanos.

——-

Peltz relatou de Nova York. O escritor da Associated Press Jamie Keiten contribuiu de Genebra.